Ler por aí
 
24 de Fevereiro de 2015

 
 
Um homem decide que a melhorforma de fugir à polícia é enfiar-se num sótão para o resto da vida.Alimenta-se de arroz e pombos, ouve música num rádio da segunda guerra mundiale, volta e meia lá vai roubar um bocadinho de água das torneiras dos vizinhos.Uma das vizinhas é uma velha solitária que passa o dia a insultar as plantasque teimam em não crescer. Depois há a outra que sonha com uma borboleta comcara de gente a ser atacada por uma abelha e ainda há uma peixeira que tem umfilho. No meio de tantas histórias gostei mesmo foi da história do tal rádio dasegunda guerra mundial e dos dois irmãos que queriam ouvir programasdiferentes. E da história da Vera, claro. 
Gostei deste livro que, para mim,vale mais pelas várias partes que pelo todo. As histórias dentro da história deixam-nospor vezes à deriva mas conduzem inevitavelmente a um fim. E falando em final esem deixar nenhum spoiler tenho que admitir que gostei bastante do deste livro,cumpriu a sua função (ultimamente dou por mim a já não esperar um final a meugosto antes a esperar simplesmente um final) e ainda me deixou com um sorriso apesarda crueldade da coisa.
Fez-me pensar a capacidade que oautor tem de nos pôr a aceitar a crueldade como algo aceitável, mediantedeterminados propostos, é certo, mas ainda assim a aceitar coisas que,teoricamente são inaceitáveis e que ali, preto no branco naquelas páginasfinais quase fazem sentido. Quase, porque ainda assim não consigo deixar depensar no que realmente faz o mundo ficar aparentemente mais bonito.
E depois de ter ouvido tantasopiniões diferentes e de ter tido o privilégio de ter ouvido o escritor a falar(este foi o livro discutido no encontro de Fevereiro da Comunidade de leitoresna LEYA na Buchholz moderado pelo Luís Ricardo Duarte) a minha opinião mudou umbocadinho. Afinal compreendi um pouco melhor os porquês, os intuitos, tiveoportunidade de considerar outras opiniões e nestes casos é inevitável que aleitura saia enriquecida.
É possível ler apenas a históriaque o escritor escreveu. Mas também é possível ler mais, ler nas entrelinhasdesta história, ler ironias e denúncias, ler críticas e opiniões. Fica àescolha do leitor.
publicado por Patrícia às 09:44 link do post
07 de Dezembro de 2012


Estou indecisa sobre o que achei deste livro: não sei seadorei se o achei uma chatice. Talvez as duas coisas que, ao contrário do queparece, não são mutuamente exclusivas. Começo já pela parte chata (para mim,que acredito que haja alguém para quem a beleza do livro esteja precisamenteaí): as crónicas de uma viagem pelos Estados Unidos da América. Faltam-meconhecimentos geográficos e culturais para gostar dessa parte. Apesar de já terestado duas vezes nos EUA, não sinto por aquele país um fascínio assim tãogrande (excluamos NY desta minha opinião, ok) e parece-me que para acompanhar aviagem dos 5 amigos era necessário um conhecimento e/ou interesse que eu nãotenho.

Posto isto, vamos à parte boa que compensa bastante a má.

É o primeiro livro deste escritor que leio e (o escritor)foi-me bastante recomendado pelo que as expectativas eram altas.
No início o narrador vê-se confrontado com a morte da mulhere com o facto de, para efeitos de publicidade, várias instituições ignorarem oóbito. Assim no dia em que ela faria anos ele recebe várias cartas, incluindouma do banco a oferecer-lhe um cartão de crédito.
E é com esse cartão de crédito que 5 amigos (todos de malcom a vida) embarcam na viagem das suas vidas pelos Estados Unidos da América.Uma viagem recheada de peripécias, de conversas mais ou menos importantes, desilêncios e de partilha. E de solidão. Cada um dos 5 homens parece estar àprocura do sentido da vida ou da morte. Cada um deles busca o seu própriocaminho, procura purgar os seus desgostos e angústias.
Sem divulgar demasiado não posso falar mais mas há partes dolivro que são autênticos murros no estômago.

Comecei a ler este livro em Toronto, um ou dois dias depoisde ter visitado as Cataratas do Niagára (maravilhosas, já agora). Este livro vaificar sempre ligado (para mim) a este país. Qual não é o meu espanto quando meapercebo que o livro acaba precisamente neste local. Nas Cataratas, naplataforma do lado Americano.

“… uma autêntica cópia é o que somos hoje em dia, sou umaautêntica cópia do foragido do Oeste, autêntica cópia do homem que traz umpassado, a viver da autêntica cópia de um romance filosófico de ação, com diálogospelo meio, cópia autêntica de vivacidade, e sobrevivente da autêntica cópia doturismo de aventura.”

in Se fosse fácil era para os outros, Pág. 229,
publicado por Patrícia às 15:14 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO