Ler por aí
 
20 de Janeiro de 2017

Como é que há tantas novidades a metade do preço à venda na candonga?

Não preciso que respondam mas gostava mesmo que pensassem nisso... e nas consequências disso.

publicado por Patrícia às 23:03 link do post
A sério? Como é possível? Serão usados (ó eu inocente)?
Izzie a 21 de Janeiro de 2017 às 09:25
Adoro a tua inocência :)
Patrícia a 21 de Janeiro de 2017 às 11:12
Adorava saber
Cláudia Oliveira a 21 de Janeiro de 2017 às 19:46
Olha, também eu. Mas livros lidos nem sempre são... Demasiadas negociatas para o meu gosto
Patrícia a 23 de Janeiro de 2017 às 17:48
Eu agradeço que haja, e à primeira vista as consequências apelam-me à carteira. Mas se o teu raciocínio é outro, terei todo o gosto em ler-te como sempre.
Paula
Paula a 23 de Janeiro de 2017 às 07:28
Paula,
Quando há, no dia do lançamento de um livro, vários à venda concluo que não é possível fazerem parte do mercado de "livros lidos que os particulares vendem nos alfarrabistas".
Nada contra livros mais baratos. E nada, mesmo nada contra alfarrabistas. Adoro alfarrabistas.
Mas algumas vendas à margem da lei fazem-me espécie. Sou uma pessoa um bocado estranha no que à fuga aos impostos diz respeito. Além disso gostava imenso que o mercado editorial português não desaparecesse.
:)
Boas leituras e espero que continues por aqui :)
Patrícia a 23 de Janeiro de 2017 às 17:47
Será que estamos a falar de coisas diferentes, Patrícia? Eu falo de algumas pessoas venderem um ou outro livro recente nos sites de vendas, mas parece-me que te referes a um esquema mais manhoso das editoras.
Se assim for, não deviam ser elas as primeiras a preocuparem-se?
Paula
Paula a 25 de Janeiro de 2017 às 12:01
Falamos de coisas diferentes.
Os leitores lerem e venderem os seus livros em segunda mão é uma coisa. Estarem livros à venda em sites, facebook ou afins em quantidades estranhas fazem-me pensar.
Não faço ideia como acontece mas acontece. Assim como se nota perfeitamente que há pessoas a fazerem da venda de livros no facebook um negócio.
Quando arrumei as minhas estantes, aqui há uns anos, resolvi vender, a preço da chuva, uma série de livros YA e Romances que já não me interessavam e foram todos comprados pela mesma pessoa. Fiquei muito admirada e nada contente quando vi que essa pessoa é uma das mais activas nos grupos de vendas (muito mesmo). Ficou claro para mim o negócio, compra de um lado, a leitores que se desfazem de livros a baixo preço e vende de outro, ganhando muito dinheiro pelo meio... dinheiro absolutamente livre de impostos. Pode fazê-lo? sim, pode. Eticamente é reprovável.
Já encontrei várias vezes à venda livros "oferta" de editoras. E já vi livros à venda no dia em que foram publicados.
Tudo isto é indicação de um grande negócio paralelo.
Vejo imensa gente comprar, cada vez mais, livros nestes grupos ou livros em sites estrangeiros e ao mesmo tempo vejo editores portugueses a lançarem edições de 1500 livros e não as venderem todas.
Um editor, numa conversa de circunstância, disse-me um dia que a sua primeira edição serve apenas para pagar custos. Tudo isto me faz pensar e faz-me muitas vezes, cada vez mais, pensar no que compro e onde compro. Tento aqui no blog, de vez em quando, chamar a atenção, desafiar à reflexão.
Patrícia a 26 de Janeiro de 2017 às 10:53
Como não tenho Facebook (idade da pedra, eu sei...), não me apercebo dessas movimentações, por isso, agradeço teres sido tão directa. Não poderia reflectir sobre negócios realmente escusos
se não percebesse onde querias chegar.
Paula
Paula a 26 de Janeiro de 2017 às 11:43
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO