Ler por aí
 
09 de Fevereiro de 2014


 

 

Gostei muito de ler este livro, fez-me lembrar os que líamos nas aulas de português do liceu, mas sem a pressão dos testes e avaliações – super positivo! Deve ter feito parte, em alguma altura, do currículo académico porque tem umas notas escritas à mão sobre Neo-Realismo que tive de ir “googlar”, confesso a minha ignorância, talvez por ser das ciências, nunca tinha estudado este livro nem nenhum desta corrente literária. Peguei nele porque o vi numa estante de casa de mamãe e lembrei-me que alguém o tinha mencionado na Roda dos Livros.

Em resumo e o que temos é que ninguém é feliz nesta história.

Começamos por conhecer Álvaro Rodrigues Silvestre homem gordo, baixo de passo molengão é comerciante e lavrador que vai ao jornal da aldeia tentar colocar um anúncio: “Juro pela minha honra que tenho passado a vida a roubar ... Para alguma salvaguarda juro também que foi a instigações de D. Maria dos Prazeres Pessoa de Alva Sancho Silvestre minha mulher”

Confesso que ao início simpatizei com este senhor, pensamos “ui coitado! tem uma mulher que é uma megera” mas ao longo da história deixei de ter qualquer simpatia pelo gordo consumido pelo remorso,  fraco, bêbado e cobarde.

A esposa, D. Maria dos Prazeres Pessoa de Alva Sancho Silvestre, é uma mulher altiva de olhos grandes e cabelos pretos, uma mulher esplêndida, fidalga.

Neste caso foi o contrário comecei por antipatizar à partida com a megera  da D.Maria para depois perceber o seu azedume, justificado pelo facto de a família fidalga ter ficado pobre e o pai Pessoa, Alva e Sancho  ter negociado o seu casamento com os Silvestres do Montouro, lavradores e comerciantes: sangue por dinheiro... Compra-se tanta coisa compre-se também a fidalguia. A azia da senhora é justificável quando se é dada para casar abaixo da condição social com um ignorante bêbado.

Temos também o Padre Abel porque não há livro tuga que não tenha um padre e a D. Violante “irmã” do padre. Irmã está entre “” porque ficamos na dúvida se são mesmo irmãos ou se são um casal, há falatórios na aldeia. Estes dois tal como o médico e a professora são presença assídua na casa dos Silvestre. D. Cláudia a professora, é a eterna namorada do Dr. Neto, frágil fisicamente e de espírito, tem medo de casar e medo de tudo em geral. O Dr. Neto  é um homem bondoso que para além de ser médico “cultiva” abelhas, tem sífilis hereditária pelo que não quer ter filhos que possam ser como ele e daí o eterno namoro platónico com a D. Cláudia. É o responsável pela parte filosófica nos serões em casa dosSilvestre é ele que fala das abelhas: “vida e morte o que são? ... tomemos por exemplo as abelhas. Partir do simples para o complexo. Sabe-se que após a fecundação o destino dos machos é a morte. Ora, como fecundar é criar...”

Uma história dentro da história maior do Silvestre com a D. Maria dos Prazeres é a da Clara com o Jacinto, o cocheiro da casa dos Silvestre. Clara é a filha do Mestre António oleiro, cego, que quer casar a filha com um homem rico, lavrador com terras, para que tenham uma vida melhor - estamos a ver aqui um padrão de usar as filhas casadoiras para sair da miséria. Mestre António fica a saber que a filha anda enrolada com o cocheiro pelo Álvaro Silvestre e claro que daqui não sai coisa boa: “O seu cocheiro vai dançar na corda bamba, Álvaro Silvestre, aprender quantas cabaças de água são precisas para matar a sede no inferno”.

“Uma abelha na chuva” deve ser dos melhores títulos de livros de todos os tempos e a abelha na chuva deste livro é a Clara: A abelha foi apanhada pela chuva: vergastadas, impulsos, fios do aguaceiro a enredá-la, golpes de vento aferirem-lhe o voo. Deu com as asas em terra e uma bátega mais forte espezinhou-a. Arrastou-se no saibro, debateu-se ainda, mas a voragem acabou por levá-la com as folhas mortas.”


 
publicado por Catarina às 00:25 link do post
Era obrigatório há uns 35 anos, ou mais, quando eu fiz o liceu. O meu creio que tem uma capa com outra cor...
Bom domingo!
Isabel a 9 de Fevereiro de 2014 às 12:04
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO