Ler por aí
 
29 de Outubro de 2013

Os meus amigos continuam a gostar de ler. E desta vez foi a Andreia que escreveu um texto aqui para o blog. Ela resolver escrever sobre a trilogia mais falada do momento. Confesso-vos que esperava ansiosamente este texto, uma vez que a Andreia, com formação na área das Letras, seria a última pessoa que esperava que lesse estes livros.
Obrigada, miúda :)
 
 
Derivadaà minha formação académica, sempre me habituei a olhar para um livro através dasua construção, não sendo só a estória o fator preponderante, mas assumo quepara a maioria das pessoas seja a estória o fator fulcral.
Confessoque não sou apologista dos chamados livros cor-de-rosa que na minha ótica nãosão literatura e esta afirmação pode incorrer num debate infindável. Nãopretendo discutir balizamentos do que é ou não literário, apenas introduzi esta“breve” afirmação no intuito de iniciar um curto resumo sobre o livro acimareferenciado e justificar o meu ceticismo inicial na leitura.
Foirelutante da minha parte o começo da leitura da trilogia, porque à partidapensei tratar-se de mais uma panóplia cor-de-rosa com muito sadomasoquismo àmistura, um cocktail explosivo para o ramo editorial, onde cada vez mais seaposta nas vendas e não propriamente na qualidade de uma boa estória (nomínimo).
Lembro-mede na altura uma colega de trabalho me falar sistematicamente na trilogia eperante o entusiasmo dela, ter acabado por iniciar a leitura. Poder-se-á dizerque foi um ato compulsivo e inusitado. E ainda bem que atos destes me incorremvolta e meia.
Atrilogia é uma narrativa compulsiva, arrebatadora e viciante. Em 2 semanas li 3livros de cerca de 550 páginas cada um.
Narraa estória de um milionário submergido nas suas sombras do passado que omolestam desde tenra idade e que o fizeram construir uma personalidadedemarcadamente dominadora e atormentada. Será através de uma paixão promíscua eavassaladora que o mesmo se irá desfragmentar, render-se e quebrar as barreirasque interpôs entre ele e o mundo, mergulhado a fundo na sua psique.
Muitomais do que um romance com uma tremenda carga sexual, onde o devaneio sexual ea experiencia libidinosa se aliam, esta trilogia marca uma redefinição de umconceito cada vez mais esmagado pela nossa sociedade assente em pilaresdemarcadamente materialistas: as relações a dois, onde oindividualismo impera com total ausência de entrosamento e partilha entre oscasais. A suposta partilha que pressupõe a aprendizagem ao lidar com oquotidiano que por vezes se torna dilacerante.
Mr.Grey, expoente máximo da materialidade, redefiniu-se e reencontrou-se atravésde Anastasia e de um amor ao estilo do século XIX, acalentando uma esperança deque há ideais mais nobres que se sobrepõem à nossa sociedade sufocante.
Talvezo sucesso do livro se justifique porque vivemos numa sociedade onde as pessoasdeixaram de sonhar, de lutar e de idealizar. A autora conseguiu trazer à tona essanossa lacuna e deliciou-nos, não descurando contudo da época onde vivemos, eonde supostamente as pessoas adquiriram um à vontade relativamente à suasexualidade.
Maisdo que uma estória, há toda uma construção por trás de valentes palmadas e dediversos jogos de prazer.
publicado por Patrícia às 10:21 link do post
21 de Fevereiro de 2013

Continuando na saga dos meus amigos que gostam de ler, hoje trago-vos um texto de uma das minhas favoritas "bookfriends". A Catarina é alguém com quem gosto de trocar opiniões e, na maioria dos casos, temos opiniões parecidas (vamos esquecer o "O amor é fodido" do Miguel Esteves Cardoso, ok, Cati?) e é a primeira pessoa a quem peço sugestões de livros.
Pedi-lhe que escrevesse sobre um livro, o primeiro, o melhor, o pior... e o texto, cheio de boas sugestões que me enviou foi este
(Obrigada :) )
 
"Quando a minha amiga blogger booklover  me pediu paraescrever - um post com uma opinião sobre um livro - o meu primeiro pensamentofoi: não sei escrever duas frases seguidas de jeito nem para salvar a minhaalma, depois pensei: Ok ... é só um texto, não vai ser proposto para nobel daliteratura por isso, cá vai disto. Mas quando, efectivamente, me sentei paraescrever - um post com uma opinião sobre um livro –  o que me passou p’lacabeça foi: oh caraças ... e agora?
Sobre um livro?  UM livro? Qual deles? Como é queescolho qual O livro? O primeiro livro de “Os Cinco” que li e que me fez quererter a minha própria ilha como a família Kirrin?  “O Perfume” que me fezsentir todos os cheiros ali descritos, inclusive o cheiro a peixe podre? “AsPontes de Madison County” que li numa noite agarrada a uma caixa delenços?  “Os contos de Eva Luna” que me fez ler todos os livros da IsabelAllende sem sequer espreitar a sinopse de nenhum. Os livros da Pearl S. Buck dacolecção de capa amarela, da minha mãe, que me fizeram adorar livros sobre ooriente? O livro “3 Chávenas de Chá” que me fez acreditar que uma única pessoapodia mudar o mundo a construir escolas, para depois vir a descobrir que afinalera tudo mentira, e foi como um amigo me tivesse traído. “O Crime no Expressodo Oriente” e todos os restantes livros da tia Agatha que me fizeram, aindahoje, ter um livro policial na minha mesa de cabeceira para o intervalo naleitura dos outros livros. “As Intermitências da Morte” o primeiro livro que lido Sr. Saramago, já o homem tinha falecido, que me mostrou um sentido de humorque me surpreendeu completamente...
E agora olho para a minha mini biblioteca e vejo outrostantos amigos que me acompanham desde que me lembro de saber ler e outros maisrecentes e não me consigo decidir por um. Por isso, amiga bloggerbooklover, peço desculpa por não ter escrito o post que me pediste, e prometodar-te a minha opinião quando me disseres qual o livro!"
publicado por Patrícia às 14:14 link do post
28 de Janeiro de 2013


Para quem o conhece não é surpresa que a escolha recaíria sobre este livro. Apesar de poder ter escolhido também o livro que ele próprio escreveu. Mas o "O Macaco Nu" é o livro que o Vasco já tentou impingir a toda a gente. E uma paixão destas só se pode traduzir em algo positivo.


OMacaco Nu (Naked Ape)

Consideroeste livro de 1967, um despertar de consciências. Desmond Morris, Biólogo deformação, explica-nos o comportamento humano nas suas vertentes sociais tendocomo base o estudo dos símios e a própria psicologia humana. Um fervorosoadepto da genética, tenta passar para o leitor a realidade sobre as grandesdificuldades e desafios do Homem ao longo da sua vasta história, num mundo cadavez mais acelerado e megalómano. O lado genético não teve grandes evoluçõesdesde os primordial Homo Neandertal, daí, podermos admitir que somos e seremosviolentos na protecção do nosso espaço ou dos nossos mais chegados tal comotodos os símios. Esta agressividade e poder são um obstáculo à real evoluçãoHumana, que não consegue acompanhar a tecnologia que vai desenvolvendo com umaelevação racional das suas ligações sociais. O Bicho homem, como somosretratados, torna-se num alvo fácil e vulnerável na mão dos seus semelhantes.Morris Levanta questões de fundo e de difícil resposta abrindo as nossas mentespara uma melhor compreensão de nós próprios. Um livro que considero basilarpara quem se interessa sobre a condição humana e porque somos, como somos.
                                                                      Vasco Ribeiro

 

“Alguns sãooptimistas e sentem que, desde que criamos um alto nível de inteligência e umforte instinto inventivo, seremos capazes de modificar qualquer situação emnosso benefício; que somos flexíveis e capazes de refazer o nosso modo de vidapara satisfazer algumas das novas exigências criadas pela nossa condição deespécie em rápido desenvolvimento; que seremos capazes de resolver, no devidotempo, a aglomeração exagerada, a tensão, a falta de privatividade e deindependência de acção; que modificaremos os nossos tipos de comportamento eviveremos como formigas gigantes; que dominaremos os nossos instintosagressivos e territoriais, os nossos impulsos sexuais e as nossas tendênciaspaternalistas; que seremos capazes de nos tornar macacos produzidos em sériecomo os ovos chocados artificialmente, se assim for necessário; que a nossainteligência pode dominar todos os nossos instintos biológicos fundamentais.Para mim, tudo isso é conversa fiada. A nossa crua natureza animal nunca nospermitiria isso.” Desmond Moris in Macaco Nu.


*AqGdL: Amigos que gostam de ler
publicado por Patrícia às 11:31 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO