Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

19
Jun20

Good Omens, de Terry Pratchett and Neil Gaiman

Patrícia

510WThv+gfL._SL500_.jpg

 

Good Omens: The Nice and Accurate Prophecies of Agnes Nutter, Witch é um livro maravilhoso e muito divertido que me deixa a sorrir só de me lembrar. Tão, mas tão louco. E tão delicioso.

Em primeiro lugar tenho que vos dizer que já o acabei de ouvir há algum tempo e que tive que me socorrer do google para descobrir como se escrevem os nomes das personagens deste livro. Esse é um dos problemas dos audiobooks mas por outro lado aprendemos a pronunciar todos os nomes da forma correcta.

Não faço ideia como se escreve um livro a dois sem que o leitor perceba. Mas se não estive escrito na capa que havia dois autores eu não iria desconfiar nunca. Iria apenas pensar que isto tinha sido escrito por um louco e não dois. Talvez a loucura se multiplique qdo partilhada. Não sei. Mas acho que aqueles dois se divertiram horrores a escrever isto. Eu diverti-me.

Para resumir basta dizer-vos que esta é a história de um plano infalível. Quer dizer, mais ou menos infalível. É a história do Armagedão, do fim do mundo. O filho de Satã nasceu e no o seu décimo primeiro aniversário dar-se-á o tão esperado início da guerra bíblica entre o bem e o mal. Bem, pelo menos se  Aziraphale, o anjo, e Crowley, o demónio, não o puderem evitar. Afinal, ambos adoram viver na terra e não estão dispostos a contemplar a eternidade nem no paraíso nem no inferno. 

Supostamente, e numa tentativa de conseguir evitar o fim do mundo, Aziraphale e Crowley, encarregar-se-iam de "ajudar" na educação do anti-Cristo que, depois de uma troca de bebés na maternidade, estaria entregue a determinada família. Não levaram em conta que a freira satânica responsável pela coisa era, como dizer, ligeiramente distraída. Nada corre como planeado. Os dois amigos, representantes das forças do bem e do mal, passam onze anos dedicados à criança errada...

E é o que acontece no dia em que o anti-Cristo faz 11 anos que é contado neste livro... e também no livro de profecias de Agnes Nutter que, cerca de 300 anos depois está nas mãos de Anathema, uma bruxa muito simpática.

Sim, este livro mete anjos, demónios, bruxas, freiras satânicas, caçadores de bruxas, crianças demoníacas, crianças não demoníacas, homenzinhos verdes, isto sem falar nos cavaleiros do Apocalipse e num determinado cão que gosta de perseguir coelhos.

É maravilhosamente louco. Não tenho outra forma de o dizer. 

 

28
Set13

Good Omens - Neil Gaiman & Terry Pratchett

Catarina


Levei tanto tempo a ler este livro porque não queria que acabasse.
As personagens são geniais, para além de Deus e do Diabo, que sabemos que estão sempre lá embora não sejam intervenientes activos, temos um anjo, Aziraphale, e um “anjo caído” ou duque do inferno, Crowley. Temos um rapaz chamado “Adão”, e sim é uma espécie de piada já que ele é o anti-cristo embora não o saiba, com a sua trupe de amigos. Temos as freiras satânicas da ordem tagarela de St. Beryl que são as responsáveis pela troca do bébé anti-cristo como se fosse um jogo dos 3 copos e da bola. Temos também os 4 cavaleiros do apocalipse, Guerra, Fome, Poluição (a Pestilência reformou-se depois da descoberta da penicilina) e a Morte que são os verdadeiros motards Hell’s Angel’s ou como diria a Guerra the “real McCoy". Temos ainda, Agnes Nutter uma bruxa, que morreu queimada na fogueira  mas antes ainda escreveu as "profecias", livro que anda aos trambolhões durante toda a história.
Crowley conduz um Bentley de 1926, não tem um ar demoníaco, não tem cornos nem asas, e normalmente ouve o "Best of Queen" mas toda a gente sabe que todas as cassetes (sim cassetes, o livro foi escrito no início dos anos 90) deixadas no carro durante algum tempo se transformam no "Best of Queen". Aziraphale colecciona livros e tem uma loja de livros no Soho, Londres, que serve mais para os guardar do que para fazer negócio uma vez que não quer vender nenhum (são quase todos primeiras edições), por isso a loja tem horários irregulares e mau aspecto e ele faz má cara às pessoas que tentam comprar algum livro.
Aziraphale e Crowley são inimigos, claro, mas inimigos há mais de 6000 mil anos (pois) o que faz deles uma espécie de amigos, e têm por isso um acordo de não interferência nos assuntos um do outro, assim ninguém perde mas tb ninguém ganha e mostram trabalho aos superiores respectivos. Agora o que acontece quando os chefes resolvem que está na altura de haver o fim mundo, o armageddon?
Vale a pena ler este livro para saberem, até as notas de rodapé valem a pena ler.
Não sei como é a versão portuguesa, terá de ter uma muito boa tradução para que não se percam as piadas e a história. Acrescento só que na versão que tenho a capa é branca com o Crowley mas há a versão com a capa preta que tem o Aziraphale, eu achei deliciosa esta ideia da representação da dualidade do "bem" e do "mal".