Ler por aí
 
29 de Janeiro de 2012


Foi com muita curiosidade e altas expectativas que comecei a ler o último livro de uma autora de que gosto muito. Júlia Navarro escreveu a Bíblia de Barro, um dos livros que mais gostei de ler.
Na Espanha actual, um jornalista frustado, Guillermo, é contratado pela tia para desvendar a história da bisavó desaparecida. Ao longo do livro conhecemos um pouco Guillermo, a sua Mãe e a sua Tia. Os três são personagens desagradáveis, irritantes e absolutamente dispensáveis. A autora opta por contar a história de Amelia Garayoa aos bochechos seguindo a investigação levada a cabo pelo seu bisneto. Para mim a pior opção possível. Se inicialmente parece ser engraçado seguir os problemas do Guillermo mais para o fim torna-se extremamente irritante ouvir falar deste e de sua mãe (e dos seus telefonemas). Guillermo é guiado por várias personagens até descobrir a história de Amelia. Para mim também esta parte é menos bem conseguida. É tudo demasiado fácil e o jornalista é guiado como se de marioneta se tratasse. Claro que todos se lembram exactamente das palavras que Amelia pronunciou há 70 anos atrás e claro que era à primeira que Guillermo encontrava as pessas certas.
Calculo que a intenção a escritora fosse contar a história do sec. XX através de uma mulher e para isso um narrador omnisciente teria sido mais agradável. 
Mas não se enganem. Apesar disto adorei o livro. Apesar de ser impossível que apenas uma mulher passasse por tanto, apesar de Guillermo, apesar do final um tanto ou quanto ridículo. 
Amelia começa por ser uma miúda mimada que fazia parte da burguesia espanhola, que casa (meio por interesse, meio por amor) com Santiago e que tem um filho quando não tem, obviamente, maturidade para ser mãe. Passa de miúda mimada para mulher apaixonada (e tolinha) quando conhece Pierre. Não sei se é verdade que a necessidade cria o engenho mas basicamente é essa a vida de Amelia. De aventura em aventura, de desgraça em desgraça, de vitória em vitória vive a vida que começou a forjar numa época em que as mulheres não tinham voto em (quase) nenhuma matéria. Uma outsider toda a vida, vive à margem do que deveria ter sido a sua vida.
Mas é através da sua história que somos guiados ao longo da história do Sec. XX, começando numa Espanha dividida pela Guerra Civil, por Paris, passando por Buenos Aires a caminho da Moscovo de Estaline. Londres, Berlim, Varsóvia e até o Cairo  formam o palco da vida de Amelia. 
O comunismo, o nacional-socialismo, a Segunda Guerra Mundia, a espionagem e os jogos politicos do Mundo do século XX são o verdadeiro tema deste livro e foi precisamente disso que gostei.
A Amelia não é uma personagem com a qual se crie grande empatia, eu pelo menos não criei.  Mas vi em Amelia muitas outras personagens, algumas de que por quem torcia e outras de que não gostava nem um pouco. Neste livro, um romance histórico, encontra-se o melhor e o pior da humanidade e relembrou-me que até há pouco tempo era permitido que houvesse um muro que dividia um país, que se matava com impunidade quem não pensava da forma estabelecida, que os jogos de poder não levavam em consideração que a vida humana é o mais importante, que a dignidade não deve ser negligenciada, que a honra e o respeito são valores a preservar e que o importante da vida é ser feliz. E não consigo deixar de pensar que me lembro da queda do muro de Berlim, que já visitei aquela cidade e que ainda está enraizado na mente, no coração e no corpo de muitos tudo o que se passou antes de 1989. E que não sentido pensar que tudo isto é história porque acredito que ainda não o é. Hoje como antes, há muitos erros e crimes a serem cometidos.
publicado por Patrícia às 19:57 link do post
Olá,

Só para te contar que me me passaram um selinho que eu também passei a este blogue. Está no meu.

Bjinhos
Boas leituras
VeraSopa a 7 de Fevereiro de 2012 às 00:21
Tb tenho um selinho no meu blog para ti, deve ser igual ao anterior :) mas se quiseres poder ir buscar :)

Boas leituras
Maria Pereira a 9 de Fevereiro de 2012 às 10:23
Também eu estou a ler o livro a toda a velocidade. Não estou a gostar muito da tradução mas é defeito de profissão. Em 2 dias li 300 páginas. a guerra de Espanha tem para mim espacial significado por que vivo na fronteira e porque os meus pais e avós assistiram a muita coisa do outro lado do rio. Quando chegar ao fim falo das personagens. Por enquanto estão a dar-me muito prazer. E não gosto do Pierre.
Carmo V. Romão a 4 de Junho de 2012 às 23:07
Olá Carmo,
Não posso falar da tradução (não é, de todo, a minha área) mas achei curioso o comentário porque penso sempre que leio um livro traduzido se estou a gostar a autora ou do tradutor. Porque uma coisa é gostar da história (e isso não há tradutor que "resolva") outra é gostar do tipo escrita. Ainda no outro dia uma amiga me dizia que gosta mais do Zafón traduzido que do original.
Também não gostei do Pierre. A em muitas alturas nem sequer gostei da Amélia :). Mas quem me irritou mesmo foi o Guillermo, mas mais para o final....
Boas leituras
Patrícia a 7 de Junho de 2012 às 23:49
Que comentários infantis são estes? esta critica pior não poderia ser, não sabem apreciar um bom livro com uma grande historia!! Que raio de critica esta, foi feita por uma crinça de 10 anos?? Este mundo vai de mal a pior com pessoas como voçes..
Anónimo a 25 de Novembro de 2012 às 22:38
Welcome Anónimo.
Aos 10 anos lia muita coisa mas ainda não conhecia os livros da Júlia Navarro. Por outro lado sabia como escrever "vocês".
Boas leituras (para a próxima procure um blog com o qual se identifique, ok?)
Patrícia a 25 de Novembro de 2012 às 23:38
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO