Ler por aí
 
13 de Agosto de 2014

Estou a ler o livro do Carlos Campaniço "Os demónios de Álvaro Cobra" e estou a adorar. O problema é que o livro é emprestado (A roda dos livros no seu melhor) e isso significa que vou ter que o devolver.
 
A minha primeira ideia é comprar o ebook, por várias razões
 
  • Já li o livro (ou isso vai acontecer nos tempos mais próximos) e tê-lo é apenas um capricho, um "achar que devo" isso ao escritor que o escreveu
  • O ebook é, à partida, mais barato que o livro físico (vou comprar o livro por capricho, é certo, mas não sou tola e quero poupar ao máximo)
  • Quero que a minha mãe leia o livro e ela adora ler em ebook.
 
Ora o livro já não é novo, tem uns aninhos (o autor já escreveu o Mal Nascer entretanto) e apercebo-me que o ebook custa 11.99€ . Acredito que é um livro que já não deve ter uma grande saída... É certo que é muito bom mas já não é, propriamente, uma novidade.
A sério? 12€? O livro físico fica-me a pouco mais de 14€ e isto se não encontrar nenhuma promoção manhosa (e como já o li bem posso esperar por uma dessas promoções).
Não consigo entender estes preços em livros que têm mais de um ano (a primeira edição é de Fevereiro de 2013) e que poderiam vender como pãezinhos quentes em ebook só à custa da sua qualidade, da publicidade "boca a boca", do trabalho do escritor em promovê-los e de um preço acessível. Como já referi antes (ando a repetir-me, eu sei) percebo perfeitamente que o ebook tenha (quase) o mesmo preço do livro físico nos primeiros 6 meses de existência (ou no primeiro ano, se for um grande livro/autor) mas depois disso não faz sentido. Depois disso as vendas de um livro são marginais. Ora o formato ebook permite, sem custos, manter vivo um livro. Permite que mais gente conheça o autor, a preços baixos, e vá depois comprar os livros mais recentes a preços, necessariamente, mais altos.
 
Os preços dos ebooks fazem com que, o público-alvo ignore os autores Portugueses e prefira ler ebooks em Inglês ou em Português do Brasil de borla ou quase de borla. Porque o público-alvo dos ebooks é composto maioritariamente por jovens que preferem ler de forma barata (seja por necessidade ou por opção). E este público está a fugir da literatura Portuguesa, das editoras Portuguesas e, mesmo com algumas responsabilidades, fá-lo forma pensada e consciente. E as consequências disso são péssimas, quer para a literatura Portuguesa quer para as editoras quer para quem, como eu, continua a querer comprar ebooks em Português.

publicado por Patrícia às 12:55 link do post
tags:
A minha mãe queria comprar um Kobo, para poder poupar dinheiro em vez de comprar os livros físicos. Mas depois de eu e ela andarmos a ver os preços dos ebooks, a minha mãe desistiu. Entre comprar um ebook de 12€ e o livro físico de 14€, é claro que se vai optar pelo físico! Além disso, há sempre promoções e alfarrabistas onde se podem encontrar livros mais baratos e acaba por não compensar comprar o ebook. Não se percebe estes preços...
Diana Marques a 13 de Agosto de 2014 às 14:05
Exacto. Há "n" formas de poupar dinheiro em livros. E comprar o ebook devia ser uma dessas formas. E quem não preferia comprar o ebook (se fosse entre 2 a 5 euros, por exemplo) em vez de ler noutra língua encomendando na net? Eu preferia.
Não compreendo os preços e acima de tudo, não compreendo esta relutância das editoras apostarem nos ebooks. Acho que, após um certo tempo, os ebooks terem preços baixos iria beneficiar toda a gente (tb não podemos exigir uma novidade a 5 euros, pois não?).
Patrícia C. a 13 de Agosto de 2014 às 14:43
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO