Ler por aí
 
22 de Junho de 2013




Os títulos dos livros atraem-me muitas vezesmas nem sei porquê não consigo atinar com este título que até é giro, que faztodo o sentido mas que por alguma razão não me fica na memória, tenho que fazerum esforço por me lembrar da frase que sei que incluí o “céu” mas que nunca seise é debaixo de qualquer céu ou coisaparecida.

Mas vai ser difícil esquecer algunspersonagens deste livro.
Mas vamos por partes. Comecei a lê-lo semqualquer expectativas. Sim, sei bem que Nuno Camarneiro, com este livro, ganhouo prémio Leya. Mas já ouvi opiniões boas e outras más e acabei por ficar semgrande curiosidade e as expectativas bem balanceadas.
Encantei-me às primeiras páginas. Nem foi pelahistória, o que pode parecer estranho, foi pelas palavras, por uma espécie depoesia (provavelmente imaginada) que lhe senti. Li as primeiras folhas parandoem várias frases, imaginando outras, tentando absorver a história, conhecer osinúmeros personagens. Depois veio um sentimento escuro, uma nostalgia etristeza que me acompanhou até ao fim. Há livros que se explicam melhor porimagens, por cores e este é em tons de cinza e negro com alguns raios de luz(azul?) a lutar contra a escuridão.
 Não égente feliz aquela e nem o toque de esperança final me mudou o sentido. Seremostodos, afinal, assim? Sem esperança, sem querer? Sem Crer?
Num livro passado em vários dias, com cada umespecificado, não pude deixar de me arrepiar com a noite de Natal daquelagente. Sou uma apaixonada pelo Natal, pela confusão da família, pelas comidas,pelos doces, pelos risos, pelos jogos. Detesto televisão no Natal, detestocasas vazias, sono, solidão. Gosto da confusão, gosto da expectativa. E a estagente faltou-lhes tudo, os risos, os beijos, a esperança, a ansiedade.  Acho que foi esse o momento mais negro destelivro.
De todos os personagens interessaram-me oDavid e o Marco Moço deste início. O David pelo mistério da personagem, pelasolidão escolhida, pela tentativa de rebelião. O Marco Moço pela luz que cedolhe intuí, pela paz que transmitia, imagino-o um velho com a pele morenacurtida pelo mar e pelo sal, com voz doce e serena.
Não aconselho a que se leia este livro àespera de uma história complexa mas óbvia. E não sou daquelas leitoras queextrapola e faz paralelismos com a realidade e lê nas entrelinhas os segundos eterceiros sentidos que se imagina que os escritores quiseram transmitir. Leioum livro como ele se me apresenta, com as palavras a construírem cenas quecontam uma história. E esta é uma história fragmentada em cenas isoladas, umpuzzle que constrói uma imagem que é afinal um fragmento do todo que, sequisermos, imaginaremos.
Isto tudo para dizer que gostei deste livro,gostei mesmo muito. Não me interessa se foi premiado, se reúne ou nãoconsensos. Um livro vale pelo que consegue transmitir. E eu, por algumas horas,vivi naquele prédio.
publicado por Patrícia às 12:03 link do post
Aqui está um livro que me desperta bastante curiosidade. Gostei da tua opinião. Vai para a wishlist :)
Célia a 22 de Junho de 2013 às 17:22
Eu gostei bastante Célia. Acho que vais gostar :)
Patrícia a 22 de Junho de 2013 às 18:46
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO