Ler por aí
 
07 de Março de 2017

C4saC0eW8AAZ2ej.jpg

 

Eu, Monstra me confesso, claro.

 

Um dos direitos dos leitores é, sem qualquer género de dúvida, "viver" os seus livros. Dobrar páginas para marcar a leitura, para marcar uma passagem ou para esconder uma frase.

Sublinhar, a lápis, a caneta ou a marcador.

Escrever, deixar comentários, dialogar com escritor, personagem ou narrador.

Pôr post-its como está tão na moda.

Deixar fotos ou vestígios da época em livro foi lido, como vi num vídeo de uma booktuber e que achei uma ideia maravilhosa.

Dobrar a capa, colar autocolantes, tirar a sobrecapa ou fazer uma nova.

Um livro é objecto para ser amado e, para mim, não há nada mais triste que um livro passar pela vida incólume, sem vestígio de ter sido lido.

 

Não era brutal abrirmos um livro e termos na primeira página indicação de quando e por quem aquele livro foi lido?

 

publicado por Patrícia às 10:46 link do post
Eu tenho alguns que comprei em segunda mão que têm data e nome - até tenho um que diz oferecido por. Concordo plenamente: amo sublinhar e escrever nas margens dos livros.
Sara a 7 de Março de 2017 às 13:54
Eu tenho um (comprado "novo" na Bertrand") com um autografo. Chegámos à conclusão que deve ter sido numa apresentação que foram pedir autografo à escritora e que depois puseram o livro na prateleira. O meu marido (que me ofereceu o livro) ficou para morrer, lá não reparou. Eu fartei-me de rir (deu para o chatear com "o livro era para a outra, era?") e não o deixei ir devolvê-lo.
Mas quem vai pedir um autógrafo e depois não leva o livro? xD Eu alem desse que diz que foi oferecido, tenho uns com nome outros com data - alguns têm ambos. Há um que tem a data dia x de 1968 tadinho. Em livros usados encontra-se de tudo.
Sara a 11 de Março de 2017 às 23:06
Com marcadores tão bonitos que há para aí, ou recordações como postais e bilhetes vários, porquê faz mal aos livrinhos? Porquê?!
Também assino e ponho a data, e nem me importo com isso em livros em segunda mão, mas por regra os meus livros estão como vieram ao mundo. E são felizes, ouviste?! :-)
Paula
Paula a 7 de Março de 2017 às 14:31
Há gostos para tudo... os meus gostam de ser "maltratados" :)
Também são felizes ahahahah
O problema dos marcadores é que, quando são necessários, nunca há um por perto...
Patrícia a 11 de Março de 2017 às 19:09
Em 2017, comecei a fazer uma coisa que nunca achei possível: sublinhar em livros. Qualquer dia, ainda me vêem a dobrar os cantinhos! :D
Célia a 7 de Março de 2017 às 15:00
Ahah, ainda há esperança para ti, Célia. Tu chegas lá
Patrícia a 11 de Março de 2017 às 19:10
Dobro os cantos, parto as espinhas mas ainda não me convenci a sublinhar ou escrever, até porque às vezes são emprestados. Mas acho piada a alguma marginalia dos livros pertencentes a bibliotecas.
Quanto a indicações da primeira página, é curioso porque arranjei um volume de uma série para a minha mãe (ainda que em inglês e ela não lê, mas queria ler e depois contar-lhe a história) e não é quem tem uma dedicatória da filha para mãe, que pelos vistos também era fã da série?! Aquele já não sai da minha estante!
Carla B. a 7 de Março de 2017 às 18:05
Sou como tu, esse tipo de coisa ainda torna os livros mais especiais.
beijos
Patrícia a 11 de Março de 2017 às 19:11
Por acaso nunca tive o hábito de escrever nos livros, ou dobrar-lhes os cantos :p Prefiro vê-los direitinhos. Post-its sim, já era um opção :)
Daniela a 7 de Março de 2017 às 23:22
Cada qual com os seus hábitos. Mas quando um dia sentires que tens mesmo, mesmo que deixar uma palavra naquele livro, não te sintas mal.
Patrícia a 11 de Março de 2017 às 19:12
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO