Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

14
Jul16

Ponto de situação

Patrícia

way of kings.jpg

 

Ando a ler isto e a adorar, claro. Sou fã de fantasia. Mas de boa fantasia e não da eterna história da demanda, com paixão e sacrificio e afins, género de que até gostava até que algumas escritoras (sim, Juliet, estou a pensar em ti) estragaram por dela usar e abusar. Gosto de histórias grandes, complicadas, mundos tão diferentes do meu mas que depois de se estranhar se entranham de uma maneira fabulosa. E este The way of kings são 1271 páginas (na minha versão - ebook) de uma construção do mundo e personagens  fabuloso. Perfeito para as férias. Tenho pena de não ter dedicado todas as minhas férias a este livro - assim talvez o conseguisse acabar mas primeiro li o História do Novo Nome (volume 2 da tetralogia da Ferrante) e o As gémeas de Gelo (uma desilusão)...

3 comentários

  • Imagem de perfil

    Patrícia 16.07.2016

    E tenho mesmo que ler Neil Gaiman. Nunca li nada dele. Qual o melhor para começar?
  • Imagem de perfil

    Vasco Barcelos 16.07.2016

    Sinto sempre um acréscimo de responsabilidade ao dar estas opiniões, porque são sempre muito subjectivas e podem ter uma visão muito diferente da minha.
    Acho que um bom livro para se ter uma boa noção do que é Neil Gaiman, talvez seja o último (romance) que publicou "The Ocean at The End Of The Lane". O primeiro que li foi o mais conhecido e falado "American Gods", mas não o aconselharia para primeira leitura do autor, provoca reacções muito distintas, há quem o ame e quem o odeie.

    Penso que o "The Ocean at The End Of The Lane" é uma excelente montra, representa muito bem aquilo que é Neil Gaiman como autor, e cada vez mais. Uma história mágica, com um protagonista criança e uma escrita maravilhosa - Não posso opinar sobre a qualidade das traduções para português, mas aconselharia a ler Neil Gaiman no original. A escrita tem uma fluidez, uma musicalidade e uma certa magia que penso não conseguir ser captada numa tradução, deve-se perder um bocadinho daquele factor especial (estou mesmo a falar sem saber, porque nunca li nenhuma versão em português, mas fica a opinião na mesma). Acho que este livro mostra de tudo um pouco daquilo que é a sua obra, ou a maioria. Mágico, fantástico, um mundo que é o nosso e não é, inocência e beleza, e um toque de terror. Acho que deixa mesmo uma boa impressão daquilo que é Neil Gaiman. Quase que arriscaria a dizer que se não se gostar deste, não acredito que se goste dos outros (com algumas reservas, um "American Gods" é bastante diferente, por exemplo).

    "The Graveyeard Book" também é muito bom, mais infantil na sua génese, mas vale a pena.
    "Neverwhere (author's preferred text)" foi o seu primeiro livro sozinho e é uma boa fantasia urbana, grandes personagens (como em todas as suas obras, sempre com uma enorme diversidade a todos os níveis).
    Se gostares de contos, uma das suas colectâneas, "Smoke and Mirrors" ou o recente "Trigger Warning", também são um bom ponto de entrada. Demonstra toda a sua versatilidade e contém todos os géneros que o caracterizam. Algo sempre mágico, um pouco de fairy tale, mas sempre original e diferente.

    Já escrevi muito e não disse nada, é sempre um problema, desculpa. Também há o "Good Omens" escrito em colaboração com Terry Pratchet. É muito bom, mas numa categoria à parte, só porque não é uma obra apenas dele.
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.