Ler por aí
 
13 de Março de 2013




 
Se não fosse a terceira parte do livro tinha adorado.Soubesse eu o que sei hoje e tinha lido primeiro o fim e só depois ia ler oresto. E vai ser precisamente isso a que vou aconselhar a minha mãe que, dequalquer dos modos, é daquelas pessoas que lê sempre o final do livro primeiro.
Com toda a publicidade ao livro e ao filme até os muitodistraídos já sabem a história que aqui nos é contada: um naufrágio e como umjovem, o Pi, sobrevive num bote salva-vidas com um tigre-de-bengala. Para alémdisso este livro foi premiado, transformado em filme, é um best-seller, éapreciado transversalmente por todo o tipo de leitores. Simplesmente há quegoste de tudo, há quem não goste de uma parte (geralmente a primeira). Mas eunão gostei da terceira.
Na primeira parte do livro conhecemos Pi, a sua vida, a suafamília, a sua relação com os animais e com Deus. Pessoalmente gostei imensodesta parte do livro. Achei-a interessante, divertida. Acho que me consigoidentificar com PI e sei o quanto adoraria ter crescido num zoo, rodeada debicharada por todos os lados. Uma das minhas visões do paraíso, certamente. Estelivro é “vendido” como “um livro que nos faz acreditar em Deus”. Não faço ideiaquem teve esta ideia, mas sinceramente, não acho que seja minimamente correcta.Mas nesta primeira parte do livro a religião tem um lugar importante. E euachei giríssima a relação e PI com Deus. Como o mundo seria um lugar melhor sehouvesse mais gente assim.
Na segunda parte, é-nos relatada na primeira pessoa, ahistória do naufrágio e a sobrevivência de PI e de Richard Parker. Adorei estaparte. Uma história bem contada que me fez viver ali, no meio do oceano, sofrercom eles, sorrir com eles.
A terceira parte do livro é um regresso à normalidade. É ocomparar de uma história com animais com uma história sem animais. Odiei. Nãome interessa se aquela é a parte que faz pensar, se filosoficamente falando é aparte mais importante do livro, se literariamente falando está bem construída.Odiei. Fez-me perder o sorriso que mantive ao longo do livro. Deu-me náuseas.Foi um choque com a beleza que vinha antes. Se tivesse sido ao contrário, se anegritude viesse primeiro tudo bem, mas no final estragou-me a leitura.
Não sei se o filme retrata ou não esta última parte mas,sinceramente, não sei se me apetece vê-lo se o fizer.
Fiquei sem saber o que pensar acerca deste livro. Continuo aachar que vale a pensa ser lido mas o ideal era não ler a terceira parte edeixar que a imaginação fizesse o resto. Mas claro que é impossível um leitorter força de vontade suficiente para deixar algumas páginas por ler…

publicado por Patrícia às 12:03 link do post
Ainda estou na primeira parte e estou a achar deliciosa (mas não lhe consegui pegar mais!!!)
Fuschia a 13 de Março de 2013 às 15:00
Olá Patrícia, concordo com o que dizes (...) de facto ou sou eu que não tenho fé suficiente, ou tinha demasiadas expectativas, ou já houve tantos livros que surpreenderam (chocaram) com o seu final, que este a Vida de Pi, foi muito agri-doce.
De qualquer das formas, com animais ou sem animais... seria "tecnicamente" impossível.
:D
nuno chaves a 13 de Março de 2013 às 16:34
Patrícia, só hoje fui ao GD. Respondi por lá à questão que falámos ante-ontem.
Beijinhos
nuno chaves a 13 de Março de 2013 às 16:44
Olá Patrícia.
Gostei muito da tua opinião, embora não me reveja na parte final da mesma. Até ao último terço do livro temos opiniões bastante semelhantes. Relativamente à terceira parte discordamos profundamente. :)
O que a ti te fez desanimar e desgostar no livro foi precisamente o que mais adorei e aquilo que, na minha opinião o elevou para um nível apaixonante.
Repara que não critico a tua visão nem a tua opinião. Eu gostei porque gostei e tu não gostaste pelos teus motivos. Não acredito que neste meio onde nos movemos tenha de haver um lado correcto e um errado. :)
Boas Leituras!
André Nuno a 13 de Março de 2013 às 19:18
Olá André,
Podes sempre discordar :). Aliás, o giro é mesmo falar do que cada um gostou mais ou menos, não é?
Sabes, senti-me um bocadinho condicionada com a terceira parte. Até ali o livro tinha sido fabuloso, de uma forma pouco vista. Sendo uma história diferente permitiu-me deixar a imaginar correr livremente e escolher ler o livro da forma mais poética possível. Depois fui subitamente arrancada dessa poesia para a mais dura realidade. Não estava à espera e preferia ter ficado apenas com a beleza. O final é extremamente duro.
E sim, percebo perfeitamente porque achaste o final apaixonante. Não descarto a hipótese de voltar a ler este livro com outros olhos e ter uma opinião completamente diferente acerca do final.
Alguma vez leste o "Filósofo e o Lobo" do Mark Rowlands? Atrevo-me a dizer que irias gostar. Não tem nada a ver com este livro, tem imenso de filosofia mas de alguma forma consigo fazer um paralelismo com este livro. Se quiseres vai à página de autores e vê a sinopse do livro.
Boas leituras

Patrícia a 13 de Março de 2013 às 20:52
Patrícia,
para mim o giro nestas andanças é isso mesmo. :)
Penso que a ambição do autor não seria "destruir" toda a narrativa que criou na segunda parte do livro mas sim abrir uma nova perspectiva e até permitir um final aberto que re-orientasse o leitor para onde pendesse mais. No meu caso ansiava, ainda que nem pensasse nisso, por essa novidade e por essa crueza. Acredito, porém, que para quem se sentisse "pleno" e satisfeito com a 2ª parte do livro o último capítulo tenha sido um banho de água fria de tal forma marcante que retire a possibilidade de escolha pela história mais bela.

Não conhecia o livro que mencionaste. Fui ver a sinopse e fiquei muito interessado. Acho que tens razão, também fiquei convencido que iria gostar muito. Já o adicionei à looooonga lista de compras.
Obrigado!
André Nuno a 13 de Março de 2013 às 21:12
é isso mesmo. Foi esse condicionamento que senti e não gostei. Talvez se já estivesse à espera, ou se tivesse sido mais cedo de forma a ter mesmo uma escolha... Teria ficado plenamente satisfeita com a segunda parte. Geralmente embirro com finais felizes, já não há paciência, mas desta vez ficou-me um travo amargo...

Se leres o Filósofo e o lobo, avisa, para trocarmos opiniões. eu adorei
Patrícia a 13 de Março de 2013 às 21:35
Combinado.
André Nuno a 13 de Março de 2013 às 21:41
Patricia acabei de ler a Vida de Pi, e só gostei da 1ª parte, achei cruel a estadia no barco com os animais. E imaginar aquele sangue, aquele sofrimento, não me fez nada bem! Fiz um esforço enorme para não deixar o livro a meio!
"Prontos" não gostei muito do livro!
Se calhar é falha minha, pois estou numa fase da minha vida que nem qualquer coisa me seduz, me agrada. Estou velha e chata!
Por isso a leitura do VHM da máquina de fazer espanhois, vai ficar paradita,vou terminar a leitura de JLP Abraço, e para a semana com a chegada da Primavera (sol) inicio o VHM.
Bom fim de semana
Dulce Barbosa
Dulce a 11 de Abril de 2013 às 15:44
Acabei de ler há pouco e concordo contigo, a terceira parte é "quê??". Eh pá, pareceu-me mais que quis enfiar à força um twist qualquer e eu teria ficado já muito contente com um final no prolongamento da segunda parte. Sinceramente assim também fico sem saber se gostei, porque o final me parece muito forçado.
Fuschia a 20 de Agosto de 2013 às 01:03
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO