Ler por aí
 
26 de Junho de 2015


 

 

É por livros como este que eu leio. Sentimos cada injustiça, cada maldade, cada traição mas também cada gesto de amor, cada amizade. Viajamos até Barcelona medieval mas temos o privilégio de não sermos torturados pela inquisição e de não apanharmos a peste negra.

A história é a de Arnau mas também a de seu pai, Bernat Estanyol. Os dois, quando Arnau é ainda bebé, fogem na tentativa de escapar à crueldade do senhor de Navarcles, “dono” dos Estanyol, servos da gleba. A cidade escolhida para se esconderem é Barcelona: “Se se conseguir viver lá durante um ano e um dia sem ser detido pelo senhor ganha-se a carta de vizinhança e alcança-se a liberdade.”

Temos ainda o irmão adoptivo de Arnau, frade Joan. Um atormentado que deixou a sua alma ser comida pela religião fanática, o que é pena, porque foi uma personagem que gostei logo que começou a ler livros mas que se transformou num – e vou usar aqui uma das minhas palavras preferidas em espanhol – gilipollas.

No entanto, a cidade de Barcelona é uma das minhas personagens preferidas, orgulhosa, guerreira, livre e corajosa. O facto de reconhecer os locais mencionados só ajudou mais a ter adorado esta história em que ouvimos, vemos e sentimos a Catedral a crescer e a fazer parte da cidade e da vida das pessoas.

Todo o cenário histórico da história me pareceu bastante assertivo, no fim do romance o autor explica que se baseou em crónicas da altura, não sei se está correcto mas eu, em altura alguma duvidei da autenticidade histórica.

 

Quero voltar a Barcelona, já sei de cor o caminho para a Catedral de Santa María del Mar.

 

 
publicado por Catarina às 21:02 link do post
20 de Fevereiro de 2013


Este é mais um romance histórico que me deu imenso prazer ler. As expectativas eram altas, coisa de que gosto cada vez menos, pois este livro foi-me recomendado por pessoas cuja opinião geralmente coincide com a minha.
Gostei da estória e gosto da História do livro. Gostei dos personagens, gostei do facto de não serem perfeitos. Gostei da História da Barcelona medieval do séc XIV. Aprendi imenso.
Para quem já lei os "Pilares da terra" de Ken Follet é inevitável fazer um paralelismo entre esse e este livro. A construção de uma catedral como pano de fundo e algumas cenas aproxima-os. Mas a estória em si afasta-os. Já li os "Pilares da terra" há muitos anos mas parece-me que este livro de Ildefonso Falcones é mais ingénuo que, embora o afaste um pouco mais da realidade, a mim não me incomodou nadinha. 
Ao longo do livro é-nos contada a vida de Arnau Estanyol, uma força da natureza ou não tenha ele sido Bastaix parte da vida. Arnau cresce à medida que também cresce a Catedral do Mar (e das vezes que fui a Barcelona não visitei esta catedral, mas da próxima vez não me escapa) e juntamente, com uma fé inabalável, carrega em si marcas do tempo em que viveu, da sorte que teve, das consequências dos seus actos - para o bem e para o mal. Gostaria que algumas personagens tivessem tido um protagonismo maior. Francesca e Mar, por exemplo. 
A fé é uma constante ao longo de todo o livro. Foi a fé do povo que fez com que aquela igreja fosse erguida. Os sacrifícios e esforços por causa da Fé estão aqui expostos em pé de igualdade com as atrocidades cometidas em nome dessa mesma fé. A forma como algo puro é conspurcado pelo Homem e como o mal que advém se torna mais marcante e memorável faz-me pensar. 
Aliás todo este livro fez-me pensar. A dualidade de critérios, a injustiça,  a mania de superioridade de alguns, a hipocrisia que, de alguma forma, consigo compreender no Séc. XIV ainda está presente no Séc XXI.
Já conhecia alguns dos usos da época (como o do senhor ter direito a violar a noiva de um servo) mas outros eram-me desconhecidos: o Usatge si quis virginem, que dava o direito a um violador a simplesmente casar com a vitima e, voilá, ficar impune; a pena aplicada a Joana, mãe de Joan, por adultério, a cidadania dada a quem permanecesse em Barcelona por um ano inteiro.  Por outro lado adorei conhecer a Host de Barcelona e o via fora que convocava o povo em defesa de um cidadão.
A Inquisição inevitavelmente marca presença neste livro e na vida de Arnau. Não é um tema muito explorado mas é incontornável num livro que retrate esta época.

Para quem gosta de história vale bem a pena ler este livro (que também existe em livro de bolso), essa componente está bastante desenvolvida mas para quem gosta de uma estória bem contada este também é o livro certo. 




publicado por Patrícia às 16:51 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO