Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

12
Mai20

À espera no centeio, de J.D. Salinger

Patrícia

12975704.jpg

 

Ou "o apanhador no campo de centeio" ou, ainda, "Uma agulha no palheiro".

Se fosse eu, escolhia "o apanhador no campo de centeio". Posso aliás, começar por aqui, pela referência a este título, que diz respeito a apenas uma pequena passagem deste livro mas que tem em si, ainda assim ou talvez por isso, uma imagem tão forte. Aliás, todo o livro é algo cinematográfico (ainda que o protagonista não goste de cinema) e as imagens que nos surgem, as diferentes velocidades de acção, contam a sua própria história.

Ao longo destas páginas acompanhamos Holden que resolve contar-nos o que se passou nos dias seguintes à sua expulsão de Pencey, colégio para o qual não deverá voltar após as férias do Natal.

Cedo percebemos que o tom deste livro é extremamente triste. Aquele miúdo deu-me pena quase de início e perguntei-me muitas vezes porque é que nenhum dos adultos que o rodeia o consegue "ver" e ajudar. Mais do que retratar os dramas da adolescência (muito parecidos, mais no conteúdo que na forma, aos sentidos pelos adolescentes actuais) e a passagem para a idade adulta, este livro fala-nos sobre depressão, solidão, não-integração (real ou apenas sentida) e consegue, num tom muito particular dar voz a quem, na altura em que o livro foi escrito, pouca voz teria.

Tendo-o lido com "olhos de adulta" não consegui sentir a empatia que queria ter sentido com o Holden. Mas compreendo perfeitamente o impacto que este livro deve ter quando lido na idade certa, ali pelos 15/16 anos. Será, certamente, um livro a ofercer a alguns adolescentes.

E é um livro que recomendo sem reservas. 

 

 

 

 

1 comentário

Comentar post