Ler por aí
 
02 de Janeiro de 2015


Tudo começou em Janeiro de 1Q84. Eram dias e noites estranhos, noites com duas luas no céus enquanto no dia brilhava apenas um Meio-sol Amarelo. Descobri que não sabia bem onde estava, o mundo era uma espécie de Roda e subitamente era como se não tivesse ainda vivido uma vida e tudo eram Primeiras Coisas. Não tive outra hipótese senão ficar no Hotel Memória onde à janela me perguntava afinal Que importa a fúria do mar Quando o Cuco Chama
Ainda tentava perceber o que me tinha acontecido quando, numa comunidade de leitores, conheci uma Americanah que no meio da mais estranha conversa da minha vida me contou a história d'A segunda morte de Ana Karénina
A verdade é que continuava presa em 1Q84. Nesta altura já só queria voltar para o meu mundo, aquele onde Tudo são histórias de amor. Seria preciso um Mal Nascer para reviver a A última noite em Lisboa? Ansiava por escrever a  minha história, a nossa Biografia involuntária dos amantes mas em vez disso pedia, por favor,  Por favor não matem a cotovia. Sentia que estava a viver uma vida que não era a minha, uma Vida Roubada.
A cor do Hibisco inundou a minha vida só para que pudesse esquecer que havia Sangue Vermelho em campo de neve.

Foi sem intenção, apenas porque estava na moda, que decidi jogar O jogo de Ripper  sem pensar nas consequências. Dizem que sebastião nunca mais foi visto depois disso e que Jesus cristo bebia cerveja  para tentar esquecer que o seu amigo está perdido Em parte incerta. Continuo a acreditar que os culpados foram Os demónios de Álvaro Cobra que esconderam o desgraçado em Shadowfell. Apesar de todos os pedidos (e fizemos bastantes) A sentinela  não nos deixou entrar e procurar porque No céu não há limões. Não desistimos e continuamos Em busca do carneiro selvagem

O retorno à minha realidade era cada vez mais improvável, estava já a desesperar quando O feiticeiro e a Sombra  que sempre o acompanhava me aconselharam a ir assistir à peça de teatro A instalação do medo que estava em cena n' Os túmulos de Atuan. Para lá chegar segui A viagem do Elefante, um bicho estranho e enorme que só se alimentava a Bifes mal passados mas que tinha o mapa do tesouro, que é como quem diz, GPS para me conduzir ao destino. Não era só eu nesta vigem. Ali conheci gente diferente e interessante. Imagem lá que até fiquei a saber a A história de uma serva famosa num outro universo. Em boa hora aceitei o conselho de ir a Atuan porque quando lá cheguei encontrei O meu irmão à espera para me ajudar a regressar e finalmente fiquei a conhecer o caminho para me levar a Galveias, ao meu mundo, a casa. Não voltarei para A cidade do medo, nem retornarei às aventuras naquele mundo de duas luas e um meio-sol, prefiro ficar aqui, em casa, neste tempo sem surpresas, neste tempo morto. Mas com a certeza que  O tempo morto é um bom lugar.
publicado por Patrícia às 12:30 link do post
Tão giro! ;)
Denise a 2 de Janeiro de 2015 às 13:16
Muito imaginativo! :D
WhiteLady3 a 3 de Janeiro de 2015 às 13:56
Fantástico.
Bom ano com otimas leituras.
Bjs
Dulce a 5 de Janeiro de 2015 às 11:42
Olá!!

Giro e muito criativo! Gostei muito!

Beijinhos e boas leituras!
Isaura Pereira a 5 de Janeiro de 2015 às 21:56
Adooooooooro este teu post anual!
Andorinha a 15 de Janeiro de 2015 às 16:03
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO