Ler por aí
 
03 de Fevereiro de 2017

500_9789722116206_a_maquina.jpg

 

"Seis números encontravam-se colados ao dado e dali não saiam. E não havia um sétimo algarismo, uma sétima hipótese. O limite era seis.

Era essa exactidão que o excitava, essa exactidão bem definida por limites inalteráveis que no entanto guardava ainda um espaço para as suas decisões estranhas , que na verdade não eram decisões. (...) A grande decisão que existia no jogo, era afinal essa decisão profunda e forte que é decidir que se aceita, decidir que se está pronto para a submissão absoluta, para a não interferência no desenrolar dos acontecimentos"

Joseph Walser é um homem que vive à margem da sua própria realidade. De forma absolutamente voluntária escolhe ser um espectador e não um protagonista da vida. Para além dos jogos semanais de dados, "funde-se" com uma máquina mantendo com ela uma relação simbiótica, de subserviência, quase de amizade e tem uma peculiar colecção que guarda no quarto do filho que nunca teve.

Gonçalo M. Tavares é um dos escritores que considero mais desafiantes. Gosto da sua escrita, gosto da sua forma de falar de uma coisa enquanto fala de outra, gosto do domínio que tem da língua, da literatura e gosto acima de tudo do facto que ser um escritor que não poupa o leitor, que não escreve (só) para os leitores. Gosto das constantes reflexões que o autor nos propõe a cada passo.

Falta-me muito para compreender na totalidade os livros deste escritor mas facilmente lhe reconheço o génio. 

Parece-me que a natureza humana, o bem e o mal, principalmente o mal, estão sempre presentes nos seus livros. 

A relação do Homem com a Máquina é, de facto, um tema central neste livro mas é a relação do Homem com o Homem que me  despertou mais a atenção. Joseph Walser busca a solidão e total autonomia em relação aos outros. 

"Não tinha sequer uma pistola, mas eliminara a grande fraqueza da existência, fizera desaparecer a primária fragilidade da espécie: não possuía qualquer inclinação para o amor ou para a amizade!"

"E Walser não pôde deixar naquele momento de ser capturado por um orgulho: ele, sim, era um grande Homem, como defendia Klober, que conseguia estar separado de todos os outros, um homem verdadeiramente sozinho e individual."

Este foi um livro que não "digeri" nem fácil, nem rapidamente. Aliás, já o li há algumas semanas mas volta e meia volta-me à mente e obriga-me a reflectir. E esse é um dos principais objectivos da literatura, não é? Obrigar-nos a reflectir, pensar. Incomodar-nos. 

publicado por Patrícia às 19:49 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

antónio lobo antunes

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO