Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Ler por aí

Ler por aí

01
Mai17

Os desafios da Europa

Patrícia

 

Que tal ajudarem a concretizar um sonho literário? Imagino que este livro, um projecto que é uma parceria entre a Livros de Ontem e a Junta de Freguesia dos Olivais, seja isso mesmo (a concretização de um sonho) para todos os que têm um conto aqui.

Mas este sonho apenas se tornará realidade se, até dia 15 de Maio, houver gente suficiente a apoiar este projecto.

Vamos ajudar?

 

Atendendo ao papel essencial da literatura no desenvolvimento cultural e intelectual do indivíduo, este projecto tem como intuito promover a criatividade, o gosto pela leitura e sobretudo, a criação literária. 

Constituí também uma homenagem ao escritor que lhe dá nome, procurando assim promover também o conhecimento da obra de Eça de Queirós, um dos autores mais relevantes da nossa literatura. 

ma publicação Livros de Ontem.

Parceria Junta de Freguesia dos Olivais.

Contos de Luísa Semedo, João de Almeida, Quita Miguel, Márcia Balsas e Márcia Costa.

Edição e revisão de João Batista | Livros de Ontem.

Projecto gráfico de Nádia Amante | Livros de Ontem.

 

01
Mai17

Curtas 2017 #27 Direitos dos leitores (parte 8)

Patrícia

Foi em conversa com um amigo dos livros que me lembrei de mais um "direito do leitor". Ainda por cima é um daqueles que deixa tanta gente escandalizada. Falo de "ler na diagonal ou saltar parágrafos/páginas".

Quem nunca o fez que atire a primeira pedra (mas devagarinho, ok?) seja pela ânsia de saber o final seja porque o livro é tão chato mas tão chato que é a única forma de o acabar de ler.

Costumava ler na diagonal sabendo que assim que chegasse à última página voltava à primeira para ler com calma. Também já o fiz (e já saltei capítulos inteiros) porque queria saber o final mas não me apetecia ler o livro. Saltar capítulos ou páginas só acontece em desespero de causa. Quando a escolha é entre isso e entre fechar o livro sem saber o final. 

Na verdade, ler na diagonal também já é muito raro. Leio cada vez mais devagar e com menos pressa de chegar ao fim. 

Mas ainda assim é, sem dúvida, um dos direitos do leitor.