Ler por aí
 
20 de Fevereiro de 2016

 

 

Screen Shot 2016-02-14 at 21.38.44.png  451 50 anos.jpg

 

 

Não sei de quem foi a ideia peregrina de ler este livro na versão brasileira, pois é... se calhar fui eu que me entusiasmei com o facto de ser só um euro numa Sebo de Curitiba.

A verdade é que me estava a enervar o facto de, ao ler o livro, só imaginar uma série de TV com “dublagem Herbert Richers”. Não estou a dizer que a tradução brasileira não seja boa, é com certeza, mas neste caso não é para mim.

Empunhando o bocal de bronze, a grande víbora cuspindo seu querosene peçonhento sobre o mundo, o sangue latejava em sua cabeça e suas mãos eram as de um prodigioso maestro regendo todas as sinfonias de chamas e labaredas para derrubar os farrapos e as ruínas carbonizadas da história. Na cabeça impassível, o capacete simbólico com o número 451 e, nos olhos, a chama laranja antecipando o que viria a seguir, ele acionou o acendedor e a casa saltou numa fogueira faminta que manchou de vermelho, amarelo e negro o céu do crepúsculo.

… enquanto os livros morriam num estertor de pombos na varanda e no gramado da casa.

 

Encontrado o mesmo livro em versão original, releio desde o princípio e é como se fosse um livro diferente logo à primeira página, até me chamuscou as bochechas.

...

With the brass nozzle in his fists, with this great python spitting its venomous kerosene upon the world, the blood pounded in his head, and his hands were the hands of some amazing conductor playing all the symphonies of blazing and burning to bring down the tatters and charcoal ruins of history. With his symbolic helmet numbered 451 on his stolid head, and his eyes all orange flame with the thought of what came next, he flicked the igniter and the house jumped up in a gorging fire that burned the evening sky red and yellow and black.

... while the flapping pigeon-winged books died on the porch and lawn of the house.

 

Confesso que sempre que leio clássicos fico com um pé atrás mas este, ao contrário de outros (desculpa Kerouac, desculpa Joyce), não me deixou ficar mal. Embora tenha sido escrito há mais de 60 anos a forma como está actual hoje em dia é maquiavélico e assustador. Se o autor não conseguiu imaginar os telemóveis e ainda fala em cabines telefónicas, imaginou as caixas multibanco, o desaparecimento dos jornais escritos em papel, continuação de guerras e os ecrãs gigantes em cada casa, a estupidificação das pessoas com programas rasca continuamente a passar nesses ecrãs.

A escrita é vívida, transporta-nos na história, o calor de tantos livros queimados aquece-nos e faz-nos ter medo. Seguimos o bombeiro Guy Montag na sua evolução de queimador de livros para fugitivo possuidor de livros e no final, a forma encontrada para fazer persistir os livros, senão na sua forma original mas numa alternativa, é muito engenhosa.

 

Conseguem imaginar? Se todos os livros fossem queimados da face da terra?

 

publicado por Catarina às 20:57 link do post
Reli este livro no verão passado e, mais uma vez, encantou-me. Não consigo imaginar-me a viver num mundo sem livros...
Magda L Pais a 21 de Fevereiro de 2016 às 23:14
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO