Ler por aí
 
27 de Maio de 2016

Não passa ao lado de ninguém. E não há (que eu saiba) caso igual em Portugal. Só o nome, ou a piscadela de olho, causa excitação ou urticária. Com igual intensidade. Amor e ódio. Não há entrevista, livro ou sucesso (ou tiro no pé) que não seja polémico.

Chega a ser divertido assistir de camarote aos elogios e às críticas. E não é fácil ficar-lhe indiferente. Eu sei que não lhe sou indiferente, a ele e ao seu personagem Tomás Noronha, o meu ódio de estimação (é ele e o Jack Gil, mas isso são contas de outro rosário).

A verdade é que não interessa se a elite da literatura (e quem quer imaginar pertencer a essa elite) acha que ele escreve mal, se os seus livros são bons ou maus, se não se lhe pode chamar escritor. A verdade é que ele põe imensas pessoas a ler. E vende livros como ninguém por terras lusas.

Há gente que assume que lê cada livro assim que é lançado, que gosta e que admite não ler mais nada.

E é demasiado simplista considerar que este sucesso se deve apenas a uma excelente campanha de marketing. Tal como é demasiado arrogante atribuir o sucesso à fraca qualidade da escrita. E demasiado triste atribui-la à fraca qualidade dos leitores.

Da mesma forma que é exagerado chamar-lhe “o melhor” escritor vivo, também o é chamar-lhe “o pior” ou não o aceitar de todo como escritor.

E, se até consigo compreender que haja grupos de leitores fãs e/ou de haters, o que faz mesmo confusão é a guerra cerrada (ou camuflada) que vem de outros escritores. Podem ter toda a razão do seu lado, podem falar com conhecimento de causa mas ao desprezarem o escritor que mais vende estão a menosprezar leitores e minar a sua própria posição.

Sim, toda a gente pode e deve ter a sua opinião. Eu também tenho a minha. E podem dá-la, claro. Mas há que ter conta, peso e medida. Ou corremos o risco de uma crítica, que até podia ser construtiva, passar apenas por inveja ou embirração.  

 

publicado por Patrícia às 09:04 link do post

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
subscrever feeds
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

virginia woolf

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO