Ler por aí
 
25 de Maio de 2016

Lembro-me de me aninhar no vão da janela (a minha casa tem paredes de um metro de espessura) a ler um livro. Ou de me sentar num cantinho no fim do dia de Natal a ler um dos livros-presente que tinha recebido enquanto o resto da família tagarelava. E de, no colégio, pôr um livro atrás de outro livro para que as freiras não me apanhassem a ler em vez de estudar. Lembro-me de passar dois dias enfiada no quarto da minha prima, na casa da minha avó, enquanto devorava os três volumes de O Conde de Monte Cristo. Lembro-me de sair da sala de aula e de me sentar nos sofás da receção da escola em vez de ir para a sala de convívio enquanto andava a ler As Brumas de Avalon. Levei três dias, enfiada em casa, enquanto lia a trilogia de Sevenwaters. E tantas vezes cheguei atrasada ao café, ou às aulas ou à vida porque tinha mesmo que acabar de ler aquele livro – e naquela altura nada era mais importante que isso.

Tenho saudades de ler um livro dessa forma. Desenfreadamente

A última vez que me aconteceu foi com o segundo volume da trilogia Mistborn, de Brandon Sanderson.

E a verdade é que apenas a fantasia me faz mergulhar dessa forma num livro. E os romances históricos (ia indo à falência quando andava a ler a saga “O primeiro homem de Roma” da Colleen McCullough) mas menos que a fantasia. Porque a fantasia é especial. Mergulhar num mundo diferente, confortável nas palavras, que nos permite ser tudo, ir a mundos não existentes, conseguir o impossível.

E tenho tantas saudades de querer ler assim (mais do que poder, porque na verdade estou com tanto trabalho que não posso) que ontem me tive que disciplinar para não comprar um livreco de fantasia que estava à venda no quiosque do local de trabalho.

Porque a verdade, verdadinha, é que o mais maravilhoso de tudo é ler o tipo de livro que não conseguimos largar até acabar. E eu tenho muita inveja de quem consegue fazer isso com um livro com uma qualidade estrondosa, com um Saramago, um Lobo Antunes ou Agustina. Eu, que sou mais prosaica e por muito que goste de ler livros que me desafiem, só consigo fazer isso com uma boa história. E a fantasia é o meu (not so) guilty pleasure.

 

(na verdade isto é apenas uma desculpa esfarrapada para ir comprar mais uns ebooks do Sanderson)

publicado por Patrícia às 15:52 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO