Ler por aí
 
25 de Julho de 2014

Este ano li 23 livros, 10 dos quais de autores Portugueses(43,48%), 6 foram-me emprestados (26,09%), 6 foram ebooks (26.70%) e 2 foram emlíngua estrangeira (8,70%).
O que gostava de destacar é que 43% dos livros que li foramde autores Portugueses. Não é um mau número mas não é, também, um bom número paramim. O meu objetivo é que, pelo menos metade dos livros que leio seja deautores Portugueses. Depois quero que os autores lusófonos estejam em grandemaioria na minha lista de livros lidos, mas este é um objetivo ainda em construção.
Quero ler autores Portugueses por vários motivos:
1.   Porque gosto.Temos excelentes escritores e cada vez gosto mais de os ler.
2.   Sou Portuguesa e gosto de saber o que por cá seescreve. Só o posso saber se ler.
3.   Sou Portuguesa e acho triste que os estrangeirossaibam mais acerca do que por cá se escreve do que eu. Sinto mais orgulho nos nossos escritores que nosnossos jogadores de futebol (e não conto como escritores os jogadores defutebol que escrevem livros - mas isto já é o meu mau-feitio a falar)  
4.   Porque Gosto. Já tinha dito isto mas nunca édemais reforçar que, efetivamente, seescreve muito bem por cá.
5.   Sou leitora e sou Portuguesa. Sinto cada vezmais responsabilidade em relação aomundo editorial Português: nós estamos para o mundo editorial como “os mercados”estão para as finanças. Na realidade é o que nós queremos, o que a maioria denós quer (e querer significa comprar) é o que as editoras editam (e o que sevende por aí diz mais de nós que das editoras). O problema é que nós optamos,muitas vezes, por comprar lá fora, ler o que vem de fora só porque é maisbarato e esquecemo-nos que estamos a construir o nosso próprio futuro literário.
 Outro número que destaco é que ¼ doslivros que li foram em formato eletrónico. Os ebooks que li em Português, comprei. Nãocompro mais porque há pouca coisa em PT/PT mas, tal como referi no ponto 5, senão comprarmos ebooks como podemos exigir que eles sejam editados? São carosdemais? Sim, são. Ainda são um bocadinho maltratados? Sim, são. Mas eu gosto,dão-me jeito e pretendo continuar a comprar.
 
No geral estes meses foram óptimos em termos de leituras (e para mim óptimo é qualitativo e não quantitativo). E vocês? Andam a ler autores Portugueses? Contem-me tudo....
publicado por Patrícia às 15:43 link do post
Com tanta coisa que há este ano da maior diversidade literária e ler livros escritos por mulheres, reparei que se eu tenho alguma falha é que leio pouco ou nenhum autor português. É claro que já reparei nisto há algum tempo, mas só neste ano em que estou a anotar a nacionalidade dos escritores e outros dados para fazer um balanço semelhante ao que fazes aqui no final do ano, é que reparei no quanto leio de autores norte-americanos. Até agora só li um autor português, O Meu Programa de Governo do José Gomes Ferreira, e li 2 canadianos (um em conjunto com um americano), cinco ingleses, uma mexicana, uma nigeriana, uma peruana e um australiano. 12 outras nacionalidades para 19 ou 20 americanos.

Vou tentar inverter a tendência embora seja difícil com tanto livro que tenho por casa de autores norte-americanos, mas também sei que se não fizer um esforço consciente então é que não mudo mesmo. Para tal esforço acho que passos pequenos são os melhores e por isso quero ver se leio pelo menos mais 2 livros de autores portugueses até ao final do ano e tentar fazer com que o número de norte-americanos não exceda os 50%.
WhiteLady3 a 26 de Julho de 2014 às 17:20

Notificações de respostas serão enviadas por e-mail.

pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
subscrever feeds
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO