Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

09
Nov20

Leituras em tempos estranhos

Patrícia

Penso muitas vezes que devia apagar o blog uma vez que lhe dou tão pouca atenção. Para vos dizer a verdade voltei a escrever e a registar as leituras num caderno porque a vontade de vir escrever aqui tem sido pouca. Descobri não ter (ainda) a coragem de acabar com isto (acabar com o Facebook e com Instagram foi infinitamente mais fácil) porque há muito da minha história com os livros aqui, porque dediquei muito tempo a blog e porque eu gosto bastantes de blogs - são sempre a minha plataforma favorita de partilha de leituras.

O ano de 2020 em livro seria arrumado, por um leitor de 2019, na prateleira das distopias. Hoje gostaríamos de o arrumar na prateleira dos Históricos mas infelizmente ainda o vivemos. Nada, nem sequer a literatura, será a mesma depois destes tempos (mais estranhos que) extraordinários. Nenhum de nós ultrapassará este ano sem marcas.

Tenho a certeza que alguns livros marcaram/marcarão este tempo e que ainda diremos (eu sei que direi) que os "livros lidos na  pandemia" nos ajudaram a manter a sanidade mental.

Na primeiro confinamento muita gente dizia que não estava a conseguir ler, que não se conseguia concentrar o suficiente. Comigo nunca aconteceu, confesso, mas o meu ritmo de leitura tem diminuído muito. Não é que isso me incomode "per si" mas as razões pelo qual às vezes me é difícil pegar num livro já me chateiam mais um bocadinho (a vida acontece e nem sempre é maravilhosa). 

Quando voltei a confinar (esta palavra entrou para sempre no nosso vocabulário, não é?), separei alguns livros para os próximos tempos. Em primeiro lugar os livros que me emprestaram: A casa quieta, do Rodrigo Guedes de Carvalho e Nunca me Deixes, de Kazuo Ishiguro. Depois um dos últimos livros que comprei: Cidade Infecta, de Teresa Veiga.

Para já estou a ler A casa quieta, um livro que me está a angustiar bastante (paradoxalmente é tão bom quando isto acontece, não é?) e que, como tal, estou a ler devagarinho. No Kobo tenho em andamento o "Rua de Paris em dia de chuva" da Isabel Rio Novo que, para vos dizer a verdade, ainda não me convenceu (apesar de ter algumas opiniões fabulosas de grandes leitoras). E no telemóvel vou (re)ouvindo o Oathbringer, já em contagem decrescente para o 4º volume dos Stormlight Archive do Brandon Sanderson que sairá no dia 26 de Novembro.

 

E vocês, o que andam a ler?

DSC08127.JPG

 

09
Nov20

Os testamentos, de Margaret Atwood

Patrícia

DSC08122.JPG

 

Na sequência do "A história de uma serva", uma distopia que deu que falar nos últimos anos, este Os testamentos leva-nos a Gileade, onde as mulheres têm poucos direitos, onde ler é uma actividade reservada aos homens (e a algumas - poucas - mulheres), onde as meninas são forçadas a casar assim que entram na puberdade e onde a corrupção é cada vez mais presente.

Um aparte para comentar a proibição da leitura. Este elemento não é novo nem na ficção nem na realidade. Uma e outra vez somos obrigados a olhar para esta actividade como um privilégio e ainda assim desvalorizamo-la tanto. Muitos sabem o que fazem - uma sociedade sem livros é uma sociedade acrítica, sem vontade, sem capacidade de luta. Mas continuamos a dar pouco, muito pouco, valor aos livros, ao conhecimento, à educação, à escola - sítio único onde a igualdade de oportunidades tem uma hipótese de vingar e ser uma realidade.

Voltando a Os testamentos (que eu preferia que se chama-se "Os testemunhos" mas como não sou tradutora, deixo isso apenas como uma opinião sem grande validade)

Ao longo das páginas deste livro conhecemos a história e o testemunho de três personagens: Lydia, uma Tia fundadora, a testemunha 369A e a 369B. Três mulheres diferentes, com percursos bastante distintos mas que, sem surpresa, se vão cruzar.

É bastante interessante acompanhar o percurso e o que o condiciona, as escolhas de cada uma. A noção de somos, não apenas o que a sociedade e os outros fazem de nós, mas também (e acima de tudo) produto das nossas escolhas está bem patente neste livro. 

Como sempre, este género de livro - que tantos descartam como "fantasias" - reflecte profundamente sobre a sociedade actual, as escolhas, anseios e preocupações que nos afectam hoje (aliás, 2020 tem transformado muitas distopias em "ficção muito perto da realidade").

Margaret Atwood continua a  revelar-se uma voz importante e incontornável

 

DSC08123 (2).JPG