Ler por aí
 
19 de Agosto de 2017

20689525_2014743095218303_6854522227891974367_o.jp

 

Acabei de ler este livro de coração partido.

O autor propõe-nos entrar na mente de um miúdo de 10 anos e ver o mundo pelos seus olhos. Desconstruir o mundo, simplificar o complicado e sonhar com o impossível. Está nestas páginas a inocência, a coragem e a frieza que só é possível a quem não tem preconceitos e para quem o mundo tem ao mesmo tempo o tamanho do que podemos ver pelos nossos próprios olhos e o tamanho do universo. Analisar cada um dos temas abordados dessa perspectiva é o desafio. 

O escritor conquistou-me nas primeiras páginas com as brincadeiras lexicais, as confusões fruto da inocência/ignorância de um gaiato que, apesar de ser super inteligente, tem 10 anos. Como ponto positivo, destaco que o João Reis soube dosear este tom ligeiro e apesar de conseguir manter durante todo o livro um tom absolutamente credível para uma criança, também foi capaz de nos mostrar a sua evolução e abordar inúmeros assuntos, alguns que nem sequer fazem grande sentido para o miúdo (aqui temos que fazer uma pausa e pensar em como aqueles pequenos seres absorvem o que vêem, ouvem e lhes transmitimos) mas fazem para nós, leitores adultos.

Apesar de ser um livro relativamente pequeno, somos convidados a fazer uma viagem na história e reflectir sobre temas tão distintos como religião, economia ou política.

Foram as relações entre as personagens que me fizeram mergulhar de alma e coração nesta história. O amor incondicional deste miúdo pela avó (que foi atingida pelos ares atómicos de Chernobyl) ou a amizade com Matt, um sem-abrigo, fizeram com rapidamente criasse uma ligação aos personagens. A importância da memória; a forma como o presente, o que somos, é também parte da memória dos outros ou a tristeza que é quando a memória nos atraiçoa; a coragem de acreditar; a importância de questionar, reflectir, desconstruir para entender... tudo isto está nestas páginas.

Este é um livro que vou levar comigo durante muito tempo. É um livro triste a que o escritor conseguiu imprimir uma leveza surpreendente. 

20645305_2015006061858673_9050076048630355037_o.jp

 

 

publicado por Patrícia às 15:03 link do post
pesquisar neste blog
 
email
ler.por.ai@sapo.pt
mais sobre mim
tags

2017

adam johnson

afonso cruz

afonso reis cabral

agatha christie

alexandre o'neill

alguém quer este livro?

amin maalouf

ana cristina silva

ana margarida de carvalho

ana saragoça

ana teresa pereira

anna soler-pont

anne bishop

anne holt

antonio garrido

as paixões antigas

biblioteca de bolso

brandon sanderson

carla m. soares

carlos campaniço

carlos ruiz zafón

chimamanda ngozi adichie

colleen mccullough

conversas (sur)reais

cosmere

cristina drios

curtas

dan brown

danuta wojciechowska

david soares

diário de leitura

direitos dos leitores

dulce maria cardoso

elena ferrante

filipe melo

frank mccourt

george r.r martin

gonçalo m. tavares

greg mortenson

haruki murakami

helena vasconcelos

ildefonso falcones

inês pedrosa

isabel allende

jo nesbø

joão tordo

jodi picoult

josé eduardo agualusa

josé luís peixoto

josé rodrigues dos santos

josé saramago

juan cavia

julia navarro

juliet marillier

ken follet

l.c. lavado

ler em português

leya em grupo

lídia jorge

livros

luís miguel rocha

mai jia

maria manuel viana

mário zambujal

marion zimmer bradley

meg wolitzer

mitos e outros temas livrescos

mónica faria de carvalho

natal

nuno nepomuceno

opinião

os meus amigos também gostam de ler

patrícia müller

patrícia reis

paulo m. morais

podcast

richard zimler

robert wilson

robin sloan

roda dos livros

rosa lobato faria

rui cardoso martins

rui zink

sandra carvalho

sonhos

stephenie meyer

stieg larsson

stormlight archives

tarita

the way of kings

tiago carrasco

trudi canavan

ursula k. le guin

valter hugo mãe

vasco ribeiro

victoria hislop

words of radiance

youtube

zoran živković

todas as tags

blogs SAPO