Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

19
Fev20

Este ano quero... comprar mais livros

Patrícia

Sim, leram bem. Este ano a minha decisão é "comprar mais livros". 

Eu sei que a maioria dos leitores tem como decisão de início do ano (sim, eu sei que já estamos a meio de Fevereiro)  "comprar menos livros". E até percebo porquê. E, se tivesse alguma coisa a ver com isso - que não tenho - acharia muito bem. Se é isso que pretendem, força.

Mas eu quero comprar mais livros.

Por um lado, comprar mais livros significa ler mais. E eu ando a ler pouco. Como não sou pessoa de andar a comprar apenas por comprar, só vou comprar mais se, de facto, ler mais. 

Além disso, recuso sentir-me culpada por comprar os livros que me apetecer. Tenho espaço suficiente e a gestão do meu dinheiro é um problema meu. Se a quantia que reservo aos livros não me incomoda, ninguém tem nada a ver com isso. Era o que mais faltava...

Por fim e a razão porque escrevo este post e vos dou a conhecer a minha decisão de ano novo, é que eu gosto muito de ler em português e gosto muito de ler livros de escritores portugueses. Além disso, gosto de ter escolha, gosto que os livros que leio se traduzam e se editem por cá. E isso só acontece se os livros se venderem. E a verdade é que já há poucos leitores, se estes deixarem de comprar vão passar a haver poucos livros disponíveis, as traduções serão cada vez piores (trabalhos mal pagos não podem produzir bons resultados), a revisão que já é, em tantos casos, risível, passará a ser inexistente e aí perdemos todos. 

Além disso comprar um livro é a única forma do escritor ser pago pelo seu trabalho (e aposto como nenhum de vocês trabalha apenas por amor à camisola). Ao contrário do que tantos julgam por aí, um "sim, senhor, gostei" não é forma de pagar ao escritor (a próxima vez que se acharem a última coca-cola do deserto, imaginem o vosso patrão chegar ao fim do mês e dizer-vos "foste brutal este mês" e não vos pagar ordenado). Fico sempre muito triste quando vejo que nem os leitores (ou muitos deles, pelo menos) são capazes de respeitar o trabalho (sim, porque é trabalho) dos escritores.

Quando me apercebo que os leitores esperam, não apenas ler de borla, como ainda um "obrigado" do escritor, uma palmadinha nas costas, um "a minha vida é melhor porque tenho leitores assim", aí fico irritadíssima. E infelizmente, tenho ouvidos muitas histórias deste género nos últimos tempos.

Por isto e porque me apetece: este ano, quero comprar mais, sim!

 

16
Dez19

Como assim não há thrillers escritos por escritores portugueses?

Patrícia

Vocês já sabem o quanto eu gosto de ouvir o A páginas tantas, o (para mim) podcast que reúne as escritoras Inês Pedrosa, Patrícia Reis e Rita Ferro a falar sobre literatura. Assim que saiu o episódio com as sugestões de Natal fui imediatamente ouvi-lo (todas as desculpas são boas para acrescentar livros à lista de "eu sei que tenho muitos livros para ler mas preciso deste também"). 

Mas não é das sugestões que estas três escritoras fizeram que quero falar (mas oiçam o episódio de papel e caneta) mas sim de algo que me incomodou um bocadinho.

Uma das sugestões da Rita Ferro foi o novo livro do João Tordo, que parece ser, segundo as escritoras, a última coca-cola no deserto dos Thrillers escritos por escritores portugueses. E digo isto porque a sugestão foi feita porque é um estilo quase inexistente por cá uma vez que as três escritoras (e a moderadora) apenas se lembraram do escritor Francisco José Viegas e do próprio Tordo.

Ora eu, que nem sou leitora de thrillers, lembrei-me imediatamente de vários nomes e livros - uns de que gosto mais, outros menos e outros nada - pelo que aqui fica uma lista feita de memória, da ajuda de algumas leitoras de thrillers e de uma busca no google:

Pedro Garcia Rosado 

Nuno Nepomuceno

Ana Saragoça

Diogo Simões

João Aguiar

Jacinto Rego de Almeida

Tiago Rebelo

José Prata

Miguel Szymanski

Fernando Sobral

Luís Miguel Rocha

Carlos Ademar

Miguel de Sousa Tavares

Miguel Miranda

Francisco Moita Flores

José Rodrigues dos Santos

 

Claramente faltam muitos nomes aqui (se os deixarem em comentário, prometo que acrescento) mas este post não tem como objectivo fazer uma lista exaustiva dos escritores de policiais/ Thrillers em Portugal, não pretende comentar a qualidade ou falta dela das obras mas sim refutar que apenas Francisco José Viegas e João Tordo merecem ser lembrados nesta categoria.