Ler por aí
 
11 de Agosto de 2013

 

 
Jogo-me para fora de pé e começo pelo único Nobel da Literatura português.
Sou uma leitora muito tardia do tio Saramago, tenteipor várias vezes ler o “Memorial do Convento” e não passava do primeirocapítulo. Fazia-me confusão o Sr. não usar uma pontuação como deve de ser,daquela aprendida na escola. Escrever como quemvai a correr cheio de pressa sem pontos sem vírgulas sem nada sem deixar umespacinho para respirar pelo menos nas "falas" colocar um travessão emudar de linha para sabermos quem é quem e mesmo assim fazer sentido a contaruma história não é para todos. E não era para mim ler este livro, por isso devolvi o Memorial a quem mo tinha emprestado e não pensei mais no assunto(mentira, isto ficou a remoer-me um bocado mas aprendemos a seguir em frente).Entretanto o Sr. Saramago foi escrever para a freguesia do infinito e maisalém, e eu pensei para mim própria: - CG és um ovo podre se não lês, pelomenos, um livro do único escritor português prémio nobel da literatura. Recorri à mesma amiga que me tinha emprestado oMemorial e ela cedeu-me temporariamente “As Intermitências da Morte”, que li emduas tardes de praia e adorei. Adorei logo a primeira frase - "No dia seguinteninguém morreu”. Adorei o sentido de humor irónico, que não sabia que oSaramago tinha. Adorei a crítica à sociedade em que vivemos, a maneira comodescreve as reacções dessa mesma sociedade se simplesmente as pessoas, todas aspessoas, não morressem, nunca. Adorei tanto que devolvi “As Intermitências da Morte”e trouxe emprestado o “Todos os Nomes”que li e também gostei, não adorei porque o Sr.José, escriturário, é superdeprimente. E novamente voltei a pegar no “Memorial do Convento”. Que li, finalmente, eque passou a ser um dos meus livros favoritos. O convento de Mafra é apersonagem principal, há ainda o padre maluco com a sua passarola, Portugal notempo da inquisição mas, a história fantástica de Baltasar Sete-Sóis e BlimundaSete-Luas é um dos romances mais espectaculares que já li. Entretanto já devolvi o“Memorial” emprestado e comprei a “História do Cerco de Lisboa”. Ainda nãopassei do primeiro capítulo.
 
 
publicado por Catarina às 16:04 link do post
A minha história com Saramago também não é perfeita. Nunca li o Memorial do convento, coisa que a minha mãe diz que é uma vergonha, li o "Ensaio sobre a cegueira", não me dei bem com a pontuação - mas adorei o filme-, li o Evangelho segundo Jesus Cristo, porque gosto de polémicas e decidi que estava arrumada com o Saramago. Mas mamãe é fã e praticamente obrigou-me a ler o Caim. Surpreendentemente gostei. E basicamente tenho todos os livros do senhor (mamãe é fã) e portanto quando quiseres algum avisa (ou melhor vai ao Algarve buscá-los que é por lá que eles estão :) )
Patrícia a 11 de Agosto de 2013 às 17:33
Para mim isso da pontuação é uma falsa questão...As pessoas prendem-se demasiado a esse aspecto e deixam que isso condicione a sua percepção da história, mas na verdade não é nada do outro mundo. Quando li o memorial do convento fez-me confusão os primeiros capítulos depois foi uma questão de habito...É uma forma de escrever que assenta na oralidade. É um dos meus autores preferidos...

cumps :)
Sara a 11 de Agosto de 2013 às 22:31
CG eu sou um ovo podre!!
Ainda não consegui com pena minha ler Saramago.
Tenho "agendado" o Memorial do Convento à imenso tempo.
Bjs
Dulce
Dulce a 12 de Agosto de 2013 às 13:17
Dulce,

Não desistas! tens aqui pelo menos 3 pessoas que te dizem que vale a pena : )
CG a 12 de Agosto de 2013 às 21:41
Sinceramente Saramago é daqueles autores que ainda não me conseguiu cativar e que continuo a adiar e a adiar.
Quem sabe um destes dias não faço a mesma experiência e pode ser que serulte! :D
Boas leituras
nuno chaves a 12 de Agosto de 2013 às 23:08
* resulte :D
nuno chaves a 12 de Agosto de 2013 às 23:32
"As Intermitências da Morte" edição de bolso BIS da Leya por 5.95 euros, uma pechincha : )))))
CG a 15 de Agosto de 2013 às 20:26
JOSÉ SARAMAGO é o melhor escritor português depois de Camões (ponto final)

MEMORIAL DO CONVENTO a melhor história de amor que li até hoje, é verdade, repito, a melhor história de amor que li até hoje!

Essa da pontuação é conversa da treta, se não gostam por causa da pontuação então continuem a ler o Nicholas Sparks, essa das Sombras de Grey, o Dan Brown, a Margarida Rebelo Pinto, a Sveva não sei quantos e outras que tais...
SEVE a 4 de Setembro de 2013 às 11:59
Caro/a SEVE,
aqui neste blog fala-se de livros e emite-se opiniões acerca de livros - não de outros leitores.
Não percebo o seu comentário (mas admito perfeitamente que fiquei "cega e burra" com o "tom") porque não houve ninguém a falar mal de Saramago, houve sim uma troca amigável de experiências com as leituras dos livros do senhor. Mas para que possa pensar ou falar mal de mim à sua vontade e onde quiser (mas não neste blog, que assumidamente não deixo que falem mal de nós na nossa própria casa) digo-lhe que não sou a maior fã de Saramago e que não tenho vergonha alguma nisso. Vergonha teria de dizer que o contrário só para ser literariamente correcta.
Quanto ao ler Nicholas Sparks, já li e não gosto, o Dan Brown já me proporcionou horas de óptima leitura , sou indiferente à Margarida Rebelo Pinto e também já li Sveva à qual também sou indiferente. E irei ler os livros destes e doutros escritores sempre e quando me apetecer. Ah e gosto bastante de Camões. E se quiser uma lista dos outros autores que leio e gosto (ou não) é só consultar a página ao lado.

Boas leituras

(CG, desculpa lá meter-me ao barulho...)
Patrícia a 4 de Setembro de 2013 às 12:21
Estou aqui como a Pat e não percebo ...
Não percebo os escritores escolhidos para comparação, e não percebo "essa da pontuação é conversa de treta" porque quem abre um livro do José Saramago, qualquer livro, ao calhas vai ver linhas e linhas seguidas de palavras o que é fora do vulgar e à partida não tão fácil de ler. Se vale a pena? então não vale! se ler bem o meu post vai ver qual a minha opinião sobre esse assunto.
Mas tenho de voltar aqui à comparação com os outros escritores, primeiro escolheu todos os que são best-sellers mas acho que o Saramago ganha porque tem um Nobel, certo? e depois se os escolheu porque são mais fácil de ler aí acertou em cheio, eu posso dizer que do Nicholas Sparks li "As Palavras que nunca te direi" e gostei, puxa ao sentimento, depois percebi que os restantes são todos mais ou menos iguais, as "Sombras de Grey" não li mas tb não vou perder tempo - pornografia sem imagens aborrece-me, do Dan Brown li "O Código Da Vinci", "Anjos e Demónios" e ainda li o "Digital Fortress", a partir de agora é tudo igual, siga, Margarida Rebelo Pinto já foi uma autora assídua da minha estante quando estava nos meus 20 anos e ainda conservo o "Sei lá" e o "Não Há Coincidências" que foram originais na altura, novamente deixei de ler porque é tudo mais do mesmo e a rapariga está uma chata de primeira. E a Sveva refere-se à Sveva Casati Modignani? Pois tb já li sim senhor, tenho uma amiga que é fã e me emprestou para eu ver como era, li um livro e novamente é o "been there done that". Como vê já li praticamente de tudo senão como sabe se gosta ou não? E depois eu acho que as pessoas devem ler sempre e muito se forem destes autores que mencionou tb está bem, não seja snob. Eu posso dizer que destes autores que mencionou não tenho intenção de ler mais nenhum livro agora do Saramago pode apostar que vou ler mais concerteza.

CG a 4 de Setembro de 2013 às 19:57
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO