Ler por aí
 
05 de Maio de 2011


Nina Frost é delegada adjunta do Ministério Público, acusa pedófilos e todo o tipo de criminosos que destroem famílias. Nina ajuda os seus clientes a ultrapassar o pesadelo, garantindo que um sistema criminal com várias falhas mantenha os criminosos atrás das grades. Ela sabe que a melhor maneira de avançar através deste campo de batalha vezes sem conta, é ter compaixão, lutar afincadamente pela justiça e manter a distância emocional.
Mas quando Nina e o marido descobrem que o seu filho de 5 anos foi vítima de abuso sexual, essa distância é impossível de manter e sente-se impotente perante um sistema legal ineficiente que conhece demasiado bem. De um dia para o outro o seu mundo desmorona-se e a linha que separa a vida pessoal da vida profissional desaparece. As respostas que Nina julgava ter já não são fáceis de encontrar. Tomada pela raiva e pela sede de vingança, lança-se num plano para fazer justiça pelas próprias mãos e que a pode levar a perder tudo aquilo por que sempre lutou.

Não gostei especialmente deste livro. Tinha gostado bastante do “No seu mundo” e tive a oportunidade de ler este livro (emprestado e ainda bem) pelo que aproveitei logo. Desta vez as expectativas eram altas. Erro crasso.

Mais uma vez a autora pela num tema complicado e arranja uma história para nos fazer pensar. Nathaniel é um miúdo de 5 anos abusado sexualmente. A mãe é Procuradora-adjunta do Ministério Público e é especializada em acusar suspeitos de pedofilia. Nina ama o filho e quer protegê-lo, o que implica impedi-lo de testemunhar e ter de enfrentar o seu violador. Por isso Nina mata-o em pleno tribunal.

O livro não foca o que Nathaniel passou, nem a sua recuperação, nem os seus traumas. O tema do livro é, supostamente, o que podemos, devemos fazer por amor e quais as consequências disso. Mas basicamente a história foca o que Nina fez e o que foi preciso fazer para safá-la em tribunal. Só isto faz com que não o ache assim tão interessante. Mas a trama adensa-se e o que parece ser nem sempre é.

Se este tema fosse abordado de outra forma poderia ter-me feito pensar bastante. Temos padres pedófilos, temos coincidências absurdas (daquelas cuja probabilidade de acontecerem são ínfimas) que fazem com que um homem inocente seja acusado, temos erros gravíssimos que devem querer fazer-nos pensar duas vezes antes de agir, temos traições, dúvidas e muita, muita sorte.

Sinceramente preferia uma história mais “simples” sem tantas curvas mas que me permitisse, de facto, reflectir. Não aconteceu.

Ainda hei-de dar mais uma hipótese a esta escritora mas não devido a este livro.












publicado por Patrícia às 15:35 link do post
oi,

Eu gosto bastante desta escritora, já li quase todos os seus livros, mas de facto ela tem assim uns altos e baixos e nem todos os livros são bons para se começar...Ja li "Tudo por amor" há um ano e dois e não desgostei. Picuolt (talvez devido à sua experiência) cria sempre mães muito fortes e isso foi o que eu mais gostei neste livro.

Aconselho a ler Para A Minha Irmã e Dezanove Minutos...para mim são os melhores dela.

cumps
Sara a 6 de Maio de 2011 às 04:00
Olá Sara,
Tenho curiosidade em ler o Para minha Irmã. Não vi o filme mas parece-me ter um tema interessante.
:)
Boas leituras
Patrícia a 6 de Maio de 2011 às 10:40
Foi o que eu gostei mais a par de Dezanove Minutos, sobre um tiroteio numa escola...tenho achado o últimos livros dela um pouco aborrecidos (ainda não li o "no seu mundo")

o filme não aconselho...

cumps
Sara a 6 de Maio de 2011 às 11:10
ESTOU TE SEGUINDO OK ? AMO LIVROS! TEU BLOG É LINDO AMEII!BJUS
Gell a 7 de Maio de 2011 às 01:16
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO