Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

10
Ago16

Os livros são caros?

Patrícia

A primeira resposta, a inevitável resposta é SIM, claro que os livros são demasiado caros.

Mas (e há sempre um mas) serão mesmo demasiado caros?

Nos últimos tempos tenho pensado bastante nesta questão e acho que a primeira resposta, a inevitável resposta é demasiado simplista. E os primeiros números que lanço são mesmo os da entrevista da Bárbara Bulhosa que partilhei no post anterior.

Uma edição de 1500 livros. Esta edição tem que pagar o trabalho do escritor, do revisor, do editor, a edição propriamente dita, a distribuição e a margem do vendedor e do editor. E estou a falar de uma forma básica, apenas daquilo que é óbvio para o leitor. 

Com a lei que impediu os descontos superiores a 10% em livros com menos de 18 meses subiu o tom com que se critica o preço dos livros em Portugal. Já na altura defendi que quem é leitor, quem quer ler, não tem necessariamente que ler as novidades e que esperar 18 meses para comprar um livro, se o seu preço de venda ao público não é satisfatório, não mata ninguém.

Continuo a ter exactamente a mesma opinião: quem quer ler novidades bem pode pagar por elas. Quem não as quer pagar, procura uma alternativa ou espera e entretanto lê outras coisas.

E quanto mais falo sobre o assunto com quem está dentro do ramo mais concordo que os livros em Portugal são ao preço a que podem ser. Somos um país pequeno, lê-se pouco, vende-se pouco e as editoras fazem o que podem para sobreviver. 

Claro que há coisas que me tiram do sério. Quem me conhece já sabe qual o meu ódio de estimação e qual a editora à qual não voltarei a dar um tostão. Detesto livros às metades, principalmente quando a segunda metade do livro só é editada 6 meses depois da primeira metade. Não me vendam por 40 euros um livro. Por 40 euros eu exijo, no mínimo, uma edição "para lá de espectacular", com capa dura e o dvd do filme...  E como até leio sem problemas em inglês e gosto imenso de ebooks, essa editora não tem a mínima sorte comigo. 

Mas voltemos ao preço dos livros.

Os livros são caros em Portugal? 

Vejamos, assim meio a brincar, alguns preços:

colecção de livros RTP - capa dura - estão a ser vendidos a 9 ou 10 euros

Os Clássicos para leitores de hoje estão a ser vendidos a menos de 10 euros

O último livro que li (e que aconselho muito) o "A Gramática do Medo" custa 14,90€  ou 9.99€ em versão electrónica. 

A maioria dos ebooks custa à volta de 10€.

E sim, há quem não possa gastar 10 € num livro. E há bibliotecas municipais, há amigos com bibliotecas e há o projecto Gutemberg onde podem ler livros que já estão no domínio público. E há imensas promoções (onde as editoras escoam o que lá têm no armazém) e que podemos e devemos aproveitar. E há alfarrabistas onde se encontram cenas fantásticas.

 

Os livros são caros em Portugal? Sim, são. Mas eu, que não gosto de trabalhar de borla e não conheço um único escritor que consiga viver apenas dos livros que vende, não me sinto habilitada para dizer que os livros estão a ser vendidos mais caros do que o que é justo.

Além disso, gosto muito de ler em Português e gosto muito de ler escritores Portugueses. Não gostava de nada de ver as editoras todas a ir à falência. Portanto continuarei a comprar, em Portugal, livros em Português (excepto daquela editora, que não acho que esteja a ser correcta).

 

Vá, comentem, digam-me porque é que eu não tenho razão, porque é que vocês preferem optar por comprar em inglês. Porque é que preferem as livrarias online (e estrangeiras). Digam-me se de facto consideram que os preços praticados por cá são acima do que vocês consideram justo por um livro. Digam-me, se conseguirem, o que é justo pedir por um livro. Conversemos...

 

9 comentários

Comentar post