Ler por aí
 
21 de Agosto de 2015

 

 



O que une o homicídio de uma miúda em Lisboa com a história de um homem, pertencente às SS, em 1941 em Berlin?
É a resposta a esta questão que, numa primeira fase, os leitores deste livro vão procurar.
No final dos anos 90 uma miúda de 14/15 anos aparece mortana praia de Carcavelos e o investigador da Polícia Judiciária é o Zé Coelho.Paralelamente começamos a conhecer a história de Klaus Felsen, Alemão, que em1941 se torna membro (algo forçado) das SS.
 
Não me vou alongar com a história deste livro, num policial/thriller é sempre difícil saber onde está a linha do “spoiler”.
Prefiro falar-vos do porquê deste ser um dos meus livros preferidos.
Robert Wilson aproveita uma história de mistério para nos contar uma parte da História de Portugal. Em 1941, Lisboa era uma cidade em movimento, Portugal era um país em mudança. Em plena segunda guerra mundial o nosso país era palco de cenas reais de espionagem e contra-espinagem, com nazis e aliados lado a lado entre o glamour do Estoril e o atraso do país. A verdade é que por aqui passaram gentes de todos os lados da Europa, uns em fuga para a América, outros a comprar ou apenas contrabandear bens. E Portugal tinha algo muito importante para os países em guerra: Volfrâmio. E tinha um ditador que jogava muito bem um jogo duplo.
E quantos de nós, Portugueses, conhecem este período da História? Confesso-vos que nunca ouvi falar da maioria disto nas aulas de história.
Neste livro reconheci cada Português. Mesmo quando preferia que aquela não fosse a nossa realidade, tenho que a reconhecer. Mesmo quando não gostava dos personagens (e há poucos, muito poucos neste livro de quem gostei) reconhecia-os.
Não sei como um leitor que não tenha qualquer ligação a Portugal reage a este livro mas imagino que não consiga apreciar a melhor parte desta história. Há personagens que, para muita gente, devem parecer muito pouco credíveis e no entanto são as mais reais, são as tais que me fazem gostar imenso desta história (veja-se, por exemplo, a mulher do Joaquim Abrantes ou o próprio Joaquim Abrantes).
Gostei da estrutura deste livro: duas histórias que acabam por se unir. Não é muito comum, não ajuda à leitura, tornando-a até difícil a princípio mas que acabou por me agradar (especialmente nesta releitura).
O final não me agradou a 100% devo confessar. É certo que não adivinhei o assassino (e eu gosto disso) mas pareceu-me algo rebuscado demais. Ainda assim isso não faz com que tenha gostado menos do livro por isso.
Continuo a recomendar a todos o “O último acto em Lisboa”.

 

Uma das minhas próximas releituras será o “Uma companhia de estranhos”, também deste escritor e também passado em Lisboa durante a segunda guerra Mundial. 
 
Uma nota para as capas que aqui deixo: a horrível é a da minha edição em Português e a maravilhosa é a da minha edição de bolso em Inglês (entretanto ofereci-a, mas continuo a achá-la linda).
publicado por Patrícia às 18:30 link do post
15 de Agosto de 2012


Sinopse
A abrasadora cidade de Sevilha ainda está a recuperar de um chocante e ainda não solucionado ataque terrorista quando um violento e espectacular acidente de carro faz incidir a luz sobre outra ameaça. Um gangster morto e uma mala cheia de dinheiro significam que a máfia russa se encontra no caminho do Inspector Jefe Javier Falcón. 

À medida que emerge uma intensa guerra entre bandos rivais, Falcón encontra-se, assim como aqueles que lhe estão mais próximos, no centro da disputa e vê-se como alvo de forças letais subitamente desencadeadas. Perante um ataque tão brutal, Falcón decide retaliar com uma impiedade que o surpreende tanto quanto aos seus adversários… mas que terá um desenlace trágico.
Continuo na onda dos policiais e como tal resolvi que este livro de Robert Wilson era o ideal para me fazer companhia na praia. E a ausência deste escritor na lista de autores deste blog era já absurda. "Conheci" Robert Wilson com o "O último acto em Lisboa", livro que li no original e que demorei anos a descobrir em Português (A tradução de "A small death in Lisbon" por "O último acto em Lisboa tramou-me) e que já ofereci a imensa gente. Adorei o livro e tenho mesmo que o reler... outra vez. Depois li o "Uma companhia de estranhos", também sobre Portugal e o grande responsável pela minha opinião sobre o "Enquanto Salazar dormia". Na minha opinião Wilson põe Domingos Amaral a um canto.
O Cego de Sevilha é o início da saga Javier Falcón e agradou-me bastante. Não tanto como os outros dois, mas gostei. E agora, passado alguns anos, resolvi pegar neste "A ignorância do sangue" que comprei num dos alfarrabistas da feira do livro. É o 4º livro da série Javier Fálcon e acho que não devia ter dado este salto na série. Há por ali muita coisa que me passou ao lado (e isso era claramente perceptível) o que estragou um bocadinho o prazer de ler este livro. Mas mesmo assim gostei. Temos o Falcón, inteligente e humano como sempre, mafiosos maus, decisões que podem passar um bocadinho a linha da ética ( e por acaso houve aqui uma nuance que não me agradou sobremaneira - é que é certo que da intenção aos actos ainda há alguma distância, mas arranjar uma solução daquelas, não é bem o que esperava de Robert Wilson), amigos  e amor qb. Num policial não dá para falar muito sem contar a história por isso fico-me por aqui...
publicado por Patrícia às 22:38 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO