Ler por aí
 
04 de Fevereiro de 2011

I am paraphrasing from a friend’s Facebook wall her question:
“How would a teen-age boy who is going to work with his hands ever use Literature of England in his work?”
The age-old “How am I going to use this in real life?” question. How would you answer it?

Para mim esta questão (devidamente adaptada à realidade Portuguesa) não é assim tão simples.
Ou seja: Como é que estudar uns Lusíadas ou uns Maias se traduz em algo positivo e util na vida adulta/profissional?

Bem, por um lado, o saber não ocupa lugar, a cultura é importante e sempre útil, qualquer que seja o destino profissional do adolescente em questão. Não se lê apenas para saber e aprender e por obrigação. Lê-se por prazer, principalmente, tudo o resto (e é muito) é bónus.
Depois há a vantagem de, com este género de literatura, se aprender história. E aprender-se da forma mais gira, que é lendo.
Por outro lado não se fomenta o gosto pela leitura com este tipo de obras. Com algumas excepções, ninguém se apaixona pela leitura com uns Maias. E isso seria o fundamental para que, um dia, o dito adolescente, lesse as tais obras por opção e não por obrigação.
Se fosse eu a escolher optaria por obras mais atractivas, mais fáceis, obviamente bem escritas mas que apelassem ao gosto pela leitura e não que conseguissem que grande parte das crianças fechasse os livros para sempre.
publicado por Patrícia às 14:26 link do post
Mais bem escritas que os Maias? Eça é um escritor muitissimo actual, basta ler as Farpas, por exemplo...é tudo menos secante, na minha opinião. Memorial do convento é igualmente é uma obra extrtaordinária. É realmente triste quando as pessoas não gostam de uma obra porque tem descrições secantes, ou porque tem muitas virgulas -_-

Eu apaixonei-me por todas as obras que li no secundário à excepção talvez de Frei luiz de Sousa...Estas obras não fecham as portas à leitura, porque em muitos casos elas nem sequer foram abertas. Quando um aluno não tem o hábito de ler é normal que ache as obras dificeis, isso não é um problema dos livros, mas da educação para a leitura que o aluno recebeu anteriormente.

cumps
sara a 5 de Fevereiro de 2011 às 03:53
Sara, bem vinda a este blog.
1. Não ligo em lado nenhum que os Maias estão bem ou mal escritos. Digo que qualquer obra a ser lida numa escola teria que ser bem escrita.
2. Na minha opinião cada pessoa pode ter a opinião que quiser sobre cada livro. Mesmo se isso quiser dizer que não se gosta de um livro porque é "secante" ou "tem muitas virgulas" Pessoalmente gosto de Eça e não sou grande fã de Saramago.
3. Ainda bem que se apaixonou por todas as obras que leu no secundário. Olha, eu não. Aliás detestei ler Agustina Bessa Luis. Ainda hoje não gosto. Já por livros apaixonei-me ainda antes de saber ler.
4. Ainda bem que há alguém que considera adequadas as obras dadas no secundário e que considera que alguém pode apaixonar-se pela leitura através dos Maias. Pessoalmente não concordo, mas como não sou professora de Português isso também não faz grande diferença.
Mas eu, acho que a escola deveria abrir portas à leitura. Não sou do género de pessoa que demita os pais ou os professores dessa função.
Boas leituras
Patrícia a 6 de Fevereiro de 2011 às 19:33
olá,

Como é obvio cada um tem a sua opinião e ainda bem que assim é, mas há muita gente que fala sem ter lido as obras ou sem ter passado das primeiras páginas. Isto acontece muito no secundário onde os alunos já vão com certas ideias feitas...para conhecer é preciso experimentar, depois a opinião será positiva ou negativa. Gostei da maior parte das obras...e também já gostava de livros antes de saber ler, não trocava um livro por qualquer brinquedo :)
Não considero adequadas nem deixo de considerar porque não tenho competências para tal. Penso que estas obras foram escolhidas porque representam determinadas correntes da literatura portuguesa, mas antes destas haviam outras, nunca se sabe. Eu simplesmente gostei das obras, penso que são mal dadas mas enfim...A escola deve abrir portas à leitura assim que as crianças iniciam o seu percursso...se um aluno nunca leu nada, não irá conseguir ler os maias. O hábito da leitura construi-se desde que a criança é pequena. Se tal não acontece é obvio que mais tarde irão sentir dificuldades. é um pouco como a matemática se eu não souber fazer uma equação de 1º grau não vou conseguir fazer uma de 3º...Infelizmente, Portugal cheio de problemas estruturais a nivel do ensino
sara a 7 de Fevereiro de 2011 às 00:00
Sara,
Também não me considero com competências para definir as obras a serem lidas no secundário, mas opino. Principalmente quando vejo miúdos que até gostam de ler, que até têm hábitos de leitura, incutidos pelos pais, a subitamente dizerem que não gostam de ler.
Para mim, o grande problema, é que quem escolhe as obras gosta de ler e não compreende que o ensino é também para aqueles que não gostam.
Comparação interessante essa dos livros às equações. Pessoalmente acho-os tão interessantes uns como outros.
boas leituras
Patrícia a 7 de Fevereiro de 2011 às 14:31
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO