Ler por aí
 
05 de Abril de 2017

Fico sempre sem saber se devo ou não reler os livros.

E se reler um livro de que não gostei pode fazer-lhe justiça (há sempre livros que lemos em alturas erradas), reler um livro de que gostámos muito também pode estragar tudo.

Se um livro, a determinada altura, me marcou de forma a considerá-lo, por pouco ou muito tempo, o meu livro preferido, será uma boa ideia correr o risco de perceber que afinal não é assim tão bom?

A verdade é que uma releitura nunca vai ter o factor “novidade” ou “expectativa) no mesmo nível da leitura inicial. E se também é verdade que gostar tanto ou mais de uma releitura que da leitura inicial é descobrir uma pérola, também é verdade que a marca deixada uma desilusão vai ser impossível de apagar.

E eu, que gosto imenso de reler livros, vejo-me com medo de pegar novamente naqueles foram os meus livros preferidos durante muito tempo, apesar de considerar que mais importante do que um livro ser realmente bom é a marca que nos deixou aquando da sua leitura.

publicado por Patrícia às 15:40 link do post
Se o livro for bom vão sempre existir coisas novas para descobrir...Se for um livro que já lemos há anos ou na adolescência vai ser bom avaliar o quanto evoluímos enquanto leitores e pessoas. Se for um mau livro não vale a pena reler.
Sara a 5 de Abril de 2017 às 16:08
Eu não costumo reler os livros, mas ultimamente tenho-o feito e gosto bastante. Acho incrível, pois apercebo-me de pormenores aos quais não dei importância quando era mais nova.
Bjs
edite a 6 de Abril de 2017 às 11:11
Exactamente. Eu gosto muito de reler livros.
Patrícia a 17 de Abril de 2017 às 12:00
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO