Ler por aí
 
19 de Junho de 2012


É recorrente a discussão à volta do preço dos livros. Confesso não saber quanto dinheiro gasto em livros por mês ou ano. Basicamente depende de quão resistente sou. Sim, porque tento sempre resistir ao impulso de comprar livros novos quando tenho tantos para ler. Claro que nem sempre á fácil resistir e por isso acabam sempre por aparecer livros novos lá por casa. Mas acho, como a maioria das pessoas, que os livros são demasiados caros.
Não concordo, no entanto, que o preço dos livros seja uma das razões pelas quais se lê pouco em Portugal (coisa com a qual concordo, ao contrário de muita gente). Para quem quer ler há imensas possibilidades e comprar é apenas uma delas. Senão vejamos: há sempre quem nos ofereça presentes (nem que seja apenas no Natal) e se souberem que adoramos ler vão certamente oferecer-nos livros (sabem que podemos trocar se já tivermos) principalmente se souberem que não os podemos comprar.
Há bibliotecas um pouco por todo o lado. Podem não ter o último grito da moda em termos de livros, mas literatura? Há muita por lá.
Amigos. Todos (mesmo os mais insociáveis de nós) os temos. E esses amigos têm livros. Experimentem emprestar os vossos e vão ver se eles que eles retribuem o favor.
Alfarrabistas. Por poucos euros consegue-se comprar livros ótimos. E são como as bibliotecas: podem não ter o último livro da saga do momento mas por lá podem encontrar-se verdadeiros tesouros. Bookcrossing e outros programas do género… As revistas, que por 1 euro vendem livros bastante bons (poderão não ter o visual mais apelativo, a melhor das revisões… mas quantos livros já compraram com gralhas?). E na internet podem encontrar-se inúmeros ebooks totalmente gratuitos. De forma totalmente legal podemos ler livros de novos escritores que os disponibilizam ou ir a loja online que têm sempre alguns ebooks totalmente gratuitos.

Porque os livros estão caros, os ebooks também e os audiobooks é melhor nem falar. E não me parece que isso mude. Aliás acho que a tendência é para piorar. Com o aparecimento dos livros de bolso (o que eu “chorei” por eles) parece-me que o fosso entre os preços destes livros com os outros aumentou. E os nossos livros de bolso são caros, caríssimos aliás. Rondam os 10/12 euros, que é/era o preço dos livros mais antigos ou de novos escritores.
Em sites como o bookdepository, os livros de bolso rondam os 6/7 euros e nem sequer se paga os portes de envio. Claro que podemos dizer que por cá temos que considerar os custos da tradução, mas nesse caso fica por explicar o excessivo custo dos livros em Português.

Outra coisa que me transcende é o preço das sagas de livros. Quando de um livro para o outro o preço “cresce” 5 euros parece-me um bocadinho demais (Como o livro da Sandra Carvalho da Saga das pedras mágicas). E o mesmo acontece com os livros “às metades”(exemplo máximo “As crónicas de gelo e fogo”). E com os preços dos livros velhinhos editados com novas capas (A senhora da editora ficou um bocadinho chateada comigo na feira do livro por causa dos livros das Brumas de Avalon que andam a ser vendidos como novidades- quando se pode encontrar as edições antigas a 5 euros). E mesmo depois disto tudo temos a noção de que os escritores ganham pouquíssimo.
Enfim, o importante é saber escolher o que ler, como ler para que tenhamos sempre bons livros na estante. 

publicado por Patrícia às 17:12 link do post
Fiquei surpreendida por encontrar a Guerra dos Tronos na biblioteca de Sintra. Tinha toda a colecção, mas como só tinha um exemplar de cada era difícil apanhar lá o 1º. Demorava tempo, mas era possível ler por ali e é uma colecção relativamente recente.
Fuschia a 20 de Junho de 2012 às 10:10
Também acho que o preço dos livros é desculpa... eu adoro ler e claro que vou comprando uns livrinhos mas também me emprestam alguns, faço trocas (como nós...) e existem alguns clubs de empréstimo de livros que também são ótimos. Temos de é investir principalmente nos mais jovens (e nos menos jovens também, claro..) e incentiva-los a ler, tentando cativa-los com o género de livros que mais lhes possa agradar. Porque para mim ler é ler, independentemente do tipo de livros...

Bjs e boas leituras
Maria Pereira a 20 de Junho de 2012 às 12:05
Olá Patricia,
Eu compro (agora menos) vou á Biblioteca Municipal que poa acaso fica em frente à minha casa, emprestam-me etc.
Devo dizer-lhe que os livros não são caros, eu é que cada vez ganho menos, mas isso é outra história, é o País que temos!!!
Em 2011 consegui ler 43 livros, queria chegar em 2012 aos 50!
E dificil mas não impossivel, pois alem de trabalhar, sou donada de casa, esposa e mãe.
Bjs
Dulce Barbosa
Dulce a 20 de Junho de 2012 às 17:15
Às vezes é uma surpresa mas é verdade que muitas das nossas bibliotecas têm uma óptima variedade de livros.
Chegaste a ler? Gostaste? Eu li os primeiros 7 antes de descobrir que eram 14 e resolvi esperar que estivessem todos escritos. Mas estou a pensar comprá-los no book depository. São muito mais baratinhos.
Boas Leituras.
Patrícia a 20 de Junho de 2012 às 23:50
Olá Maria. É verdade, há imensas forma de trocar livros (eu ainda acho que fiquei a ganhar).
E concordo que há que investir nos mais novos. Mas não me parece que esse investimento esteja a ser feito, nem por parte das editoras nem por parte da maioria dos pais. Eu sei que arranjar tempo é difícil mas parece-me que muito mais poderia ser feito (e digo isso pelos exemplos que tenho perto de mim). Por outro lado parece-me haver pouca escolha para uma idade crítica (10/12) sendo que a oferta não se alterou muito deste a minha altura e já lá vão uns bons 20 anos...
Parece-me que a Tv, a Wi e a playstation ganham (aos pontos) aos livros.
beijinhos
Patrícia a 20 de Junho de 2012 às 23:54
Olá Dulce,
La está, basta querer. E para quem lê bastante (43 é muiiito), com a nossa realidade, os livros são caros. Principalmente aqueles livros rápidos de ler. Eu passei anos e anos a reler livros, simplesmente porque não ia pedir mais 100 ou 200 euros por mês à minha mãe para comprar livros (e no entanto sempre foi uma prioridade que eu lesse) e porque não havia biblioteca na minha aldeia. Hoje penso em quantos livros teria lido se a minha realidade tivesse sido outra (a sério o número finito de livros que terei tempo para ler na vida preocupa-me).
Boas leituras
Patrícia a 20 de Junho de 2012 às 23:59
Concordo que os livros estão cada vez mais caros e o salário é cada vez menor, as contas para pagar cada vez mais elevadas. Uma boa solução é a que a Dulce referiu ir à biblioteca. Mas tem um senão pelo menos para mim, apesar de ter uma excelente biblioteca na minha cidade (Vila do Conde) eu gosto de colocar quando comecei a ler, sublinhar, parar a meio porque não apetece e voltar quando tiver vontade. Logo apesar de concordar com as leituras de livros da biblioteca, como tenho muitos por ler vou lendo os que por aqui andam que ainda são perto de 500.
Beijinhos;)~
Boas leituras!
Leitora a 22 de Junho de 2012 às 16:12
Ups admito a minha ignorância mas o que é book depository?
Beijocas;)
Leitora a 22 de Junho de 2012 às 16:14
Esqueci-me de referir uma coisa bastante importante pelo menos para mim, eu apesar de não ser professora da área das humanidades, sou de ciências, incentivo os meus alunos a ler e empresto muitos dos meus livros para eles poderem ler.
Beijocas;)
Leitora a 22 de Junho de 2012 às 16:17
Olá.
Por acaso não sou de tirar notas nos livros, mas compreendo que é muito mais agradável ter o próprio exemplar do livro que estamos a ler. Mas nem sempre há essa oportunidade.
Já vi o "desafio" do teu blog e hei-de participar :)
Boas leituras
Patrícia a 23 de Junho de 2012 às 13:55
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO