Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

19
Jun11

A Noite de Todas as Almas, de Deborah Harkness

Patrícia


Num final de tarde de Setembro, quando a famosa historiadora de Yale, Diana Bishop, abre casualmente um misterioso manuscrito medieval alquímico há muito desaparecido, o submundo mágico de Oxford desperta. Vampiros, bruxas e demónios farão tudo para possuir o manuscrito que se crê conter poderes desconhecidos e pistas misteriosas sobre o passado e o futuro dos humanos e do mundo fantástico. Diana vê a sua pacata vida de investigadora invadida por um passado que sempre tentou esquecer: ela é a última descendente da família Bishop, uma longa e distinta linhagem de bruxas de Salem, marcada pela morte misteriosa dos pais quando era criança. E do meio do turbilhão de criaturas mágicas despertadas pela re-descoberta do manuscrito surge Matthew Clairmont, um vampiro geneticista de 1500 anos de idade, apaixonado por Darwin. Juntos vão tentar desvendar os segredos do manuscrito e impedir que caia em mãos erradas. Mas a paixão que cresce entre ambos ameaça o frágil pacto de paz que existe há séculos entre humanos e criaturas fantásticas… e o mundo de Diana nunca mais voltará a ser o mesmo…


Leitura de férias: leve, daquelas que permitem limpar a mente de tudo o que seja real, sem grande conteúdo que nos levante questões ou nos faça pensar. 
Por mais que tentem colar este género de livros à saga Harry Potter não há qualquer hipótese real disso acontecer. O mesmo se passa com a "colagem" a Carlos Ruiz Safón (a sério???): não tem nada, mas mesmo nada a ver. Talvez a única comparação (entre as que constam na capa do livro) que considero adequada seja a feita com o livro " O historiador" de  Elizabeth Kostova. 
para quem gosta de fantasia leve e juvenil o livro é óptimo. Lê-se bem e como qualquer outro livro deste género é viciante. Mas não é nada de especial. É demasiado grande (a história contava-se facilmente em metade das páginas), é pesado (seria uma leitura de praia óptima, se não fosse um tijolo), por vezes a história arrasta-se e o pior de tudo é que o raio do livro vai ter continuação...
Resumindo: porreiro para adolescentes, para os outros só mesmo para uma altura em que não vos apeteça pensar. 


1 comentário

Comentar post