Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

15
Set18

The Bands of Mourning, de Brandon Sanderson

Patrícia

bands of mourning.jpg

Sendo o terceiro livro da Era 2 de Mistborn (após The Alloy of law e Shadows of Self) é o segundo livro da segunda trilogia Mistborn, uma vez que The Alloy of Law é um livro "A solo". Na verdade, acho que não faz sentido ler Shadows of Self sem ter lido The Alloy of Law.

Esta trilogia tem ficado cada vez melhor. The Bands of Mourning leva-nos à infância de Wax e Telsin na Terris Village para depois regressar ao presente e ao casamento de Wax com Steris. Quer dizer... ao casamento falhado de Wax e Steris (têm uma oportunidade para adivinhar quem e porquê...). Wax ainda está a tentar lidar com a (segunda) morte de Lessie quando aceita acompanhar Marasi, Wayne e MeLaan na recuperação de um dos espigões de VanDell, um Kandra que procurava as míticas Bands Of Mourning, as mentes metálicas do Lord Ruler. Wax não consegue esquecer o dever e quer, acima de tudo, encontrar a irmã, Telsin, refém do grupo SET. 

Como sempre, o melhor dos livros do Sanderson é a dinâmica entre os personagens. E a estrela deste livro é, surpreendentemente Steris. A Steris que, em determinada altura, decide dar a todos uma pontuação dependendo da sua utilidade... e é das coisas mais tristes que já li.

Screen Shot 2018-09-15 at 16.53.00.png

A Steris consegue tornar-se numa das melhores personagens deste livro... Já Marasi ainda não se conseguiu impor. Tem algumas passagens interessantes, continuo a conseguir fazer um paralelismo com Elend e começo a achar que será uma daqueles personagens que, por mais que faça, nunca conseguirá dar o salto para o palco principal.

Já Wayne consegue provar, sempre que aparece, porque é que dá nome à série (não esquecer que é The Wax and Wayne series). A visita que faz a Ranette no início do livro é de partir o coração, a amizade dele com Wax é de nos reconstruir o coração que acabou de ser partido e a relação dele com MeLaan é simplesmente m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-a (bem a MeLaan é maravilhosa mesmo sem o Wayne). Nestas cenas com ele consigo sempre dar uma gargalhada e ficar com uma lágrima no canto do olho. Sem dúvida, Wayne é das minhas personagens favoritas de todos os livros.

Deixo-vos um pequenino exemplo:

Screen Shot 2018-09-15 at 17.00.29.png

Screen Shot 2018-09-15 at 17.01.43.png

 

O final deste livro é o melhor da Era 2. Os diálogos. A conversa de Wax com Deus. Simplesmente perfeita.

E claro deixa-nos com muitas perguntas e uma enorme espera pelo grande final.  

 

 

29
Ago18

Como não me sentir sozinha na minha loucura

Patrícia

Quem me conhece sabe que ando absolutamente viciada em Cosmere e nos livros do Brandon Sanderson e que sou uma chata porque quero muito encontrar gente com quem falar sobre tudo o que se passa naquele universo.

A verdade é que até tenho conhecido algumas pessoas que lêem os livros e com quem vou trocando umas ideias mas a verdade é que são os podcast/canais do YT que me fazem sentir que não estou sozinha nesta loucura. 

Como já ouvi tudo o que o pessoal do Legendarium podcast gravou sobre o Sanderson passei para este The Sandersonian Institute Of Cosmere Studies (na verdade ouço em podcast que não tenho tempo para ver os vídeos). Isto é algo que eu gostava de fazer. Em podcast, claro. 

Capture.PNG

 

20
Ago18

Shadows of Self, de Brandon Sanderson

Patrícia

220px-MistbornShadowsOfSelfCover.jpg

Um ano depois da execução de Miles Hundredlives, Marasi continua a apostar da carreira de policia , Wax é uma espécie de Xerife especial (a policia não fica tão mal na fotografia se lhe der carta branca) e Wayne... bem, Wayne é igual a si próprio e uma das personagens mais divertidas que Brandon Sanderson já criou. Claro que, sendo o Brandon Sanderson, isto não significa que lhe falte profundidade ou que ele não nos deixe de coração apertado e à beira da lágrima.

Mas antes de tudo, damos um salto ao passado e acompanhamos Wax, Wayne e Lessie numa aventura e conhecemos como começou a história de Wax e Lassie.

Depois de perseguirem um ladrão de bancos, uma espécie de Robin Hood de Elendel, este trio dá por si a investigar uma grande confusão que culminou com a morte do irmão do governador e de boa parte dos menos recomendáveis da cidade. 

Depois de Alloy of Law, que não me convenceu a 100%, este Shadows of Self fez-me regressar ao mundo de Vin, Kel e Companhia. E voltar a Scadrial é maravilhoso. 

Não é possível nem me apetece escrever sobre este livros sem spoilers e todos sabemos que os leitores deste blog não estão a seguir esta série comigo e que, por isso, poucos chegarão a esta parte... Mas sintam-se avisados: SPOILERS para a trilogia Mistborn Era1, para o Alloy of Law, para o Mistborn Secret History e para este Shadows of Self.

 

Vamos por partes (e teorias minhas)

Wax/Steris/Marasi: não sou fã de triângulos amorosos e, confesso, Steris não me aqueceu nem arrefeceu no Alloy of Law. Mas mudei de ideias. Wax e Marasi não fazem qualquer sentido juntos. A Marasi não é nem pretende ser a Lessie. E Wax não precisa de outra Lessie. Não há qualquer triângulo, há a possibilidade muito real de Steris ser uma personagem muito interessante em Bands of Mourning e talvez fique com o Wax. O Brandon não desilude e continua a não fazer do romance uma questão real. Go Sanderson, é por isso que gostamos tanto de ti.

Marasi: A personagem, para mim, menos conseguida deste livro. Sem grande evolução, simpática, inteligente, é o Elend da Era 2. Se isso for verdade e, à falta da preservation para a tornar Mistborn, talvez haja alguma Hemalurgia a caminho...

Wayne: Ah o Wayne. Não é possível não adorar o Wayne. O que me ri com ele. E quase chorei. A cena na universidade partou-me o coração. A "relação" dele com a Rennette é de ir às lágrimas... de tanto rir. A lealdade e capacidade de sofrimento faz-nos querer ter um amigo como o Wayne. E sim, apeteceu-me bater-lhe com a forma como falou com a Steris... mas acho que ele ainda vai engolir cada palavra. Aliás, já o faz, porque se há coisa que a Steris se recusa a ser é vítima. O título do livro terá muitas interpretações mas uma delas envolverá certamente o Wayne.

MeLaan: Kandra fofinha. E por falar em Wayne... aqueles dois ficam lindamente juntos. Isto é muito macabro para quem não os conhece mas a cena em que Wayne fica ofendido porque a MeLaan disse que os humanos não era saborosos e se ofereceu para le dispensar um bracinho... a sério, só o Sanderson para escrever isto e não ser absolutamente asqueroso.

E por falar em Kandra... Oh, as saudades que eu tinha do Teen Soon. 

E a  jornada do Wax... Oh well, ainda falaremos sobre isso. Mas tiro o chapéu ao Brandon Sanderson. Não estava à espera. Nem um bocadinho.

 

Agora vamos falar sobre religião. Harmony? Harmony? Não é ele, pois não? Não pode ser ele. Provavelmente não deveria ter lido o Mistborn Secret History antes mas a verdade é que li e que isso me fez pensar em todas as incongruencias daquelas conversas... e compreender que só uma pessoa era capaz de arranjar tal confusão. E por falar em Harmony... quem será a nova shard que está em Scadrial? 

Vamos tirar as teimas com o Bands of Mourning...

 

 

15
Jul18

Arcanum Unbounded: The Cosmere Collection: Mistborn Secret History, de Brandon Sanderson

Patrícia

(Spoilers para a Trilogia Mistborn e para este Mistborn Secret History)

 

Screen Shot 2018-07-15 at 12.23.12.png

 

Confesso-vos que estava com algum receio de ler este Mistborn Secret History. 

Por um lado, achava que a trilogia inicial Mistborn (Era1) se bastava - e basta - e não me apetecia voltar àquela história e descobrir que afinal o que eu achava ter acontecido não era bem assim (e todos sabemos como na fantasia em geral e o Sanderson em particular nos trocam as voltas). Por outro, fui apanhada por alguns "estragadores" e tinha medo. Muito medo. 

(ainda não leram Mistborn? ide embora. Já. A sério, não deixem que eu vos estrague a série)

(ainda não leram Mistborn Secret History? Vão embora, agora. Se continuarem é por vossa conta e risco)

 

Tinha medo porque regressos não é algo de que goste. Quando um personagem morre, é bom que fique morto e enterrado, que soluções milagrosas de última hora é coisa de que não gosto nem um pouco. Por isso quando ouvi dizer que o Kelsier ainda tinha um papel... bem, fiquei preocupada.

Mas eu deveria confiar no Sanderson e saber que ele sabia  o que estava a fazer. E de facto, o próprio Sazed passa o Hero of Ages a perguntar-se no que há depois da morte... 

E sim, o Kelsier morreu. E, tanto quanto sei, continua morto, podem estar descansados. Mas sendo o Kelsier como é... bem, quem se surpreende por ele não fazer o que é suposto fazer? 

“You,” the man said to Kelsier, “are very bad at doing as you’re supposed to.”

Como disse acima, a trilogia basta-se a si mesma... mas quem quer mergulhar mais fundo em Cosmere tem que ler este Arcanum Unbounded no geral e este Mistborn Scret History em particular. Este livro está escrito para os leitores de Cosmere. E que bom é. 

Tenho a certeza que, nesta primeira leitura, não apanhei metade das pistas, ainda assim em cada página reconhecia situações, explicações. Isto é uma enciclopédia sobre Cosmere. 

Foi muito bom rever o Kelsier e os grandes acontecementos que transformaram o império final. Foi interessante perceber a mão atrás de acontecimentos que, pensando bem, não tinham grande lógica. Foi óptimo preencher lacunas na história que nem sabia que existiam. 

Os momentos com Vin e aquela frase “You have a lot to learn about love, don’t you?” foram perfeitos (e fizeram-me perdoar o Sanderson por ter trazido o Kelsier de volta).

Once, you taught me an important lesson about friendship. I need to return that lesson. A last gift. You need to know, you need to ask. How much of what you’ve done was about love, and how much was about proving something?

Oh e as saudades que eu tinha do Wit? 

How about this?” the Drifter said. “We’ll have an insult battle. Winner gets to ask one question, and the other has to answer truthfully. I’ll start. What’s wet, ugly, and has scars on its arms?

Destroying the Pits, O scarred one. That was the only perpendicularity on this planet with any reasonable ease of access. This one is very dangerous, growing more so by the minute, and difficult to find. By doing as you did, you basically ended traffic through Scadrial. Upended an entire mercantile ecosystem, which I’ll admit was fun to watch.”

Screen Shot 2018-07-15 at 12.23.23.png

 

 

 

 

 

 

 

08
Jul18

Arcanum Unbounded: The Cosmere Collection: The Eleventh Metal, de Brandon Sanderson

Patrícia

Screen Shot 2018-07-08 at 10.29.09.png

 

(spoilers para a série Mistborn)

 

Quem leu o Império Final sabe que o Kelsier espera que o 11º Metal ajudasse o bando a depor o Lord Ruler. Deve também lembrar-se que lhe perguntaram várias vezes onde tinha ouvido as histórias que o levavam a ter essa esperança.

 

Com este "The Eleventh Metal" o Brandon Sanderson, dá-nos um rebuçado e conta-nos precisamente essa história. 

Para além de sabermos onde encontrou o Kersier um metal que lhe desse tamanha esperança (e todos sabemos como isso acabou, não é?) acompanhamo-lo numa parte do seu treino enquanto Mistborn. 

Após se ter tornado Mistborn nos Pits of Hathsin e ainda quebrado pela traição de Mare e por todos os acontecimentos nos Pits, Kelsier está no início da sua jornada para se tornar naquele que conhecemos no primeiro livro da trilogia inicial. 

 

“No,” Gemmel muttered. “No, I like him. He almost never complains. The other three complained all the time. This one is strong. No. Not strong enough. No. Not yet. He’ll learn.” Behind Gemmel was a pair of lumps on the wall top. Dead guards, leaking trails of blood along the stones. The blood was black in the night. The mists seemed … afraid of Gemmel, somehow. They didn’t spin about him as they did other Allomancers.”

 

“He looked at Kelsier, imperious. And Kelsier found himself smiling. Really smiling, for the first time since the Pits. Since the betrayal.”

 

Excerpt From: Brandon Sanderson. “Arcanum Unbounded: The Cosmere Collection.”

 

A colectânea Arcanum Unbounded é um presente precioso para os leitores de Sanderson que se interessam por Cosmere.

 

“Once I wrote The Bands of Mourning, it became clear to me that I’d need to get an explanation to readers out sooner rather than later. This set me to working on the story more diligently. In the end, I’m very pleased with how it turned out. It is a little disjointed, as I worried. However, the chance to finally talk about some of the behind-the-scenes stories going on in the Cosmere was very rewarding, both for myself and for fans.”

Excerpt From: Brandon Sanderson. “Arcanum Unbounded: The Cosmere Collection.” 

Através de vários contos ou novelas o autor fala-nos de Cosmere, conta-nos a história que está atrás da história, responde-nos a perguntas que não sabíamos que tínhamos. 

Acho que este livro só interessa àqueles que pretendem mergulhar mais fundo nas obras do BS. Não é necessário conhecer nada sobre Cosmere para gostar da trilogia Mistborn (ou de qualquer outro dos seus livros)... é simplesmente muito mais interessante ler Mistborn sabendo mais algumas coisas sobre Cosmere. E este Arcanum Umbounded é uma enciclopédia sobre Cosmere.... e eu estou a adorar!

Screen Shot 2018-07-08 at 10.31.43.png

 

15
Mai18

Elantris, de Brandon Sanderson

Patrícia

32231162_2432520823440526_2940079004452913152_n.jp

 

Tal como vos disse aqui, este é o primeiro livro do Brandon Sanderson. E que bom é.

 

Elantris é um livro de fantasia (esperem, não fujam já). Elantris não é só um livro de fantasia. É um livro de intriga política e religiosa. É um livro que tem uma história brutal, um mundo bem conseguido e personagens interessantes. É um livro que nos faz reflectir, questionar o mundo em que vivemos.

O mundo criado por Brandon Sanderson (Sel) está muito bem construido. O sistema de magia, baseado na linguagem é coerente, interessante e com um potencial enorme (talvez pouco aproveitado mas como há algumas novelas passadas em Sel e a promessa de outras histórias em Elantris, tenho para mim que ainda vou aprender bastante sobre Aons). A ligação a Cosmere não é óbvia mas este é o primeiro livro do universo. A presença do Hoid é rápida mas não acrescenta nada. Foi talvez o que mais me desiludiu no livro.

A intriga política tem uma forte presença neste livro. Sarene, que foi uma das responsáveis pela diplomacia do seu reino, não esconde deste o início que gosta do jogo político. Os seus motivos são puros (isso nunca está em causa) mas é óbvio que a política lhe está no sangue, que é uma líder nata e é através dos seus olhos que mergulhamos no sistema político e ditatorial de Kae, onde o capitalismo é rei e senhor, onde a posição social é apenas ditada pela riqueza. Pelos olhos de Raoden vemos como se constrói, organiza e põe a funcionar uma sociedade onde o valor de todos é igual e cada qual dá o melhor de si. E vemos como ambas colidem, como são antagónicas e como, por vezes, se complementam. 

Também em relação à religião temos várias vertentes, para todos os gostos. Tal como no nosso mundo, religião, fé e política misturam-se. E, tal como no nosso mundo, quando isso acontece... bem todos nós sabemos o que acontece, não é?

A literatura permite-nos reflectir sobre deus e crises de fé de uma maneira fantástica e o autor é exímio a levantar questões.

O desenvolvimento das personagens são um dos pontos fortes do Sanderson. Elantris, sendo um primeiro livro, não é excepção. Apesar de alguns elementos da "jornada do herói" serem óbvios neste livro (e na verdade não há como, na fantasia, fugir muito a esta estrutura básica)  - e aqui inserem-se os "maus da fita", vilão e anti-herói) é nos heróis que o livro ganha a batalha. Há quem considere exactamente o contrário e considere o Raoden e a Sarene como personagens planas, uma vez que não há um crescimento notável ao longo do livro. Verdade, Raoden e Sarene são coerentes e consistentes ao longo de todo o livro... porque me parece que para o autor era mais importante o que aqueles personagens conseguiam fazer, a mudança que conseguiam trazer ao mundo do que a sua própria transformação. E isso é o mais espectacular de tudo. Isso e o romance não ser, de todo, uma parte fundamental do livro. 

Se vale a pena ler? Claro.

Ainda voltarei a Elantris...

 

14
Mai18

Elantris - uma introdução

Patrícia

Elantris é um primeiro livro. O que é irritante tendo em consideração o quão bom é. Para além de ser um primeiro livro, é um livro cuja história começa e acaba no mesmo volume. Quer dizer, mais ou menos. Quem já conhece o Brandon Sanderson sabe que com ele nunca é bem assim. Sim, a história de Elantris basta-se a si mesma mas é também o início da grande aventura que é Cosmere.
Apesar de eu já ter lido alguns livros do universo Cosmere (Mistborn Era 1, Warbreaker, Edgedancer e Stormlight archives) a verdade é que nunca tinha lido o início de tudo. O desafio, até que seja publicado o quarto volume da saga de Stormlight Archive, é ler (ou reler) os livros e tentar construir o grande puzzle que é Cosmere.
Ler Brandon Sanderson é sempre uma experiência interessante. Este é o autor que mais interage com os seus leitores e que nos faz sentir parte do processo. Há até uma secção no seu site com anotações, capítulo a capítulo, que nos permite ler o livro como o autor gostaria que o lêssemos. Para quem lê o livro pela primeira vez - ou até para quem está a começar a ler o escritor - talvez isto seja até demasiada informação. Ler é acima de tudo uma experiência individual e deixarmos que alguém - nem que seja o próprio escritor - conduzir-nos nessa leitura pode ser demasiado e desnecessário. Ou pode ser interessante. A minha sugestão é que a primeira leitura não seja acompanhada.
Ler um livro de fantasia implica sempre um mergulho no desconhecido. É necessário tempo para que nos adaptemos a outra realidade, a outros mundo e a outras regras. É necessário que tenhamos a abertura de mente suficiente para permitir transformar um mundo ligeiramente diferente dos nosso em algo familiar.
Claro que o BS ajuda bastante. Apesar de ter fabulosos sistemas de magia (se bem que todos, nos livros do universo de Cosmere, se baseiam num princípio chamado Investiture - conceito de que falaremos vezes sem conta e que um dia talvez percebamos melhor) os seus livros são maravilhosos por várias razões para além da magia. Acho que o autor nos mostra que não há temas tabu para a fantasia, que a discussão de problemas fundamentais pode ser feita nas páginas de um livro deste género e que a intriga política é um tema a não resiste. Mas confesso que a mim é a interacção entre os personagens que mais me interessa, é a construção multi-dimensional de cada personagem que me atrai.
Elantris, casa de semi-deus escolhidos pelo Shaor (transformation), cidade caída em desgraça há 10 anos onde o acesso ao Dor se perdeu, Em vez de semi-deuses, os escolhidos pelo Shaor transformam-se numa espécie de zombies (não consigo deixar de revirar os olhos mas é, de facto, a melhor descrição para o resultado da transformação). Ora o primeiro dos personagens que vamos seguir ao longo desta leitura é precisamente um dos escolhidos pelo Shaor, o Raoden, príncipe herdeiro de Arelon que é atirado, sem apelo nem agravo, para Elantris que se tornou, nos últimos anos, numa cidade-prisão.
Azar dos azares, Raoden vai para Elantris (em segredo, pois oficialmente está morto e enterrado) antes de conhecer pessoalmente a noiva, Sarene. Apesar de ser acima de tudo um acordo político, tudo leva a crer que aqueles dois iriam dar certo pois ambos são, acima de tudo, inteligentes. Aliar a essa inteligência, bondade e humor, parece ser o caminho para fazer destes 2. personagens interessantes - e deixar o suposto romance de lado, para segundo plano (Brandon, confio em ti para não transformares o amor destes dois no centro da história, ok?).
O anti-herói desta história - basta-nos umas páginas para perceber que não vai ser o vilão, certo? - o Hrathen, vem para tentar salvar os habitantes do reino, convertendo-os à sua religião (onde é que já vimos isto, certo). Aposto em crises de fé, especialmente depois de ser brutalmente manipulado pelo verdadeiro vilão.
Ao longo da leitura hei-de vir contar-vos as minhas teorias, falar dos personagens, dos momentos e das frases que me têm marcado ou simplesmente chamado a atenção. Se estiverem a ler o livro e quiserem falar, trocar dois dedos de conversa, se me quiserem contar as vossas teorias, usem e abusem da caixa de comentários.
Boas leituras
Journey before destination - enjoy the journey

22
Abr18

Oathbringer, de Brandon Sanderson (Parte 3)

Patrícia

O par mais improvável deste livro é a Lift e a Nightblood, quer dizer a Lift e o Szeth. Bem, acordemos num trio improvável.

A gaiata continua a ser das minhas personagens favoritas. E continua a protagonizar alguns dos momentos mais divertidos do livro. E mais ternurentos.

A Lift é, até agora, a personagem mais pura deste livro. Apesar de ser uma ladra e de ter, provavelmente, um passado “complicado”. E à sua boa e retorcida maneira até a NightBlood reconhece isso. Acho que há ali futuro (um futuro assustador mas ainda assim um futuro).

Deste o início que, como leitora, compreendia as razões do Szeth, e por isso fiquei feliz quando ele se juntou aos SkyBreakers. De facto, não havia outra ordem de Knight Radiants para ele.

O processo pelo qual este personagem passou (chamemos-lhe crise de fé), tendo sido forçado a perceber que a oath stone era e sempre tinha sido apenas uma pedra é algo com o qual todos nós nos podemos rever. Quando somos forçados, nem que seja por nós mesmos, a questionar uma crença, a perder uma ilusão sentimo-nos, por mais ou menos tempo, vazios. Mesmo que seja um alívio e a conquista da liberdade. Por tudo isso ver o Szeth transferir a sua lealdade para com o Dalinar e dedicar-se, com a mesma dedicação com que o tentou matar, a protegê-lo não foi sequer uma grande surpresa. Todos nós sabíamos que, mais tarde ou mais cedo, o Szeth ia aterrar ao lado certo. Vê-lo com a Nightblood e a Lift, isso sim, foi uma surpresa.

Estes três personagens foram, no entanto, pouco explorados neste livro. E sim, eu li o Edgedancer e sei que a história de Lift e do seu pet voidbringer é contada aí. E também li o Warbraker onde conheci a Nightblood e a Azure Vivenna. Mas todos contamos com um livro a contar toda a história de Szeth Son-Son-Vallano, o assassino. Diz que será o quinto (a ver vamos).

 

Claro que um dos meus diálogos preferidos é aquele entre a Lift e Dalinar, quando ele enfrenta um exército com, apenas, um livro na mão (e que, esmiuçado, dá pano para mangas):

 

“Were you . . . thinkin’ you’d fight them all on your own?” Lift said. “With a book?”

“There is someone else for me to fight here.”

“. . . With a book?”

“Yes.”

She shook her head. “Sure, all right. Why not? What do you want me to do?”

The girl didn’t match the conventional ideal of a Knight Radiant. Not even five feet tall, thin and wiry, she looked more urchin than soldier.

She was also all he had.

“Do you have a weapon?” he asked.

“Nope. Can’t read.”

18
Abr18

Elantris quote #1

Patrícia

So, using his pride like a shield against despair, dejection, an - most important - self-pity, Roaden raised his head to stare damnation in the eyes.

 

***tradução livre/lição a memorizar: A força necessária para enfrentar as situações mais complicadas da vida tem que vir de dentro. Usar o orgulho como escudo perante o desespero e a vontade de auto-vitimização. 

12
Abr18

Oathbringer, de Brandon Sanderson (Parte 2)

Patrícia

(haverá, neste post, spoiler aos livros Way of King, Words of Radiance e Oathbringer)

(continuaçao)

E falar no triângulo amoroso do momento implica falar do terceiro vértice, o Kaladin. 

200px-Kaladin_and_Syl.jpg

 

Uma das primeiras e mais marcantes cenas do Oathbringer é o regresso do Kal à casa dos pais. Apesar de ser um windrunner e do céu ser o seu lugar, o Kal não tem Stormlight suficiente para lá chegar antes da Everstorm. O encontro com os pais é super emocionante e finalmente ele pode partilhar com os pais o fardo da morte de Tien. Mas, em Hearthstone, o momento alto é o encontro com  com Roshone e o seu "That's was for my friend Moash". Pronto, este é o momento alto para os fãs do Kal. Mas o maravilhoso é a capacidade de superação, a força de carácter demonstrada, a seriedade e o compromisso para com os votos que fez.

 I will protect those who can't protect themselves

 

Na verdade todos sabemos que o Kaladin já praticava o segundo ideal muito antes de o dizer. O terceiro, o proteger mesmo aqueles que odeia é que foi desafiante. E ao longo deste livro isso fica muito, muito claro.

Uma das coisas mais fascinantes é que o autor, ao longo de todos estes livros, pega em algo que conhecemos ou julgamos conhecer, sobre o quais temos uma ideia formada e à custa de sofrimento e angustia, desconstrói tudo e obriga-nos a reavaliar as nossas posições.

A noção de Honra é-nos enraizada desde sempre. EmRoshar a Honra morreu. Restam apenas pequenos pedaços dispersos pelo mundo pelo que talvez a verdadeira imagem da Honra não seja ainda conhecida. Talvez não seja, nem de perto nem de longe, aquilo que esperamos. Mas uma coisa sabemos: a quebra de um juramento, de uma promessa - seja ela qual for - é suficiente para a matar (o que me leva a perguntar: que promessa foi necessária ser quebrada peloOdium e pelosListenners para matar o Almighty?).

O Nahel bond com uma Honorspren, tal como o que o Kal tem com a Syl, não suporta sequer a indecisão, a dúvida. Na verdade também não interessa o que é certo. Apenas importa o cumprimento da promessa feita. O espírito da promessa é muito menos importante que a letra da promessa.
Chega a ser angustiante ver a permanente dúvida sobre o que é certo. E como diz o Kal, aparentemente o certo é o que a Syl acha certo. Tenho a sensação que, algures no tempo, o Kal e a Syl vão ter ideias bem diferentes sobre o que é certo e errado e aí veremos quem cede e a que custo.

O momento, durante o cerco a Kolinar, em que o Kal se apercebe de que todos ali são inocentes, todos são seus amigos e que estão todos a morrer às mãos uns dos outros, é brutal. Acho que morri um bocadinho naquele momento. E, confesso, não morri de pena do Elhokar mas #FuckMoash pelo que aquele momento fez ao Kaladin.

A luta de Kaladin para dizer o quarto ideal e a coragem do autor de não o transformar no salvador da pátria em todos os livros foi um dos pontos positivos deste livro. Não acho que o Kal vá ser o primeiro a dizê-lo (aliás, acho que já há quem o tenha dito) nem acho que seja absolutamente necessário que o faça.

A bridge 4 continua a dar-nos alguns dos melhores momentos do livro e a deixar arcos com enorme potencial. Foi muito emotivo seguir a história do Teft  e o terceiro ideal dito por ele é de partir o coração(I will protect those I hate. Even if the one I hate most is myself), quero muito saber como raio o Rock conseguiu disparar aquele arco, acompanhar as meninas da equipa e continuar a rir-me com o The Lopen.

 

Life before death, strength before weakness, journey before pancakes

 

(e por falar em panquecas... temos que falar da Lift)

(Continua...)