Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

12
Mai16

A Amiga Genial, de Elena Ferrante

Patrícia

A Amiga Genial.jpg

"Foi durante esse percurso até à Via Orazio que comecei a sentir-me claramente uma estranha, que a minha própria estranheza tornava infeliz. Crescera com aqueles rapazes, achava os seus comportamentos normais, a sua linguagem violenta era a minha. Mas havia seis anos que seguia diariamente um percurso que eles ignoravam completamente, e que eu, pelo contrário, enfrentava de forma tão brilhante que revelara ser a mais competente. Com eles não podia usar nada daquilo que aprendia todos os dias, tinha de conter-me, de certo modo autodegradar-me. Aquilo que eu era na escola, ali era obrigada a pô-lo entre parêntesis, ou a usá-lo à traição, para os intimidar"

 

Lenú conta-nos a sua própria história, contando-nos a história de Lila. Amigas, rivais, cúmplices, duas faces de uma moeda numa vida que se insiste em entrelaçar.

Ferrante é uma exímia contadora de histórias. Ou melhor, Ferrante é uma exímia contadora de vidas, de sentimentos, de emoções. De uma forma pungente pega-nos na mão e leva-nos para dentro da vida desta menina-mulher que é Lenú. E é, na minha opinião, essa maravilhosa capacidade de contadora de histórias que faz dela o fenómeno literário que é.

Este livro (e claro, a tetralogia de que faz parte) é a maior surpresa literária da atualidade. Resisti a lê-lo porque não sou a maior fã de best-sellers, consigo sentir-me sempre a ovelha negra dos leitores e ando, quase sempre, às avessas com a crítica literária. As expetativas são tramadas e o "A Amiga Genial" é a estrela da literatura. Conseguiu-o de duas formas - uma fenomenal campanha de marketing (que inclui o "de mão em mão") e um regresso à literatura clássica (talvez não o devesse chamar assim, mas é a única forma que o sei dizer). E eu fico feliz por ver o sucesso de uma "estória" bem contada. 

Senti-me novamente a ler o "Mulherzinhas", de Louise May Alcott (talvez não seja coincidência ser o livro favorito da infância de Lenú e Lila) ou o Terra Bendita de Perl S. Buck, livros que marcaram a minha adolescência. Numa altura em que a literatura contemporânea está numa busca permanente pela novidade e pela diferença, ler este "A Amiga Genial" é como voltar a casa, voltar ao conforto das leituras intemporais. 

Talvez por fazer o paralelo entre este livro e o Terra Bendita, fiquei surpreendida por não ter ficado fascinada pelo "A amiga Genial". Para dizer a verdade precisei chegar quase ao fim para me interessar por esta história e apenas por suspeitar que as Lenú e Lila adulta serão infinitamente mais interessantes que as versões infantis. Talvez, mas só talvez, dê uma oportunidade ao resto da série.

 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.