Ler por aí
 
22 de Setembro de 2012

Aos 16 anos "conheci" os livros da Marion Zimmer Bradley e apaixonei-me. As Brumas de Avalon foram o meu grande amor desse ano. Foi uma semana de noites mal dormidas e muita leitura. Posso dizer que, literariamente, nunca mais fui a mesma.

Li e reli as Brumas. Mais vezes do que as que posso lembrar. A história de Morgaine (mais do que de Artur) fascinou-me e nunca, nunca me consegui habituar à lenda mais conhecida em que Morgan le Fay é uma bruxa a dar para o ruim. Não, Morgaine será para sempre uma das minhas personagens favoritas. 

Cassandra é outras das minhas favoritas. "A minha sina é esta: dizer sempre a verdade e nunca ser acreditada". A guerra de Troia, recontada. As Amazonas, Helena, Cassandra, Eneias, Ulisses, Patroclo e Aquiles transformados em pessoas com qualidade e defeitos. Adorei esta versão e ainda hoje acho que é um dos melhores livros que já li... e reli, claro.
Toda a gente conhece a História de Helena e de Páris. Poucos ligam a Cassandra, irmã gémea de Párias e um pouco negligenciada na história de Homero. Marion Zimmer Bradley, mais uma vez do ponto de vista feminino veio colmatar essa "falha".




Ao longo dos anos em li Marion Zimmer Bradley apercebi-me que os livros dela estão (quase) todos interligados e a partir de uma determinada altura era fascinante ir apanhando frases soltas que marcavam essa ligação.
A Casa da Floresta está ligada às Brumas pela Senhora de Avalon e algures lá pelo meio ainda podemos encaixar a Sacerdotisa de Avalon. Caillen, Vivianne, Ana, Eilan e tantas outras mulheres de Avalon, sempre Avalon.



Um dos poucos livros escritos sob o ponto de vista masculino é o "Salto Mortal". Um dos meus livros favoritos. Li-o inumeras vezes. Mário e Tommy. Trapézio, o triplo salto, a homossexualidade, a homofobia, o amor no masculino, a familia, a loucura, a depressão. Li e reli. E ainda hoje sou capaz de abrir aquele calhamaço e saber exactamente que parte da história é que estou a ler. Li-o aos 17 e marcou-me. 


Um outro livro "a solo" da Marion, este escrito a várias mãos é o fabuloso "As mulheres da casa do Tigre". Um livro de aventuras no feminino, três gerações de mulheres na luta pela sua terra. 


Outra colecção fantástica da Marion, é a do Poder Supremo, onde incluo o A herdeira e O Coração de Avalon


Completamente diferentes dos romances históricos mas igualmente místicos e fascinantes estés 5 livros convenceram-me. Especialmente o último, o Coração de Avalon, cuja história abrange todos os outros. Fantástica a forma como a autora consegue contar inúmeras vezes a mesma história de todas as perspectivas possíveis. poderia ainda ter incluído aqui o "A queda da Atlântida", pois na verdade as personagens deste e dos livros anteriores entrelaçam-se, afinal algures no "Circulo de Blackburn a Truth e a Light tratam-se, num momento de grande tensão, por Deoris e Domaris. E no final do Coração de Avalon recordamos a loirinha da queda da Atlântitida e de Riveda. Na verdade este livro parece ser o inicio de toda a história de Avalon.


Aparentemente nunca foi editado em Portugal o livro que se segue a este: Os ancestrais de Avalon. (editoras queridas, em vez de nos impingirem as brumas com capas novas já editavam os livros Marion que faltam, não? considerando que senhora morreu em 99, já era tempo)

Tal como nunca foram editados (ou eu nunca os encontrei- e acreditem, procurei) os restantes da colecção do Trillium. Esta história não terá a magia de Avalon, mas lembro-me de que gostei.


Outro livro Ad-hoc da Marion Zimmer Bradley é o Baseado na história da Flauta Mágica:


Dos outros livros da Marion Zimmer Bradley li uns dois ou três. Salvo erro, li "Os tambores na noite" e "Colina das bruxas" e pelo menos este último pareceu-me um draft que nunca deveria ter sido editado. Os livros da série "Darkover" nunca li. Não são, de todo, o meu estilo. Os Corvos de Avalon, li, mas sinceramente não o achei memorável.

Todo este post foi escrito com recurso apenas à minha memória, às memórias que os livros desta escritora me deixaram, pelo que não me surpreende se alguns dos nomes estiverem mal escritos ou se falhei algum pormenor.
Li a maioria destes livros há muitos anos, principalmente entre os 16 e os 25, reli-os muitas vezes e continuo a considerá-los fabulosos. Leiam-nos.Vão gostar. A maioria deles encontram-se baratíssimos nos alfarrabistas ou (ainda mais baratos) nas bibliotecas. Procurem edições antigas nas livrarias: a capa pode não ser muito bonita mas o preço é-o certamente.
E se alguém tiver os restantes da colecção do trillium ou o tal "Ancestrais de Avalon" e quiser fazer uma troca, simplesmente vende-los ou se souberem onde se vendem, avise ok?




publicado por Patrícia às 22:23 link do post
Tentei ler As Brumas de Avalon mas fiquei a meio do primeiro volume. Amo a parte da Igraine mas quando muda para a história da Morgaine perco o interesse, ainda não consegui perceber porquê mas não desisto facilmente. Hei-de tentar uma outra vez. :)

Adorei As Mulheres da Casa do Tigre e quero relê-lo em breve. Lembro-me que foi dos primeiros livros com personagens femininas fortes que me cativaram. Não que até aí tivesse lido personagens femininas fracas, Enyd Blyton com as suas Gémeas e a Zé dos Cinco desafiava um pouco as regras, mas as mulheres da Casa do Tigre tinham um outro tipo de força, se me faço entender. :/

Oiço falar muito bem d'O Presságio do Fogo, tenho cá em casa por ler, e do Salto Mortal.

Belíssimo post. :)
WhiteLady3 a 22 de Setembro de 2012 às 23:39
Amei as Brumas! E adorei o Presságio de Fogo. Os outros livros não conheço. Acho que fizeste este post com óptimo timing, porque é quando começa o frio e a chuva que me apetece mais ler livros de fantasia :)
Fuschia a 23 de Setembro de 2012 às 11:35
Olá WhiteLady3, adorei as Brumas. A Morgaine não é a típica heroína de que se gosta. Tem imensos defeitos e qualidades. Esse é uma das mais-valias do livro. Mas nem todos gostam do mesmo. Se gostaste do "As mulheres da casa do Tigre" experimenta o "A queda da Atlântida". É completamente diferente das Brumas e tem também mulheres muito fortes.
E quem não gostava de ser como a Zé? Uma ilha e o Tim? Perfeito. Mas compreendo, as mulheres da casa do Tigre tinham, de facto, outra força. E completamente diferentes as 3. Muito interessante.

O Pressagio de Fogo é brutal. Não sei é como é que é lido por quem conhece tão bem a história de Tróia. Eu li-o antes de conhecer bem a versão de Homero. Na altura já tinha lido as versões juvenis da Ilíada e da Odisseia, mas não foi o suficiente para me estragar este presságio de fogo. Se tens aí casa, aconselho que escolhas um fim de semana com pouco que fazer, porque é um dos livros que se lê de uma assentada.

O Salto Mortal é um livro diferente. Eu adorei mas imagino que não seja um livro de consensos.
Boas leituras
Patrícia a 23 de Setembro de 2012 às 12:58
Fuchsia, ler MZB é sempre um óptimo programa para os fins de semana de chuva :)
Para mim esta autora é a número 1 da fantasia/mitologia. E comparando-a com as escritoras actuais é engraçado ver que, apesar de escrever recorrentemente sobre o mesmo tema, conseguiu escrever livros tão diferentes.
Nenhuma outra escritora conseguiu, na minha opinião, chegar-lhe as calcanhares.
Bjs
Patrícia a 23 de Setembro de 2012 às 13:03
Adoro MZB e as Brumas são para mim, um pouco à semelhança do que referes, os livros que me mudaram um pouco enquanto leitora. Adoro e agora só penso em voltar a lê-los! :) Ainda não li todos os que referiste, "As mulheres da casa do Tigre" pelos vistos devia fazer parte da minha cultura MZB. A ver se corrijo essa falta.
Adoro "Presságio de Fogo" e o "Salto Mortal". É um livro surpreendente, por ser tão diferente dos outros que escreveu e que, apesar do tamanho se lê como se tivesse apenas 100 páginas.
Gostei bastante do "A Herdeira" e do "As Trevas Satânicas" que é um livro assustador!
Os únicos, até hoje que não me convenceram foram os do "Poder Supremo", acho que o tema do paranormal não me cativa tanto. Li apenas os dois primeiros e não tive vontade de ler mais nenhum.
Obrigada por me fazeres lembrar do bom que é ler MZB!
N. Martins a 23 de Setembro de 2012 às 14:59
humm, gostas do "A herdeira" e não gostas da série o Poder supremo? Pelo que me lembro ( já li a Herdeira há uns 10 anos, emprestei-o e nunca mais o vi) é a história do Simon, o pianista. Sabes que a Claire que entra nesse livro é a dona da livraria onde a Winter (poder supremo 2 ou 3) compra os livros? E a Claire é uma das protagonistas do "Coração de Avalon". Mas na realidade a maioria deles são reencarnações das personagens do "A queda da Atlântida". :) Uma grande confusão, eu sei, mas tipica da MZB.
nunca li esse das "trevas satânicas". Faz parte das Darkover?
Boas leituras
Patrícia a 23 de Setembro de 2012 às 16:32
Este post quase que podia ser meu. Comecei com "Presságio de Fogo" que, durante anos, foi o meu livro favorito. Passei para as "Brumas de Avalon" e li muitos do que aí referes mas não todos. Também tinha 16 e ler Marion Zimmer Bradley marcou a minha forma de ler e olhar para a literatura. Vai sempre estar no meu coração :)
Vanita a 23 de Setembro de 2012 às 17:10
Bem levas isso mesmo a sério! É assustador... ;)
O "Trevas Satânicas" não faz parte das Darkover. É um daqueles livros mais pequenos dela, que aparentemente nada tem a ver com os outros, mas aposto que quando o leres vais descobrir alguma ligação!
Do que me lembro (também já o li há uns bons anos) não acho que o "A Herdeira" tenha muito a ver com os do Poder Supremo. Pelo menos com os dois primeiros da série que eu li.
N. Martins a 23 de Setembro de 2012 às 23:10
Excelente post! A Marion é uma das minhas autoras favoritas e li quase tudo o que consegui apanhar.

"Salto Mortal" é - até hoje - um dos meus livros preferidos de sempre.
Brown-eyed Girl a 24 de Setembro de 2012 às 10:20
LOL . addicted! Ao longo da faculdade comprava sempre os livros da MZB e muitas vezes eles eram responsáveis por me arruinarem o orçamento do mês. E acabava por lê-los inúmeras vezes. E tenho boa memória ;)
Patrícia a 24 de Setembro de 2012 às 19:58
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO