Ler por aí
 
28 de Fevereiro de 2017

1507-1.jpg

É inevitável ter alguma curiosidade em relação a mais um livro no universo de Harry Potter. Fiz questão de baixar as expectativas em relação a este livro uma vez que, não me interessa o que está escrito na capa, este NÃO é um livro da colecção Harry Potter. Se o fizesse seria impossível não detestar, não desiludir. Mas este livro merece, ao menos, ser julgado pelo que é: um fanfiction* autorizada por ser na realidade o guião de uma peça de teatro baseada na colecção.

Seja por razões económicas ou simplesmente para querer dar um doce aos fãs, a verdade é que publicar isto como "a oitava parte da história" foi um erro monumental (ok, admito que todos os envolvidos - excepto os leitores - pensem de forma diferente uma vez que este livro vale muito mais do que o seu peso em ouro).

Mas olhemos para este livro como o que é: fanfiction em forma de guião.

Assim não é má de todo. Um dos grandes problemas é que é impossível reconhecer os protagonistas da série aqui: Harry, Hermione e Ron nunca se tornariam nestas pessoas (o que fizeram ao Ron, então, é ridículo) e isso retira a credibilidade toda à coisa. Mas numa fanfiction (não é por acaso que repito esta palavra até à exaustão) não é imperativo reconhecer os protagonistas - aliás, por definição, numa fanfiction tudo é possível.

Portanto, retiremos o que sabemos das personagens e analisemos as novas: Albus, Delphi e Scorpius.

Albus não me cativou e a culpa é de tudo o que sei sobre Harry Potter e a sua trupe. É impossível que Albus saísse daquela família. Teria funcionado se Albus fosse que se se espera de um herdeiro do HP, se fosse uma peste mimada, se fosse um puto execrável e com mania de que era bom mas nunca, nunca seria assim. Ou então o Harry enganou-nos bem durante 7 livros.

Delphi até podia ser interessante mas não faz muito sentido ter passado despercebida até à idade adulta...

E por fim, Scorpius.

Scorpius é a razão pela qual este livro até faz algum sentido. Eu sou menina para ler um livro inteiro sobre as aventuras de Scorpius. Esqueçam tudo o resto e concentrem-se na história e na personalidade do filho de Draco Malfoy.

O verdadeiro presente que JK Rowling nos dá neste livro é a possibilidade de conhecer um personagem complexo o suficiente para realmente pertencer ao mundo Harry Potter. Tudo o resto neste livro foi "para encher chouriços"...

 

* Para quem não sabe uma fanfiction é, basicamente, uma narrativa escrita por fãs com personagens/locais de um outro livro.

publicado por Patrícia às 06:00 link do post
Eu ainda não o li precisamente porque penso que vai ser uma desilusão.. Já o folheei umas quantas vezes, mas não me cativou.
Beijinhos
Chic'Ana a 28 de Fevereiro de 2017 às 08:45
É necessário um grande distanciamento em relação à série HP.
Sinceramente não perder nada
Boas leituras
Patrícia a 28 de Fevereiro de 2017 às 11:49
Então nem o vou comprar!
Chic'Ana a 28 de Fevereiro de 2017 às 11:56
Eu não comprei, o meu primo emprestou-me. Vai um dia a uma biblioteca, com umas horas para gastar, e lê. "Matas" a curiosidade.
Patrícia a 28 de Fevereiro de 2017 às 13:02
Também achei que o melhor foi o Scorpius e conta-me também como menina para ler as suas aventuras. :D
Agora o resto... Felizmente consegui distanciar-me. Nunca o vi como a oitava parte da série e cada vez que o diziam eu corrigia a pessoa a dizer "não é o oitavo livro, é uma peça de teatro, é completamente diferente" e acho que por isso ainda consegui desfrutar de regressar, por instantes, aquele mundo. Mas sim, tem muito de fan-fiction e revirei os olhinhos com a reviravolta da Delphi.
Carla B. a 1 de Março de 2017 às 23:16
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO