Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

28
Ago23

No ser humano tudo tem de ser belo, de Sasha Marianna Salzmann

Patrícia

tudo no ser humano tem que ser belo.jpeg

Nem sei bem porque é que este livro me chamou a atenção (li sobre ele no Público, onde leio sobre tantos outros que não se destacam) mas a verdade é que assim que pude comecei a lê-lo. Como habitualmente parti para a leitura sem saber quase nada sobre ele e ainda bem. Gosto de ser surpreendida, gosto de ir descobrindo o que a escritora me quer dizer sem preconceitos. E foi uma bela leitura. Achei falta de um final mas gostei bastante de o ler.

Neste "No ser humano tudo tem que ser belo" conhecemos 4 mulheres, todas bastante interessantes, ao mesmo tempo que conhecemos, pelos seus olhos, o contexto do país onde vivem (ou onde viveram). Lena e Edi; Tatiana e Nina. Quando o livro começa percebemos imediatamente que entre estas mulheres há amor e há desencontros. E esta história é acima de tudo sobre a relação entre elas, mães e filhas, amigas, mulheres.

Boa parte do livro conta-nos as histórias de Lena e Tatiana, a sua infância na União Soviética, o seu crescimento e educação, a sua transformação em mulheres e mães e o caminho que as conduziu até à Alemanha, as levou para longe da sua terra Natal, a Ucrânia. Depois conhecemos as filhas, Edi e Nina, que lutam por conhecer as mães e a herança cultural que lhes é imposta ao mesmo tempo que lutam para ter uma identidade própria.

Eis um livro com 3 dimensões.

Por um lado é inevitável ler com interesse toda a parte sobre a União Soviética em geral e a Ucrânia em particular. Não há propriamente grandes novidades nestas descrições mas é sempre importante relembrar o que foi (o que é) viver em regimes não democráticos, no quão fácil é deixarmo-nos levar e aceitar a distorção da realidade que está na base de tantos regimes por esse mundo fora (e tantas vezes bem mais perto do que queremos acreditar).

A adaptação a um novo mundo, a necessidade de criar raízes num novo país (e num tão diferente culturalmente), deve ser brutal. A solidão, a desesperança e o sentimento de injustiça são poderosos e têm o poder de traumatizar, diminuir ou engrandecer. Qual é a melhor maneira de sobreviver? Para Lena e Tatiana, deixar o passado lá atrás (mas inevitavelmente também dentro de si) e seguir para o futuro em silêncio, num acto de aceitação em comunidade.

A relação entre filhas e mães é quase sempre difícil mas quando há mais silêncios que palavras, o amor pode não ser o suficiente. 

3 comentários

Comentar post

Pesquisar

email

ler.por.ai@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Mais sobre mim

Em destaque no SAPO Blogs
pub