Ler por aí
 
02 de Fevereiro de 2014

Aviso já que este post tem “estragadores”. Querem saber se o livro vale a pena? Sim! Vão lê-lo.
Gostei de tudo neste livro, da história, da forma como está escrita, da personagem principal a Rosa, da capa e também do autor que, ao vivo e a cores, é um contador de histórias espectacular, fiquei fã e com vontade de ler todos os outros livros dele.
A maneira como é descrita o primeiro encontro dos pais da Rosa, a mãe uma arqueóloga e o pai um homem do campo alentejano é bem boa. A comparação das mãos do pai da Rosa, mãos cheias de alfaces plantadas e de açoites nos cães, com os dedos das mãos dos ex-namorados finórios da mãe que eram como os seus cabelos molhados acabados de lavar, é uma maravilha.
Todas as personagens têm a sua história. O professor Borja e o caseiro Rato que têm uma guerra aberta por causa do muro branco pintado com versos a preto. O Alípio que serve como o tonto da aldeia. O padre que gosta de apanhar açoites no rabo. A inglesa ricaça e esquisita, Miss Whittemore, que dorme numa cama feita da ossada de uma baleia. O pastor Ari que gosta da Rosa desde que são miúdos mas que temos logo ali a sensação que não vão acabar juntos.
A Rosa, uma miúda pobre do Alentejo, que guarda pedrinhas apanhadas nos bons e nos maus momentos e as chupa como rebuçados quando se quer lembrar desses momentos, a miúda que lê livros de cowboys que eram do pai e que tem de ir trabalhar para a casa de uns senhores ricos para sustentar a avó já velha e doente. A avó Antónia que quer, antes demorrer, ir visitar Jerusalém. Rosa como não tem dinheiro para a viagem resolve trazer Jerusalém ao Alentejo com a ajuda de todos da aldeia incluído a meretriz do bordel, em forma de avião, lá do sítio.
A casa de Miss Wittemore é decorada para ser o centro de “Jerusalém” e é aqui que tudo acontece. Há uma reconstrução da última ceia e ficamos a saber que Jesus Cristo bebia cerveja que é o pão líquido. O professor parece que vai pintar o muro e deixa Alípio no seu lugar, o pastorAri vai matar o professor que anda a dormir com a Rosa mas encontra o Alípio, e afinal o professor vai escrever no quarto da inglesa e a Rosa que está grávida mata os dois, a inglesa e o professor e diz a todos que foi o professor que matou a inglesa e depois se suicidou. Estava calmamente a ler uma história sobre uma miúda do Alentejo ...

 

O único senão que encontrei foi o fim da Rosa. Não que ache mal ela ter terminado como prostituta em Lisboa, morta aos 40 anos de uma doença venérea, sozinha, porque a vida é mesmo assim uma treta e depois morre-se. Ao menos podia ter sido a prostituta mais conhecida de Lisboa com o seu próprio bordel em forma de Saloon só para ligar com os livros das histórias de cowboys que lia quando era cachopa.
publicado por Catarina às 20:43 link do post
não vou ler nada não vou não vou não vou, que eu quero ler o livro rapidamente :P
Fuschia a 3 de Fevereiro de 2014 às 10:05
Olá Catarina, parabéns pelo post sobre a leitura deste livro, de facto devo ser a única alma que ainda não o leu.
Ainda não li nada de Afonso Cruz, mas é um autor que irei ler com certeza este ano, pois só oiço opiniões maravilhosas sobre os seus livros.
Irei começar por este Jesus Cristo,

nuno chaves a 4 de Fevereiro de 2014 às 23:43
Olá Fuschia, e depois de o leres passa por aqui a dizer o que achaste : )
CG a 9 de Fevereiro de 2014 às 00:32
Olá Nuno, eu neste primeiro livro fiquei totalmente fã do Afonso Cruz, tenho no monte por ler "A boneca de Kokoschka" a ver vamos como corre : )
CG a 9 de Fevereiro de 2014 às 00:38
Olá,

tenho um blog sobre a historicidade de Jesus:

http://quem-escreveu-torto.blogspot.pt (http://quem-escreveu-torto.blogspot.pt)

Obrigado
Paulo Jorge Ramos a 9 de Março de 2014 às 01:27
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO