Ler por aí
 
14 de Setembro de 2016

Os vampiros.jpg

 

 

Apaixonei-me por este livro à primeira vista. Naquele dia decidi que queria ler este livro, tê-lo na minha estante. Chegou hoje e já o li. Quer dizer, fiz a primeira leitura, assim à pressa com vontade de perceber o que era isto, como é ler um romance gráfico. Ansiava tanto pela história como pelo formato ou pelo objecto em sim.

 

Deixem-me confirmar aquilo que já devem saber: nunca tinha lido um romance gráfico e a única BD que alguma vez me atraiu foi a do Quino. Mafalda rules, sempre. Tirando a Mafalda li alguma coisa (pouca) do tio patinhas e afins, do Tintim e do Asterix. Mais nada. Andava com vontade de aventurar neste género e perceber se poderei alguma vez ser leitora de BD. Digo-vos já que a resposta é um muito claro NÃO.

Vamos por partes. 

Este livro como objecto é muito bom. A capa é linda. Simples, poderosa, atrativa. Diz-me claramente: "não venhas ao engano, não sou um livro fácil, não esperes beleza, sorrisos ou luz." A capa, o papel, são perfeitos para este tipo de livro. Mas é uma edição Tinta da China, estranho seria não ser perfeita.

Sobre o formato é, para mim, muito difícil opinar. Como disse antes, percebo zero de BD. A minha sensibilidade visual é assim para o inexistente. A primeira coisa que me salta à vista são as cores. Acho que são eficazes para transmitir o medo, a angústia ou até a culpa. Senti, no entanto, falta das cores vibrantes de África. Pouco, muito pouco nestas imagens me situou na Guiné. Podia ser noutra guerra qualquer, noutro sítio qualquer. Esta história vive muito de sentimentos, de expressões e a verdade é que lá para o final (e não se esqueçam de que falo apenas da primeira leitura) conseguia reconhecer cada um dos personagens. Gosto muito das imagens deste livro (chama-se "arte", certo?).

Já quanto à história fiquei com um certo pé atrás. Este é um livro de 228 páginas e é demasiado parco em palavras para mim. Nada contra quem adora e provavelmente não seria tão eficaz de outra forma mas eu senti a falta das letras, das palavras. E se a verdade é que as imagens contam a sua própria história a verdade é que o discurso dos personagens não me convenceu. Faltam expressões, falta calão (só palavrões não chegam), faltam expressões idiomáticas. Não consigo identificar um único personagem pela forma de falar, um ou outro pelo conteúdo do discurso mas nem isso é fácil. Talvez eu não tenha razão e esse tipo de coisa não tenha cabimento neste tipo de livro mas... senti a falta das palavras. 

A balança entre imagem e palavra não me pareceu muito equilibrada. Apesar disso acho que os autores conseguiram passar a mensagem que pretendiam. Apesar da história ser bastante previsível e da "moral da história" não ser propriamente uma grande novidade, a verdade é que esta mistura de história de guerra e de filme de terror é interessante. 

Este livro, que vai fazer óptima figura na minha estante, não me afastou completamente do género mas também não me fez ter vontade de continuar  a ler romances gráficos.

 

 

publicado por Patrícia às 19:55 link do post
31 de Agosto de 2016

Os vampiros.jpg

 

É um romance gráfico. É lindo. Português. Da Tinta da China.

Autores multipremiados da saga Dog Mendonça e Pizzaboy, Filipe Melo e Juan Cavia voltam a colaborar num romance gráfico, desta vez sobre a guerra colonial.

Guiné, Dezembro de 1972.
Em plena guerra colonial, um grupo de soldados portugueses é destacado para uma operação secreta no Senegal. Porém, à medida que vão sendo consumidos pela paranóia e pelo cansaço, esta missão aparentemente simples vai transformar-se num verdadeiro pesadelo.
Embrenhados na selva, estes homens terão de confrontar sucessivos demónios – os da guerra e os que trouxeram consigo.

 

publicado por Patrícia às 15:32 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO