Ler por aí
 
03 de Maio de 2016

Pai Nosso.jpeg

 

Mas livrai-nos do mal

Amén

 

Ao contrário do que li por aí esta foi, para mim, uma leitura compulsiva. Tivesse tido tempo e teria lido este livro de uma assentada.

Não sei do que estava à espera mas não era disto. Fiquei presa a este livro nas primeiras páginas e não me cansei em nenhuma página. Nem a  (quase) total ausência de notas de rodapé, que tão necessárias teriam sido neste livro, nem a dureza das palavras ou a dificuldade em contextualizar nomes, lugares e acontecimentos fizeram esmorecer a vontade de persistir na leitura.

Não sou a maior fã da Clara Ferreira Alves, não concordo com ela inúmeras vezes e não sou uma leitora fanática das suas crónicas. Mas, sem dúvida, que este Pai Nosso me fez mudar, em parte, a opinião que tenho dela. 

Comprei este livro num impulso depois de ter ouvido a entrevista que deu ao Carlos Vaz Marques no Pessoal e Transmissível da TSF (tem um spoiler imenso, não aconselho a que oiçam antes de ler o livro - como raio é que um autor se descai daquela maneira é algo que não consigo compreender - infelizmente parece que está na moda). Mas sei que o iria comprar pela capa, pelo título. Capa magnífica. Só tem, para mim, um defeito. O nome da escritora está demasiado grande. Mas a verdade é que este é um livro da CFA. Juro-vos que "ouvi" este livro com a sua tão característica voz.

A história de Maria, uma fotógrafa de guerra conhecida como "O fantasma", é-nos contada na primeira pessoa. Com ela viajamos de Lisboa a Jerusalém, de Cabul a Londres. Com ela sentimos, amamos, odiamos. Pelos seus olhos conhecemos personagens inesquecíveis, reconhecemos personagens que de ficção parecem ter pouco, sentimos o cheiro do mar ou o calor do deserto. De guerra em guerra, de foto em foto, percebemos o que move aquela mulher e conseguimos imaginar no que pensa enquanto fuma um cigarro e bebe um copo de gin. 

Sim, é uma história sobre terrorismo. A guerra chegou à Europa. A maioria de nós lembra-se de tudo (mesmo que apenas menos do que um pouco de tudo) desde a Guerra do Golfo até aos ataques do Daesh que marcam o nosso presente. E este livro veio relembrar-nos, preencher lacunas, questionar-nos uma e outra vez. E mais uma ainda. E contar-nos, não uma, mas muitas histórias.

 Clara Ferreira Alves não perde o tom de jornalista, de cronista mas atinge, enquanto romancista, a voz que eu prefiro ouvir. Sempre gostei de aprender nos livros. De partir da ficção para a realidade. Ou da realidade para a ficção. Neste livro, ambos acontecem.

Rendi-me.

 

 

 

 

publicado por Patrícia às 12:32 link do post
É a " Maior ", mas eu sou suspeito. Adoro-a. O livro prende e está escrito de uma forma nada enfadonha. Cativa facilmente. Ela tem uma grande vantagem, os seus anos de repórter de Guerra - talvez o meio jornalístico mais difícil de fazer. Gostei muito do teu texto também. Beijinho e boas leituras.
Vasco Ribeiro a 3 de Maio de 2016 às 13:18
Olá
depois desta sua opinião quase de certeza que vou ler este livro, pois li Gente Feliz com lágrimas tal como aconselhou e gostei imenso, e além disso são autores portugueses.
Bjs
Dulce Barbosa a 4 de Maio de 2016 às 17:14
Fico tão feliz por saber que alguém leu um livro por causa de um texto meu :)
Obrigada
Boas leituras
Patrícia a 5 de Maio de 2016 às 13:36
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO