Ler por aí
 
01 de Agosto de 2011

[Error: Irreparable invalid markup ('<img [...] t$>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

<div class="separator" style="clear: both; text-align: center;"><a href="http://4.bp.blogspot.com/-wbgE9k2lhdY/Tjath_r_hMI/AAAAAAAABEI/75WqfHfDkZE/s1600/A+Papisa+Joana.jpg" imageanchor="1" style="margin-left: 1em; margin-right: 1em;"><img border="0" src="http://4.bp.blogspot.com/-wbgE9k2lhdY/Tjath_r_hMI/AAAAAAAABEI/75WqfHfDkZE/s1600/A+Papisa+Joana.jpg" t$="true" /></a></div><div style="text-align: justify;"><em>Personagem histórica envolta em lenda, a papisa Joana protagoniza a notável ascensão de uma mulher que não aceita as limitações que a sua época lhe impõe. Dotada de uma inteligência esclarecida e de uma imensa força de carácter, atinge o mais elevado grau da hierarquia religiosa católica. Apoiado numa investigação rigorosa, este é um romance magnífico, cativante, que prende o leitor nas complexidades da luta pelo poder, das conspirações e segredos políticos e dos fanatismos sangrentos. O livro que inspirou um grande filme épico realizado em 2010.</em></div><div style="text-align: justify;"></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Comprei este livro na minha ronda pelos alfarrabistas e digo-vos: que boa escolha foi. Encarei-o de duas formas: uma puramente histórica (qual a veracidade, ou possível veracidade da existência de uma papisa?) e outra absolutamente lúdica.</div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">A autora conta-nos a história de Joana, uma menina que tinha fome de saber e que teve o azar de nascer numa família disfuncional no séc.IX. Até para o séc. IX aquela família era descompensada, com um pai cónego, ruim como as cobras (quero acreditar que apesar da época havia homens um pouco mais “gente” e bondosos) e uma mãe pagã que lhe incute o respeito por outros deuses que não o do pai. Mateus, irmão mais velho de Joana, está destinado ao sacerdócio,a única via de educação e erudição da época. Joana sonha aprender a ler e o irmão, à revelia do pai, faz-lhe a vontade. Quando Mateus morre precocemente João, um outro irmão, é forçado a substitui-lo sem ter vontade ou talento para aprender.</div><div style="text-align: justify;">Joana e João acabam por ter a oportunidade de ir estudar, mas o talento estava na criança com o sexo errado e, após algumas peripécias Joana acaba por assumir a identidade do irmão e passar a ser o “irmão João”. O talento, a vontade, a inteligência e a sorte fazem o resto e João é eleito Papa, por mérito próprio. </div><div style="text-align: justify;">Como estória não há nada a apontar. Lê-se bem, é interessante e sem ser um livro memorável é bom q.b.</div><div style="text-align: justify;">Agora a parte histórica, que é sem dúvida a parte mais interessante deste livro. Terá Joana existido? Será que na história do Cristianismo houve uma papisa? Como eu gostava que assim tivesse sido. Se o foi ou não, não sei, as “provas” que há são inconclusivas (quero com isto dizer que há historiadores que negam a sua existência e outros que a admitem) e Joana está mais para lenda que para personagem histórica. </div><div style="text-align: justify;">Mas eu acredito que houve muitas Joanas ao longo da história, muitas mulheres que venceram como homens porque não tinham outra hipótese e tinham inteligência para tal. </div><div style="text-align: justify;"><br /></div><div style="text-align: justify;">Quão da nossa história terá sido escrita no feminino e não no masculino?</div>
publicado por Patrícia às 15:17 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO