Ler por aí
 
18 de Agosto de 2013


" A nova Agatha Christie que vem do frio". A frase na capa promete um regresso ao policial puro, cujo enredo continha todas as pistas para se descobrir o assassino. Nada demasiado óbvio, nada demasiado rebuscado. Infelizmente não é o que esta escritora nos traz. Na contra capa a comparação com os escritores nórdicos que estão na moda. Sem nomes, desta vez, deixando que a cada um um seja sugerido o ou os nomes que mais nos interessaram. Não posso deixar de me lembrar de Stieg Larsson, Jo Nesbo ou Anne Holt. Infelizmente, na minha perspectiva Camilla Läckberg perde na comparação com qualquer um destes nomes.

A Princesa de Gelo é demasiado previsível. E com pontas soltas. É certo que talvez essas pontas soltas aproximem esta história da realidade mas quem é quer quer um policial em que os maus da fita não são castigados?
Calma, não é exactamente isso que aqui acontece. Mas há histórias secundárias que, não só não fazem falta no livro como nem sequer são terminadas como deveriam. Mas vamos por partes...
O crime central é a morte de Alexandra, numa pequena localidade de nome impronunciável. Alexandra é encontrada morta, com os pulsos cortados, nua dentro da banheira. Os pais e o marido não acreditam que seja suicídio, coisa que acaba por ser óbvia para todos inclusive a policia e Erica, uma escritora amiga de infância de Alex. E é Érica e Patrick que se empenham em desvendar este homicídio. Ela, porque agarra a oportunidade de descobrir as verdadeiras razões do afastamento de Alex na juventude e porque tem finalmente uma ideia para escrever um livro e ele porque... bem porque é policia.
Ao mesmo tempo que se concentra na investigação ao homicídio, Erica vive um drama familiar com a sua irmã, vitima de violência física e psicológica.

Esta segunda história, a da violência doméstica vem na onda das denúncias feitas neste tipo de livro . Começa a parecer-me que na alta sociedade nórdica existe um grave problema de violência que vai sendo sistematicamente denunciado neste tipo de livro. E nem sequer me parece que saibam muito bem como resolver a coisa. O que me irritou neste livro foi que a mensagem que passou é que há um limite, mas que esse limite está quando a porrada passa da  mulher para os filhos. E que na mente de uma mulher doente esse limite pareça aceitável eu até compreendo. Mas não me parece correcto que, num livro, a mensagem global não seja a de que o limite está na primeira vez que há violência. Não me parece aceitável que a justificação para a queixa na polícia (que por acaso fica apenas no "ar") seja apenas o tentar impedir que o filho da mãe fique com a guarda das crianças. A autora passou imenso tempo a fazer-nos compreender como é que uma mulher aceita tal coisa e muito pouco a tentar fazer as mulheres compreenderem que nenhuma dessas justificações é aceitável e que o que devem mesmo fazer é sair dali para fora assim que ele levanta a mão a primeira vez e preferencialmente depois de lhe terem pregado com a panela de pressão na cabeça.

Outra coisa que me irritou desde o princípio foi a total previsibilidade de alguns dos acontecimentos centrais da trama. não vou falar muito sobre isso mas não houve nada que eu não tivesse percebido antes de me ser contado pela escritora. Nada. Assim que as personagens apareciam a "pista" era demasiado óbvia. 

Os personagens também são um bocadinho amorfos, confesso. O amor de infância aliado ao desespero (como se aos 30 e tal a mulher fosse alguma velha) que se transforma numa paixão arrebatada de um dia para o outro, a construção superficial de quase todos os personagens, enfim nada contribuiu para que este livro fosse o que prometia.

Passei todo o tempo à espera de uma reviravolta que nunca chegou. No geral achei este livro muito fraquinho. Lê-se, mas não esperem nada de especial.

publicado por Patrícia às 19:02 link do post
hum... e eu que tinha tantas esperanças de um policial a sério que me voltasse a surpreender. :(
nuno chaves a 18 de Agosto de 2013 às 22:25
Posso levar-to Nuno, mas não esperes grande coisa. Já leste Jo Nesbo? acho que vais gostar. eu não tenho é o primeiro da coleção mas posso levar-te os que tenho.
Patrícia a 18 de Agosto de 2013 às 23:39
Ó Patrícia, e eu que acabo de comprar o livro na livraria. Foi mesmo agora!
Acabei de ler a "Rainha Vermelha" da Philippa Gregory ( que adorei), e fui comprar esta "Princesa". Vamos lá ver se tens razão...LOL
UmaMaria a 19 de Agosto de 2013 às 16:41
Amiga é que assim nem vou perder tempo a ler!! aposto mais na tetralogia do Mons Kallentoft, a ver vamos se realmente é bom ou não. E o que dizes dos nórdicos concordo plenamente, desde que li o Stieg Larsson e afins que fiquei com a ideia que são esquisitos e não é pouco.
CG a 19 de Agosto de 2013 às 20:30
:)
http://www.buzzfeed.com/harpercollins/17-problems-only-book-lovers-will-understand-9npd?bffb
Fuschia a 20 de Agosto de 2013 às 10:37
Depois vem cá contar, está bem? Espero que gostes mais que eu
Patrícia a 20 de Agosto de 2013 às 10:42
A ti imagino-te a "rebolar os olhos" com algumas das coisas que lá estão.
Vou já à procura desse Mons Kallentoft (não arranjavas um nome mais fácil, não?). (ainda não te disse que o Paulo me deu um Kobo, pois não??? :) )
Patrícia a 20 de Agosto de 2013 às 10:44
Fuschia... completamente! amei e revejo-me completamente. Obrigada :)
Patrícia a 20 de Agosto de 2013 às 10:47
AH!!! muita bom! já tens um "leitor de livros electrónico"!! com luz ou sem luz?

CG a 20 de Agosto de 2013 às 20:38
Muito bom, logo o primeiro ponto é mesmo certeiro : )
CG a 20 de Agosto de 2013 às 20:40
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO