Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Ler por aí

Ler por aí

Quanto custa ler?


É recorrente a discussão à volta do preço dos livros. Confesso não saber quanto dinheiro gasto em livros por mês ou ano. Basicamente depende de quão resistente sou. Sim, porque tento sempre resistir ao impulso de comprar livros novos quando tenho tantos para ler. Claro que nem sempre á fácil resistir e por isso acabam sempre por aparecer livros novos lá por casa. Mas acho, como a maioria das pessoas, que os livros são demasiados caros.
Não concordo, no entanto, que o preço dos livros seja uma das razões pelas quais se lê pouco em Portugal (coisa com a qual concordo, ao contrário de muita gente). Para quem quer ler há imensas possibilidades e comprar é apenas uma delas. Senão vejamos: há sempre quem nos ofereça presentes (nem que seja apenas no Natal) e se souberem que adoramos ler vão certamente oferecer-nos livros (sabem que podemos trocar se já tivermos) principalmente se souberem que não os podemos comprar.
Há bibliotecas um pouco por todo o lado. Podem não ter o último grito da moda em termos de livros, mas literatura? Há muita por lá.
Amigos. Todos (mesmo os mais insociáveis de nós) os temos. E esses amigos têm livros. Experimentem emprestar os vossos e vão ver se eles que eles retribuem o favor.
Alfarrabistas. Por poucos euros consegue-se comprar livros ótimos. E são como as bibliotecas: podem não ter o último livro da saga do momento mas por lá podem encontrar-se verdadeiros tesouros. Bookcrossing e outros programas do género… As revistas, que por 1 euro vendem livros bastante bons (poderão não ter o visual mais apelativo, a melhor das revisões… mas quantos livros já compraram com gralhas?). E na internet podem encontrar-se inúmeros ebooks totalmente gratuitos. De forma totalmente legal podemos ler livros de novos escritores que os disponibilizam ou ir a loja online que têm sempre alguns ebooks totalmente gratuitos.

Porque os livros estão caros, os ebooks também e os audiobooks é melhor nem falar. E não me parece que isso mude. Aliás acho que a tendência é para piorar. Com o aparecimento dos livros de bolso (o que eu “chorei” por eles) parece-me que o fosso entre os preços destes livros com os outros aumentou. E os nossos livros de bolso são caros, caríssimos aliás. Rondam os 10/12 euros, que é/era o preço dos livros mais antigos ou de novos escritores.
Em sites como o bookdepository, os livros de bolso rondam os 6/7 euros e nem sequer se paga os portes de envio. Claro que podemos dizer que por cá temos que considerar os custos da tradução, mas nesse caso fica por explicar o excessivo custo dos livros em Português.

Outra coisa que me transcende é o preço das sagas de livros. Quando de um livro para o outro o preço “cresce” 5 euros parece-me um bocadinho demais (Como o livro da Sandra Carvalho da Saga das pedras mágicas). E o mesmo acontece com os livros “às metades”(exemplo máximo “As crónicas de gelo e fogo”). E com os preços dos livros velhinhos editados com novas capas (A senhora da editora ficou um bocadinho chateada comigo na feira do livro por causa dos livros das Brumas de Avalon que andam a ser vendidos como novidades- quando se pode encontrar as edições antigas a 5 euros). E mesmo depois disto tudo temos a noção de que os escritores ganham pouquíssimo.
Enfim, o importante é saber escolher o que ler, como ler para que tenhamos sempre bons livros na estante. 

13 comentários

Comentar post

Pág. 1/2