Ler por aí
 
05 de Julho de 2013

Confesso que fico fascinada sempre que oiço um/a aspirante a cantora a dizer que canta em Inglês porque nessa língua tudo fica bonito enquanto que em Português não.
Nessa altura tenho vontade de lhes pregar um par de estalos e obrigá-los a ouvir ininterruptamente músicas em Português. Assim de repente e lembrando-me dos letristas que fazem músicas onde dizem, quer as mais belas palavras de amor, quer as maiores loucuras obrigava-os a ouvir o repertório do Jorge Palma e dos GNR. Basta esses para perceberem que é possível, sim, não é é para todos. Assim, passavam a dizer: "cantamos em Inglês porque não sabemos escrever em Português, nem conhecemos quem saiba e antes que nos saia uma pimbalhada a rimar preferimos cantar em Inglês, que não é a primeira (nem muitas vezes a segunda) língua de quem nos ouve e onde um "coça-me as costas" fica sempre bem"
publicado por Patrícia às 18:23 link do post
Não eram os clã que diziam que na língua inglesa fica sempre bem? A mim pessoalmente não me faz especie (O David Fonseca canta em inglês e eu adoro...), conquanto a pessoa cante bem....Mas tem talvez que ver com a sonoridade: o inglês fica no ouvido, enquanto o português é mais intricado.
Sara a 5 de Julho de 2013 às 18:44
Sara, eu tb gosto de ouvir música noutras línguas, nomeadamente em Inglês... E compreendo que os cantores e letristas achem mais fácil escrever e cantar em Inglês. Não acho é que a língua Portuguesa não seja perfeita para ser cantada. Acho que é tão boa como qualquer outra e melhor quando o público é Português.
Claro que eu sei que cantar e ouvir música Portuguesa não está na moda, mas não faz mal, eu gosto na mesma :)
Patrícia a 5 de Julho de 2013 às 19:36
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO