Ler por aí
 
08 de Janeiro de 2016

Depois do meu post anterior e da interessante conversa que se gerou nos comentários (isto é mesmo o melhor dos blogs) acabei por ficar a pensar na questão desenvolvida neste artigo (obrigada pela partilha numadeletra):

Kids Should read whatever they want, whenever they want” ou seja “os miúdos devem ler o que querem, quando querem

A minha primeira reação é dizer “NÃO”, não devem. Há imensos livros que não são adequados para todas as idades, há livros que os putos de determinadas idades não vão perceber, há livros que não ensinam nada, faz parte da responsabilidade de pais (professores e afins) orientar as leituras dos miúdos, ajudando-os a escolherem os adequados e aqueles que os poderão ajudar a crescer e a tornarem-se (boa) gente.

Mas depois penso na minha própria experiência e tenho que repensar isto tudo.

Sempre gostei de ler. Os meus pais davam-me regularmente livros e tinha acesso às estantes das minhas primas que me aconselhavam e emprestavam os livros que as tinham marcado quando tinham a minha idade. Ia a bibliotecas itinerantes (menos vezes do que as que gostaria) e no Natal ou no meu aniversário era aceite por todos que livros era a melhor coisinha que me podiam oferecer.

Mas eu adorava ir enfiar o nariz nas estantes alheias e volta e meia descobria livros que me interessavam. Várias vezes me disseram: ainda não, esse livro não é para a tua idade e obviamente aquele livros eram lidos nos dias/semanas seguintes. Era deixá-los esquecer o meu interesse, ir lá e ler.

Por motivos que não são para aqui chamados, a minha mãe ia olhando para os livros que eu lia, perguntava-me sobre o que eram mas não tinha tempo para muito mais do que isso. Não os lia ela mesma e muitas vezes nem se apercebia do que eu estava a ler (eu vivia/estudava fora e mesmo quando estava em casa passava muito tempo sozinha - a casa é grande, o quintal e a aldeia também e eu lia em todo o lado). Ela tentava orientar-me (“como nunca leste Júlio Dinis?”, “Porque é que não lês livros de autores Portugueses?”,”Anna Karénina foi o meu livro favorito de todos os tempos”, “tens tanta coisa na estante que não leste… como é possível dizeres que já não tens nada por ler?”) mas a verdade é que (bendita seja) me deu rédea solta em relação às leituras e eu tanto lia os livros da Patrícia como saltitava entre o “Os filhos da Droga” e o “O Conde de Monte Cristo”. Se não fosse essa liberdade talvez nunca tivesse lido Pearl S. Buck ou Alexandre Dumas, talvez não me tivesse apaixonado por Isabel Allende ou descoberto Christian Jack. Talvez não tivesse lido tanto livro mauzinho. Talvez não tivesse lido romances românticos até enjoar. Talvez não soubesse que o filme “Música no coração” acaba na antes da página 70 do livro em foi baseado e que este tem umas 500 páginas. Talvez não tivesse lido sobre droga a ponto de ficar sem qualquer interesse em experimentá-la. Talvez não fosse a leitora que sou hoje. Não seria certamente a pessoa que sou hoje.

Espero que as miúdas de 12 anos não andem a ler as cinquenta sombras e não cresçam a pensar que aquilo é um relacionamento sexy e divertido mas a verdade é que se as miúdas de 12 anos puderem escolher as suas próprias leituras e escolherem ler Henry Miller, Anais Nin ou MEC possam, mesmo sem perceber tudo – ou nada – crescer a saber que há mais literatura do que aquela que nos é impingida pelos “mercados” e que tenham curiosidade para ler mais e mais, aprender e crescer.

Há livros que nunca vou oferecer aos meus filhos, há livros que (provavelmente) vou tentar evitar que leiam em determinadas alturas da vida mas espero, acima de tudo, que leiam o que quiserem, que sejam imaginativos o suficiente para querer ler mais, melhor. Porque mais perigoso para a mente em formação do que ler algo desadequado é não ler de todo.

publicado por Patrícia às 15:08 link do post
Olá, através do blog da Ana cristina Leonardo cheguei aqui. permite-me que copie o seu texto sobre as leituras que as crianças podem fazer? obrigado Vitorino
vitorino a 8 de Janeiro de 2016 às 17:43
Olá Vitorino,
Claro que sim. Tenha, pf, em atenção que este texto é apenas uma opinão pessoal e que não tenho qualquer qualificação pedagógica em qualquer área ligada ao ensino ou sequer à literatura. Sou apenas uma leitora.
Boas leituras
Patrícia
Patrícia a 8 de Janeiro de 2016 às 18:33
Olá Patricia,
Como é que eu nunca li musica no coração? a serio tem 500 pag.?
Quando era miúda os livros que havia em casa eram da colecção RTP, e li bastantes, claro que orientada pelo meu irmão, mas bastava ele dizer que não podia ler determinado livro, que mal se ausentasse eu lia-o logo.LOL "O fruto proibido é o mais apetecido" foi assim que li o ultimo tango em Paris e não percebi patavina.Li outros com autorização - os filhos da droga, Papilon, doutor Jivago, o Prémio e tantos outros .... mas como o mano é grande fã de Eça de Queiros, li quase todos os livros dele e adoro.
Neste mês de Fevereiro (o "mai" lindo do ano - é meu aniversário) fiz um desafio a mesma ler clássicos e comecei por Guerra e Paz e estou a gostar muito e já está na calha e tudo o vento levou.
Bjs
Dulce Barbosa a 10 de Fevereiro de 2016 às 13:21
Não sei se tem 500, pelo que me lembro até terá mais :)
Acho que ler livros antes da hora sem se perceber patavina noa ajuda a crescer, faz de nós melhores leitores. Li vários assim :)
Olha Fevereiro também é o mês do meu aniversário, é óptimo em relação a livros. Também quero ler o Guerra e paz este ano (e mais alguns clássicos)... a ver se consigo.
Beijinhos e boas leituras (e Parabéns, quando for hora disso)
Patrícia a 10 de Fevereiro de 2016 às 20:09
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO