Ler por aí
 
29 de Janeiro de 2018

 

00_wb_us.jpg

 Mais um livro do universo Cosmere lido. Talvez um dos ideais para começar a ler Sanderson. Aparentemente mais simples e leve que outros livros do autor tem, como sempre, uma fantástica construção de mundo e de personagens. 

Um novo sistema de magia, BioChromatic Breath, num mundo onde pessoas comuns, após morrerem, regressam como deuses. Lightsong é um deus que, apesar de ter retornado - e aparentemente ter morrido de forma heróica - não acredita na sua própria divindade e passa o tempo a tentar convencer as pessoas de Hallandren disso. Lightsong é um personagem delicioso. Acho que é impossível não ficarmos um bocadinho apaixonadas por ele. 

Siri e Vivenna, duas irmãs, princesas de um reino inimigo que não podiam ser mais diferentes. Vivenna é educada para, quando fizer 22 anos, ser entregue em casamento ao Deus-Rei de Hallandren mas acaba por ser Siri, a irmã rebelde, a ser enviada - sem qualquer preparação - para ser a mãe do próximo deus-rei.

Vasher e Denth, mercenários que entram nesta história sem revelar de imediato as suas intenções. Mas também eles terão um papel decisivo. 

Como sempre o desenvolvimento dos personagens e o sistema de magia são os pontos fortes da história. E como sempre Sanderson consegue fazer algo completamente diferente e surpreender-nos. 
Este é um mundo de cor. De diferentes níveis de cores. Um mundo onde o BioChromatic Breath é moeda de poder. Imaginem que este BioChromatic Breath é algo que todos nós temos. Um por pessoa. E que é o que nos permite ver o mundo em cores brilhantes, que sem ele passamos para um mundo a preto e branco. E que este BioChromatic Breath é transmissível. Podemos sobreviver sem ele mas os que retornam, os deuses deste mundo, precisam de um por semana para sobreviver. E quem tem muitos atinge vários níveis de poder. 

Como vos disse, LightSong é maravilhoso. O melhor personagem deste livro. Quer dizer, LightSong é o melhor personagem deste livro se não considerarmos Nightblood e o seu estranho sentido de justiça. E foi por causa de Nightblood que ouvi este livro. 

Sim, depois de ter relido o The Way of Kings e o Words of Radiance em audiobook, aventurei-me num audiobook em inglês sem ter lido o livro antes. Ao longo de algumas semanas, Lightsong e companhia fizeram-me companhia enquanto ia para o trabalho. Tinha algum receio mas a verdade é que consegui mergulhar neste mundo com relativa facilidade. E adorei. 

Não é o melhor livro do Sanderson mas é bom, é muito bom. E é importante para quem, como eu, está a ler os The Stormlight Archives. Vou ter que ir reler as partes do WoR em que a NightBlood dá um ar de sua graça (e sei que vou reler essa parte de uma forma absolutamente diferente) e que não consigo deixar de ter algum medo só de pensar nela em Roshar (Oh god, não vai bonito).

A maravilhosa magem que aqui está, foi descaradamente roubada do site do autor onde, para além dos já habituais comentários e fabulosa galeria de imagens, podem encontrar as várias versões - incluindo a final - deste livro. Sim, leram bem. O Sanderson partilhou com todos os seus leitores as várias fases da construção deste livro. Sim, podem lê-lo de borla. Ide lá e boas leituras.

 

Colors...

 

publicado por Patrícia às 07:00 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

ana margarida de carvalho

ana saragoça

anne bishop

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elantris

elena ferrante

feira do livro

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mistborn

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

oathbringer

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

pot-pourri de assuntos

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

sugestões à quarta

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

virginia woolf

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO