Ler por aí
 
05 de Outubro de 2012

Desde o meu 7º ano (e graças à professora Filomena) que tenho uma paixão enorme pelo Egipto. É a minha viagem de sonho, tantas vezes adiada, que um dia farei e que tem de ser perfeita. A maioria dos locais que quero conhecer conheci-os nos livros. Principalmente nos livros de Christian Jacq, que juntamente com a Marion Zimmer Bradley ma iam levando à falência há alguns anos atrás.


Foi a mesma pessoa que me deu a conhecer a MZB e o Christian Jacq. E foi com o livro "A Rainha Sol" que me iniciei nos livros deste escritor. A história (extremamente romanceada) da forte Akhesa e do tão famoso Tutankhamon, de Nefertiti e Akhenaton (sabem que o senhor tinha uma doença manhosa que o fazia ter a cabeça com um formato estranho?) fascinou-me. Os deuses Amon e Aton, o Politeísmo e o Monoteísmo.
Unir um dos meus géneros preferidos, o do romance histórico, com o Egipto? Perfeito.




Acho que a série mais famosa deste autor é a que diz respeito a Ramsés. Dos 5 livros li 4... comecei por acaso no segundo e já não voltei para trás:






A vida de Ramsés II, um dos faraós de maior longevidade, contada desde o início. Toda a gente já ouviu falar de Ramsés II. É o faraó da Biblía, o do filho primogénito, o das pragas de Moisés e do Antigo Testamento. A história aqui é, ligeiramente, diferente da contada na Biblía e muito, muito interessante.




Uma trilogia deste escritor de que gostei imenso foi a "O Juiz do deserto" composto pelos "A pirâmide assassinada", "A lei do Deserto" e "A justiça do vizir". Do que me lembro esta trilogia conta a história de um casal (Paser e Néféret), ele juiz, ela médica. Inteligentes e integros sobem na hierarquia Egipcia graças às suas qualidades. E isto durante o reinado de Ramsés II que, apesar de apenas aparecer na história num segundo plano, continua a ser incontornável. Classificaria esta trilogia como romance Histórico-Policial.

Aprender História (romanceada, bem sei) através dos livros deste escritor foi muito interessante. Conhecer pormenores da forma como a civilização Egipcia vivia, como se organizavam, perceber porque prosperaram e como entraram em declínio é fantástico.

Ainda deste escritor li As Egipcías, sobre as grandes rainhas Egipcias.

publicado por Patrícia às 14:19 link do post
nice blog
. (http://anuragago.wordpress.com). (http://azamazama.wordpress.com). (http://brahmb.wordpress.com). (http://darsansite.wordpress.com). (http://hohasite.wordpress.com). (http://jaypalblog.wordpress.com). (http://mokshablogs.wordpress.com). (http://nikatblogsite.wordpress.com). (http://sadaramsite.wordpress.com). (http://sayeeblog.wordpress.com). (http://classifiedads.net23.net). (http://noregclassified.co.cc). (http://classified.comyr.com). (http://d4down.co.cc). (http://miniwrites.co.cc). (http://sharelittlemore.co.cc).</a>. (http://searchengineoptimizations.co.cc)
Anónimo a 6 de Outubro de 2012 às 07:09
Eu só "descobri" o autor o ano passado apesar de há muito que ouvia falar dele, pois uma amiga minha é grande fã e foi ela que me emprestou dois livros da série Pedra de Luz. Gostei sobretudo pela visão que ele nos dá sobre o dia-a-dia e como a religião influenciava o mesmo e outros momentos da vida da sociedade egípcia. Lá por ser romanceado não quer dizer que não se aprenda. ;)
WhiteLady3 a 15 de Outubro de 2012 às 22:18
A sociedade Egípcia era fantástica. É fascinante perceber como foi tão grande e como entrou em declínio. E a Religião e o culto da morte é das coisas que mais me fascinam. Lembro-me que fiquei "apanhadinha" pelo Egipto quando a minha professora do 7º ano nos contou como é que eles faziam as múmias. (sempre fui um bocadinho mórbida)
Patrícia a 16 de Outubro de 2012 às 23:10
Sim, a mumificação é o que mais me agrada, a religião também é interessante mas eu acho todas as religiões interessantes, pois de resto devo confessar que nunca tive grande fascínio pelo Egipto. Gostava mais da Grécia antiga e Mesopotâmia, e do período medieval europeu.
WhiteLady3 a 17 de Outubro de 2012 às 00:40
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO