Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

11
Abr23

Linguagem e memória

Patrícia

WhatsApp Image 2023-04-11 at 08.59.39.jpeg

Vivemos uma época estranha. Nunca tivemos tanto acesso a informação mas nunca foi tão difícil destrinçar o que nos chega enviesado, truncado, alterado. 

Quem me conhece pessoalmente já me deve ter ouvido falar da minha embirração com os romances que retratam o holocausto de uma forma relativamente benigna, que contam histórias de amor em campos de concentração e que conseguem fazer daqueles dias, dias de esperança. Por mais que me digam que é importante conseguir ver alguma luz naquele período, assusta-me que se esteja a perder o foco, a branquear algo que não pode, a bem do futuro, ser branqueado, menosprezado, tornado mais leve. A literatura é, também, uma forma de preservar a memória. É talvez a forma mais fácil de a preservar. Infelizmente também é a forma mais fácil de a perverter. Às páginas tantas aquela ficção, criada para entreter e não machucar muito, torna-se verdade universal e em vez de aprender nos livros de história achamos que o que aprendemos nas páginas daquele romance  é suficiente para nos dar uma fotografia daquele tempo. 

A verdade é que quando um livro é escrito, é a realidade do escritor, do tempo do escritor, da percepção do escritor que está vertida naquelas linhas - exactamente como este texto retrata a minha visão actual (pode mudar, senhores, que cá eu não rejeito mudar de opinião se achar que estou errada) sobre este tema. E esta visão está enviesada pelas minhas crenças, pelos meus preconceitos, pelo que li, estudei e aprendi sobre ele.

Da mesma forma que um romance de época reflecte a forma como a actualidade vê aquela época. Consoante a pesquisa feita reflecte o conhecimento dos historiadores, o conhecimento académico, a percepção geral  - daí que me preocupe a forma como olhamos, por exemplo, para o holocausto.  A forma de escrita, a linguagem utilizada, tudo isso é importante. 

Claro que a língua que conhecemos hoje não é a língua de Camões. Caramba, quando eu pego nas cartas da minha avó do início do século XX (o homem, com quem ela gostaria de casar e com quem os pais não a deixaram casar, passou-as para um caderno e ofereceu-lho - a imagem que ilustra este texto é desse caderno) mal as consigo decifrar. Claro que tornar perceptíveis para nós esses textos - da forma mais fiel ao texto e à forma - é de extrema importância. De que forma, senão através da tradução, os livros passados ou escritos noutra língua nos seriam acessíveis?

Mas deturpar, de forma consciente, a linguagem, suavizando-a, transformando o texto com o viés do que consideramos aceitável é tão perverso em termos de memória colectiva que nem consigo perceber como pode ser considerado uma boa ideia para alguém. 

Hei-de voltar, imagino que inúmeras vezes, a este tema.

 

 

2 comentários

Comentar post

Pesquisar

email

ler.por.ai@sapo.pt

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

    1. 2024
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2023
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2022
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Mais sobre mim

Em destaque no SAPO Blogs
pub