Ler por aí
 
08 de Maio de 2011

Ainda a propósito da feira do livro tenho que dizer que não percebo porque é que a fazem em Abril/Maio. Vivemos em Portugal, país em que nesta altura do ano é normal chover. Por muito que haja anos em que a seca é dominante e que em Maio se vá para a praia a norma é que chova nestes meses. E mesmo assim a feira é nesta altura. Não se percebe. Mesmo que não chova geralmente as noites são frias e a maioria de nós trabalha e só pode lá ir à noite ou ao fim de semana. E este ano havia imensas mesas para nos sentarmos e pela primeira vez sentámo-nos a jantar. O facto de estar a chover é capaz de ter ajudado, mas a verdade é que até conseguimos mesa na barraquinha da ginjinha. Pena é que o "telhado" fosse de pano e quando ficou encharcado deixou de servir para alguma coisa.
Para além disso não consigo gostar desta moda que a LEYA inventou, porque lhe foi permitido inventar, e que já foi seguida pela Porto Editora (acho) que mostra bem a diferença entre os grandes e os pequenos. Não gosto daquele espaço que parece um hipermercado. Não gosto e pronto.
Gosto das barraquinhas todas iguais. Gosto principalmente dos alfarrabistas, gosto de procurar pechinchas entre aqueles livros velhos. Gosto de encontrar livros em excelentes condições a baixos preços. 
Fico espantada quando encontro livros "novos" nestas bancas. Não sei que são de pessoas a quem os livros foram oferecidos e não gostam de ler, pelo que os vendem ainda novos, ou se foram vendidos por necessidade. Mas fiquei um bocado chateada comigo por não me ter lembrado de ver quais os 2 volumes que não tenho da série "O primeiro Homem de Roma". Encontrei n livros dessa colecção e já com a capa da última edição. E cada volume era apenas 10€.  Mas mesmo assim valeu a pena.
Enquanto lá estava ouvi o anúncio de que a  Helena Sacadura Cabral estava a dar uma sessão de autógrafos e sendo a minha mãe uma fã da senhora não quis deixar passar a oportunidade de ir comprar um livro autografado para ela. Fiquei um bocadinho triste quando me apercebi que não estava lá ninguém e até deu tempo para a autora (uma querida) ficasse à espera que eu acabasse um telefonema e me "ajudasse" a escolher qual o livro que iria comprar para a minha mãe. Espero que tenha tido mais sorte no restante tempo em que durou a sessão. Mas confirma-se que esta altura nem para os autores é boa. Pergunto-me: será boa para quem?
publicado por Patrícia às 21:47 link do post
Vou ser sincera a feira está a precisar de uma boa remodelação. Em primeiro lugar precisa de um espaço novo. O parque é muito bonito mas...quando chove não se pode andar lá, a acessibilidade é nenhum (para pessoas com fraca mobilidade por exemplo); lugar para estacionar tb não há, é pouco iluminado à noite....

Não sei porque fizeram a feira mais cedo, mas o tempo é sempre uma incognita...o ano passado tb choveu e à dois anos estiveram 40 graus oO

Eu tb gosto de mexer nos livros, ver os títulos, passo sempre muito tempo nos alfarrabistas, mas essas bancas têm um problema....são muito altas! algumas dão me pelo queixo e tb acontece não conseguir chegar aos livros que estão mais ao fundo....da Leya não gosto, quase nunca lá compro nada...cada vez compro menos livros novos na feira e quando faço tb raramente ultrpassam o dez euros...

cumps
Sara a 8 de Maio de 2011 às 22:59
Olá Sara,
Concordo em absoluto e também tenho alguma dificuldade em conseguir ver todos os livros das bancas :).
Boas leituras
Patrícia a 9 de Maio de 2011 às 11:46
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO