Ler por aí
 
25 de Agosto de 2012


E pronto. Já está. A trilogia Millennium já está lida e apreciada. Gostei muito, obviamente. Agora tenho que ir rever os filmes. Os Suecos, claro. 
Li os dois últimos livros de uma assentada. Pouco mais de 2 semanas (1 já de trabalho) chegaram para ler estes dois livros, em que se conta, especialmente, a história de Lisbeth Salander. Devo dizer que acho a Lisbeth um dos personagens mais interessantes da literatura. É impossível não gostar desta miúda  teimosa, tatuada, furada, bichinho do mato. É impossível não pensar que a ética desta miúda é tão mais justa que a considerada socialmente aceitável. Neste terceiro volume gostei especialmente do crescimento de Lisbeth, da relação que ela estabeleceu com o médico, com a advogada e de ver a evolução dela (por exemplo com o Juiz). 
Não gostei da relação do Mikael com a Rosa. Mas o homem tem que se envolver com tudo o que use (ou possa usar) saia? E é sempre da mesma maneira: elas decidem levá-lo para a cama como se ele fosse um brinquedo erótico. Não tenho nada contra a iniciativa partir da mulher. Irrita-me que, ao  longo dos 3 livros o comportamento tenha sido exactamente o mesmo. ok, é coerente, mas irritante. 

Acho que vale mesmo a pena ler esta trilogia. Pelas histórias: as de Mikael e Lisbeth, as de Erika e as outras, as pequenas histórias à volta dos personagens secundários que não deixam de ser interessantes  apenas por serem secundários.

Por um lado tenho pena que não haja mais livros (acho que a ideia do autor era escrever uma colecção de 10 livros) mas por outro lado acho que esta trilogia é suficiente. Mais iria talvez estragar. A Lisbeth após este volume só deveria crescer e tornar-se mais apta socialmente... mas não iria ser a "Lisbeth" que conhecemos e que é a grande mais-valia destes livros.  

publicado por Patrícia às 21:30 link do post

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
subscrever feeds
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana margarida de carvalho

ana saragoça

anne bishop

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mistborn

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

oathbringer

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

pot-pourri de assuntos

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

sugestões à quarta

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

virginia woolf

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO