Ler por aí
 
09 de Janeiro de 2013

Desta vez não vos vou falar de um autor, nem sequer de uma série de livros. Vou falar-vos de dois livros que marcaram a minha adolescência e dos quais nunca me esquecerei. Se um dia tiver um filho farei questão que ele ou ela tenham, em devido tempo, acesso a estes dois livros.
Falo-vos de "Os filhos da droga" de Christianne F. e de "Viagem ao mundo da droga" De Charles Duchaussois.


O livro "Os filhos da droga" foi o primeiro contacto literário com este mundo. A espiral que levou Christianne,  uma miúda com treze anos (sensivelmente a minha idade quando li este livro pela primeira vez) a mergulhar num mundo de droga, crime e prostituição impressionou-me e marcou-me. Comparar a minha vida, num Portugal Rural do início dos anos 90, com a vida de uma prostituta drogada em Berlim foi um abrir de olhos para a existência de algo que me fascinou e horrorizou. O que parecia interessante no início tornou-se um pesadelo. Olhar em volta e ver pessoas conhecidas a percorrerem o mesmo trilho foi o suficiente para me afastar desse caminho para sempre.


Mas o interesse sobre o tema manteve-se e assim que tive oportunidade deitei as unhas ao "Viagem ao mundo da droga" de Charles Duchaussois. Aquele livro foi, durante imenso tempo, um autêntico manual que me permitia saber (ou achar que sabia pelo menos) tudo sobre as drogas que havia no mercado. Lembro-me de haver no livro um capítulo apenas a explicar o que era cada droga ou seus efeitos e "prazeres". Mas para quem não conhece fiquem a saber que se trata do relato mais cru, directo e completo que já li sobre como se passa de tomar os drogazitas recreativas para se deixar de ser gente, perder a humanidade. Juntamente com a história do autor fazemos uma viagem pelos países que compõem um das rotas da droga e "conhecemos" a Turquia, o Afeganistão, a Indía e o Nepal. Culturalmente fazemos uma viagem tão interessante quando decadente e deprimente.
Acredito que a maioria das pessoas que leu este livro se lembre da história que mais me marcou: nas margens do Ganges um miúdo absolutamente saudável é amputado de um perna pelo próprio pai simplesmente porque essa era a forma de receber mais dinheiro nas esmolas. Não consigo, obviamente, compreender um acto destes mas ao longo da minha vida tenho várias vezes pensado neste episódio com repulsa e pena. A repulsa é óbvia. A pena divide-se entre o miúdo e o pai. Que raio de desespero levará alguém a um acto destes? A condenação é simples e fácil mas mudar a sociedade para impedir que coisas como estas aconteçam é mais difícil. Quero acreditar que hoje (o livro é dos anos 60, salvo erro) o mundo está diferente mas...

Qualquer um dos dois livros passa uma mensagem de esperança: são, afinal, retratos de sobreviventes. E ambos são uma leitura, se não prazeirosa, mas educativa.
publicado por Patrícia às 19:47 link do post
Nunca li estes, não houve oportunidade, mas tenho como livro preferido de todo o sempre A Lua de Joana que fala do mesmo tema, talvez de forma mais suave, mas que também me abriu os olhos para esse problema.
WhiteLady3 a 12 de Janeiro de 2013 às 12:57
Partilhamos este :)
Foi o primeiro livro que li :D
Liliana Lavado a 14 de Janeiro de 2013 às 14:44
Nunca li o "A lua de joana". Quando esse livro saiu (ou pelo menos quando se começou a falar dele) eu já andava por outras leituras e, nem sei porquê, sempre o achei "juvenil". Mas toda a gente diz maravilhas, um dia tenho que o ler.
Patrícia a 21 de Janeiro de 2013 às 14:46
E é muito bom, não é? um dia destes tenho que o reler
Patrícia a 21 de Janeiro de 2013 às 14:48
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO