Ler por aí
 
07 de Novembro de 2012

“Alma Rebelde” foi o segundo livro da escritora Carla M.Soares que li. Num estilo completamente diferente do “A grande Mão” a escritorainiciou-se nestas lides literárias com um romance histórico, mais virado para oromance do que para a parte histórica.
Não sei muito bem o que esperava uma vez que antes tinhalido, desta escritora, um livro de aventuras e do fantástico. Além disso todasas opiniões que li deste livro eram bastante boas.
Joana e Santiago, em pleno século XIX, estão destinados –vá, obrigados pelos respetivosprogenitores- a ficar juntos. Esta é a história do seu romance.
Em pleno século 19, com Lisboa a lutar contra as febres,Joana atravessa o país para se reunir à família do homem a quem foi… vendida?
Neste livro fala-se de muitos temas: a relação entre aburguesia e a nobreza (o poder versus o dinheiro – tema extremamente pertinenteainda hoje), a sociedade do século XIX, o lugar das mulheres numa sociedadeextremamente machista, a educação (principalmente das mulheres), a relaçãoentre Portugal e o Brasil (terra de oportunidades). Na minha opinião, todosestes temas  foram um bocadinhopreteridos em relação ao romance propriamente ditos. Pessoalmente gostaria deter sabido mais sobre a sociedade da época do que sobre as dúvidas existências deJoana (e muitas vezes, quando tinha vontade de esbofetear a miúda, tenha que melembrar que ela já era “muito à frente” para o século XIX). Gostava mais de terlido sobre a prepotência do pai de Santiago do ter acompanhado os passeios deJoana e Santiago.
Gostei imenso das Cartas de Ester. Foi uma óptima forma debalancear a narrativa e de conhecer um outro lado (o mais negro – e mais comum-da sociedade machista do nosso Portugal do Séc XIX). Tenho pena de não terconhecido melhor Alice…
Resumindo e concluindo: Acho que foi uma boa estreia que nãofica nada atrás dos romances de época que já tenho lido. Quando quiser oferecerum romance a alguém  vou ter este emconsideração e vou ficar à espera da edição do A grande Mão para oferecer a quem gosta de aventuras…. Parabéns, Carla.
publicado por Patrícia às 16:07 link do post
Obrigada pela opinião, Patrícia. Há várias coisas que vou anotando para tentativas futuras - a questão de ter mais romance do que história, por exemplo, embora diga sempre que este não é um romance histórico, é um romance numa época, e a sinopse pouco engane... ;)

Aliás, não estou muito certa de que, se o livro fosse mais denso em termos históricos, a PE o tivesse publicado (já assim me surpreendeu!), porque há outros escritores de romance histórico por cá, que são de facto historiadores e melhores do que eu de certeza.

Espero que tenha sido, pelo menos, agradável de ler: não posso pedir mais. :)

(um pormenor: o Alma é o primeiro editado; o A Grande Mão é anterior, mas não foi o primeiro que escrevi, foi o segundo, o primeiro chama-se A Senhora do Rio, e está na gaveta. Entre o Mão e o Alma houve pelo menos três, Ciclo, Predador e Arcanjo, que duvido que venham a ver a luz do dia... )
Carla M. Soares a 7 de Novembro de 2012 às 17:04
Eu também gostei deste livro, de facto gostei mesmo muito e ainda mais por ter sido uma autora portuguesa a escreve-lo! :)

Já li A grande mão e infelizmente não gostei porque não faz o meu género. Podes ler a opinião no meu blogue.

Beijinhos
Mil Estrelas a 3 de Dezembro de 2012 às 12:46
Comigo foi mais ao contrário. Gostei imenso do A grande mão.
Qual é o teu blog? através do teu nick não consigo lá chegar...
Patrícia a 4 de Dezembro de 2012 às 10:36
Óptima opinião. Já li este livro e gostei bastante.

A Grande mão ainda não li, mas tenho bastante curiosidade.

Teresa Araújo
Romances de Mesinha de Cabeceira
Teresa Araújo a 9 de Março de 2013 às 12:48
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO